/

Empresa de ministra da Cultura ganhou quase um milhão em contratos públicos

11

André Kosters / Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, tem uma quota numa empresa que assinou contratos com entidades públicas, por ajuste directo, no valor de 988 mil euros. Uma dessas entidades é a Câmara de Lisboa, onde Graça Fonseca foi vereadora.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Estes dados são divulgados pelo Correio da Manhã com base nos contratos públicos registados no portal Base. A análise do jornal aponta que a empresa Joule, onde Graça Fonseca tem actualmente uma quota de 4 mil euros, assinou contratos públicos da ordem dos 988 mil euros.

A ministra da Cultura chegou a ser gerente da Joule entre 2007 e 2009, de acordo com a mesma fonte. Graça Fonseca terá renunciado ao cargo em Setembro de 2009, mas mantém-se ligada à empresa, conforme a declaração enviada ao Tribunal Constitucional, sem que isso seja uma violação do regime jurídico das incompatibilidade.

A empresa assinou com a Câmara de Lisboa dois contratos por ajuste directo em Junho de 2018, num total de 22.790 euros. Graça Fonseca foi vereadora na autarquia entre 2009 e 2015.

Entre 2010 e 2013, a Joule assinou contratos, também por ajuste directo, com outra entidade pública, a Parque Escolar, num valor total de 613 mil euros. Nessa altura, Graça Fonseca era autarca.

Há ainda contratos públicos por ajuste directo com a Câmara de Oeiras (39 mil euros), a Frente Tejo (200 mil), a Misericórdia de Lisboa (102.200 euros) e a Metro Lisboa (7 mil euros).

Em reacção a estes dados, o gabinete da ministra da Cultura sustenta, em nota enviada ao CM, que nos 30 anos de existência da Joule, a empresa “realizou mais de mil projectos de engenharia electrotécnica, dos quais apenas 2% foram directamente contratados por entidades públicas”.

“Os contratos assinados com a Parque Escolar para projectos em escolas em Lisboa foram todos anteriores ao início do exercício de funções de vereadora” e o contrato com a Frente Tejo “data de Fevereiro de 2009”, antes da entrada na Câmara, alega ainda o gabinete de Graça Fonseca.

  ZAP //

11 Comments

  1. É assim a politica em Portuigal.
    Pretende-se um poiso mas é apra ganhar dinheiro não para representar os interesses do povo.
    E diria ela “eu também sou do povo” ! Pois é ! Mas não o ganha honestamente como a maioria dos
    portugueses que trabalham a vida toda para pagar a sua casa e os seus impostos.
    Quantos portugueses é que podem dizer que ganharam um milhão ? Será que os politicos ainda não se aperceberam que o povo a ganhar 600€ necessita de quase 120 anos para o ganhar (e o deixer no caminho).
    120 anos e a reforma por idade está cada vez mais longe (para alguns porque para o generais, deputados, ministros vem mais cedo sempre).
    Ainda querem que se vá votar ! BAHhhH!!

  2. Eles sabem fazer a coisa. A ministra andou por outras instituições que não as adjudicatárias desses contratos, e passa a administração da empresa a um amigo quando vai para cargos com maior visibilidade. Tem é de ter o cartão certo, militante do PS (é o que dá mais descontos, ou seja, roubos).
    “Chefe de Gabinete do Ministro de Estado e da Administração Interna e do Secretário de Estado da Justiça no XVII Governo Constitucional (2005-2008).
    Diretora Adjunta do Gabinete de Política Legislativa e Planeamento do Ministério da Justiça entre 2000 e 2002”.
    O PS já enterrou o país em dívida e ainda o Sócrates vai-se safar. O resto dos metralhas continuam lá.

  3. … e todos felizes. Vai votar em quem ? não são migrantes, não são africanos, não são ciganos só um é que tem pele escura o resto nada de anormal como assalariados.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.