Em apenas dois dias, duas mulheres “dalit” morreram vítimas de violação na Índia

Sanjay Baid / EPA

Protestos na Índia, depois de mais uma jovem dalit morrer vítima de violação

De acordo com a polícia local, uma segunda mulher dalit morreu na Índia após ter sido violada por dois homens. Outro caso semelhante aconteceu esta semana, depois de uma jovem de 19 anos, do mesmo grupo social, também ter morrido depois de ter sido violentada.

O segundo caso diz respeito a uma jovem de 22 anos, que foi violada na terça-feira por dois homens, acabando depois por morreu a caminho do hospital no Estado de Uttar Pradesh. Em declarações à NDTV, a mãe da vítima explicou que “Ela foi deixada em frente a nossa casa. A minha filha mal se conseguia levantar ou falar”.

A jovem pertencia ao grupo social dalit, que anteriormente eram chamados de “intocáveis”. Este grupo está à margem do rígido sistema de castas da Índia, sendo normalmente uma comunidade bastante desfavorecida e com graves problemas socioeconómicos.

O ataque à jovem de 22 anos ocorreu no distrito de Balrampur, em Uttar Pradesh. Segundo a polícia local, os dois suspeitos foram presos e acusados de violação coletiva e homicídio. As autoridades indicaram que a investigação ainda está em curso, e que os suspeitos poderão ser julgados por um tribunal especial.

Contudo, esta semana já tinha ocorrido um crime do mesmo género. A cerca de 500 quilómetros de Balrampur, outra jovem da comunidade dalit foi violada em setembro – alegadamente por quatro homens de castas superiores – acabando também por não resistir aos ferimentos e morrer esta terça-feira no hospital onde se encontrava internada.

A morte da jovem indiana gerou uma onde de protestos em Nova Deli, e em várias cidades de Uttar Pradesh.

A deputada Priyanka Chaturvedi recordou, através de uma publicação no Twitter, que “a morte de uma rapariga de 19 anos por causa de uma violação é mais uma lembrança das falhas da lei, e no sistema em Uttar Pradesh. Durante quanto tempo vão as mulheres continuar a enfrentar um ambiente inseguro sem apoio do sistema?”.

Estes novos casos de violação ocorrem após a execução, a 20 de março, de quatro homens que violaram em grupo e assassinaram uma estudante num autocarro em Nova Deli, em dezembro de 2012 – um crime que se tornou um símbolo da violência sexual contra as mulheres na Índia.

Os cerca de 200 milhões de dalit indianos sofrem agressões e discriminação há muito tempo, mas de acordo com os seus defensores, as agressões aumentaram durante a pandemia causada pelo novo coronavírus.

Em 2019, uma média de 87 violações diárias foi registada na Índia e os crimes contra as mulheres aumentaram em mais de 7% por ano, de acordo com dados oficiais divulgados na terça-feira.

No entanto, este número poderá ser muito superior, uma vez que muitas das violações não são denunciadas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Chamar aos “dalit” intocáveis não é nenhum privilégio. (eu sei que não foi isso que os jornalistas disseram, vá lá, não fiquem já ofendidos) É que na Índia existem seres humanos que em nome de uma Religião são considerados os restos. Ou seja são seres quase não humanos, são considerados nojentos e por isso não se podem tocar, são intocáveis. Algumas pessoas nem sabem a sorte que têm por terem nascido cristãs.

  2. Como se pode chamar “a maior democracia do mundo” a esse país com uma sociedade de castas sendo que a igualdade é um dos pilares da democracia? O que faz a propaganda!…

RESPONDER

Os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas iguais

Uma série de novas imagens revela que os planetas formam-se em sopas orgânicas — e não há duas sopas iguais. Astrónomos mapearam os produtos químicos dentro dos berços planetários com detalhe extraordinário. Os mapas revelam a …

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …