Elementos do GOE processam Estado por falta de pagamento de subsídio de guerra

Vinte e dois elementos do Grupo de Operações Especiais da Polícia (GOE) estão a processar o Estado por não terem recebido o subsídio em cenário de guerra, depois de estarem numa missão de paz da ONU no Chade e na República Centro-Africana.

Dos 60 portugueses mobilizados entre maio de 2008 e dezembro de 2010, apenas 36 terão recebido suplementos, de acordo com o Jornal de Notícias. Os agentes do GOE foram enviados para o Chade como seguranças do representante especial do secretário-geral das Nações Unidas, Youssef Mahmoud, que mediou o conflito armado na região.

Os 22 lesados, que cumpriram as mesmas funções dos restantes colegas, foram os primeiros militares a seguir nesta missão. Eram enviadas equipas de 12 homens, rendidos de seis em seis meses, sendo que as duas primeiras equipas foram aquelas que não receberam o subsídio.

Segundo os profissionais, terá havido um atraso por parte de Rui Pereira, ministro da Administração Interna no Governo de José Sócrates, na emissão dos despachos sobre as condições de participação na missão Minurcat.

À Rádio Observador, Paulo Rodrigues, Presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia explica que a ação, que pede ao Tribunal Administrativo de Lisboa uma indemnização de 324 mil euros, 15 mil euros para cada um dos profissionais, foi avançada assim que o erro foi detetado. Ainda se “tentou resolver por outros meios, mas infelizmente não foi possível”.

“O Governo, que teve responsabilidade na matéria, devia ter feito todas as diligências para colmatar esse erro e conseguir resolver o problema. Infelizmente isso não aconteceu” explica Paulo Rodrigues.

O presidente do sindicato considera ainda que o facto de o Governo não assumir a falha está a atrasar o processo. “Nós temos noção de quem cometeu o erro, o problema é que quem cometeu o erro não o assumiu. Se tivesse assumido, penso que teria resolvido o problema sem [ser preciso] recorrer ao tribunal”.

Este não é o primeiro conflito dos elementos do GOE com o poder político, até hoje sem visibilidade pública. Na origem desta discrição estará a cultura de secretismo dos GOE e o regime de nomeação destes elementos que saberão que a hierarquia não aprecia protestos. O jornal sublinha que “o tradicional afastamento daquele pessoal em relação aos sindicatos também tem ajudado a esconder problemas”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. os governos tratam mal as forças armadas, forças policiais, mas depois querem que os mesmo sejam obedientes e que lhes façam as vontades como aconteceu na greve dos motoristas de materias perigosas.
    deviam ter tido nao ao governo, podia ser que tivessem mais respeito
    mandamos tropas e policias para todo o mundo e depois como paga, “esquecem-se” de comprir com as suas palavras
    tenham vergonha srs politicos

  2. Isto realmente.
    Onde vão desencantar estas pérolas de ministros?
    No pântano?!
    E serenamente… Nada lhes acontece…
    Triste fado o nosso. A justiça é uma brincadeira de garotos…

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …