Emir do Dubai fica sem a custódia das crianças. Tribunal do Reino Unido considera-o mau pai

Alastair Grant/AP

Mohammed bin Rashid al-Maktoum com a ex-mulher Princesa Haya

O juiz citou o comportamento “coercivo e controlador” de Mohammed bin Rashid al-Maktoum em relação aos membros da sua família.

Mohammed bin Rashid al-Maktoum é um dos magnatas imobiliários mais ricos do mundo, é o primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e o governante do emirado do Dubai. Mas, segundo os tribunais britânicos, é um péssimo pai.

Um juiz de família britânico decidiu quinta-feira que Mohammed bin Rashid al-Maktoum infligiu abusos domésticos numa “escala exorbitante” contra a então esposa Princesa Haya, atribuindo-lhe a custódia exclusiva dos dois filhos do casal, de acordo com o The Washington Post.

Numa sentença escrita, o juiz superior do tribunal de família, Andrew McFarlane, declarou que Mohammed tinha “demonstrado consistentemente um comportamento coercivo e controlador em relação aos membros da sua família que considera que se comportarem de forma contrária à sua vontade”.

A batalha jurídica de dois anos — divórcio, acordo financeiro e luta pela custódia — tornou públicos os estilos de vida luxuosos da família dominante do Dubai, bem como sobre a extensão da tentativa de Mohammed de controlar a sua ex-mulher, incluindo a utilização de spyware israelita.

O caso começou com Haya, a filha de 47 anos do falecido rei Hussein da Jordânia e a sexta e mais nova esposa de Mohammed, que disse temer pela sua vida.

A princesa fugiu primeiro para a Alemanha, depois para Londres em 2019, com os filhos do casal: Zayed, agora com 10 anos, e al-Jalila, agora com 14.

Em dezembro, um juiz britânico concedeu a Haya um acordo recorde — superior a 588 milhões de euros — na sua batalha pela custódia.

Para além dos pagamentos pela segurança 24/7, o tribunal concedeu à Haya milhões para cobrir os custos de manutenção das suas duas casas, perto do Palácio Kensington em Londres e na cidade suburbana de Egham em Surrey, bem como as férias, roupas e salários do pessoal.

  Alice Carqueja, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.