El Salvador prende mulheres por abortos espontâneos e nados-mortos. Uma mulher procura justiça

Em El Salvador, as mulheres são presas por abortos espontâneos e nados-mortos. Agora, procura-se justiça internacional de forma a fazer uma reforma ao código penal.

El Salvador proíbe completamente o aborto, mesmo em circunstâncias de violação ou incesto, com penas que variam de dois a 50 anos. A proibição do aborto é tão amplamente aplicada que mesmo as mulheres que sofrem abortos espontâneos e nados-mortos podem ser julgadas por homicídio.

Agora, um tribunal internacional decidirá pela primeira vez se essas leis violam os direitos humanos das mulheres salvadorenhas.

A 10 e 11 de março, um tribunal regional da Organização dos Estados Americanos criado para julgar supostas violações de direitos humanos em estados-membros ouviu argumentos no processo “Manuela e Família v. El Salvador”, a respeito de uma mulher de 33 anos, mãe de dois filhos que teve um nado-morto após uma queda em casa na zona rural de El Salvador, em 2008.

Manuela – cujo nome verdadeiro não é usado para proteger a identidade da sua família – foi levada à pressa para o hospital após ficar inconsciente e ter hemorragias.

Embora a mulher dissesse que não sabia da gravidez, funcionários do hospital acusaram Manuela de induzir intencionalmente um aborto e chamaram a polícia. Manuela foi então algemada à cama do hospital, interrogada por médicos e agentes e acusada de homicídio qualificado. Em 2008, foi condenada e sentenciada a 30 anos de prisão.

Mais tarde naquele ano, os advogados da sua família iniciaram o processo legal que acabou no tribunal neste mês. A alegação: que o processo criminal de um nado-morto é uma violação dos direitos humanos.

Leis perigosas

Os profissionais médicos envolvidos na realização de um aborto podem apanhar seis a 12 anos de prisão e podem ser impedidos de praticar medicina. Os familiares que “apoiam uma mulher” para fazer um aborto podem ser punidos com pena de prisão de dois a cinco anos.

Investigações levadas a cabo em todo o mundo mostram que as proibições ao aborto não impedem as mulheres de interromper uma gravidez indesejada ou com risco de vida. Em vez disso, fazem com que se sujeitem a abortos ilegais e possivelmente perigosos, fazendo até com que os hospitais lhes neguem cuidados de saúde reprodutiva.

Entre 2000 e 2017, os países latino-americanos que proíbem o aborto em todas as circunstâncias registaram uma média combinada de 151 mortes maternas por 100 mil bebés nascidos, em comparação com cerca de 68 mortes maternas por 100 mil bebés noutros países.

Há alguns anos, os processos de Evelyn Hernandez e “Diana”, ambas acusadas de homicídio qualificado com base em nados-mortos aparentes, foram examinados.

A análise especializada, conduzida a pedido da Clooney Foundation for Justice, encontrou violações extensas de direitos humanos em ambos os casos, incluindo discriminação com base no género, violações do direito à saúde e transferência indevida do ónus da prova para as rés.

El Salvador garante todos estes direitos em tratados internacionais vinculantes, mas descobriu-se que as autoridades os violaram ao processar Hernandez e Diana.

Violações de direitos

Com base nestas descobertas, foi pedido ao tribunal que ordenasse El Salvador a anular a sentença contra Manuela e a fazer uma reforma na sua legislação penal para cumprir a Convenção Americana sobre Direitos Humanos.

Na audiência de 10 de março do caso “Manuela e Família v. El Salvador”, os advogados de Manuela afirmaram que a acusação da sua cliente violou vários direitos protegidos.

A acusação por um nado-morto constituiu discriminação baseada no género, negou a Manuela o seu direito à saúde e violou o direito a uma vida com dignidade e integridade, argumentaram os seus advogados. O Governo também lhe negou o direito ao devido processo legal, o direito à proteção contra tratamento desumano e o direito à privacidade, afirmaram os advogados.

Se os sete juízes do tribunal decidirem a favor de Manuela, podem ordenar que El Salvador anule a sua condenação e faça uma reforma ao código penal.

Isto poderia significar descriminalizar o aborto, pelo menos em circunstâncias atenuantes como violação ou incesto, como vários países latino-americanos fizeram nos últimos anos. A reforma também pode ter como objetivo interromper o fluxo de condenações injustas por homicídio qualificado contra mulheres que sofrem uma emergência obstétrica.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Buraco na camada de ozono ultrapassa o tamanho da Antártida

A dimensão do buraco na camada de ozono no hemisfério sul ultrapassou o tamanho da Antártida, continente com cerca de 14 milhões de quilómetros quadrados, anunciou hoje o serviço europeu Copernicus, de monitorização da atmosfera. “O …

Políticos e especialistas querem legalizar canábis (com impostos para prevenir o consumo)

Um grupo de 65 personalidades, entre especialistas médicos e ex-ministros, apela à legalização da canábis, considerando que é a melhor forma de prevenir o consumo desta droga, nomeadamente através dos impostos aplicados ao sector. Esta carta …

Mais 1062 casos e seis mortes por covid-19. Internamentos continuam em queda

Há actualmente 497 doentes internados, menos 30 pessoas do que no último balanço. Mais seis pessoas morreram de covid-19 nas últimas 24 horas. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais seis mortes e mais 1062 casos …

Crescimento sustentado da economia dá margem ao Governo nas negociações para OE

Governo tem a seu favor uma evolução positiva das receitas fiscais, o que lhe deverá permitir metas mais ambiciosas de redução do défice ou, em alternativa, assumir mais medidas com impacto negativo no orçamento. O crescimento …

Portugal contratou mais professores, mas salários baixaram

Em ano de pandemia, um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) mostra as diferenças que existem nas carreiras dos professores na Europa e em Portugal. O reforço do número de professores no …

Afinal, a crise no transporte marítimo mundial não vai estragar o Natal - pelo menos em Portugal

O transporte de mercadorias está a desacelerar na Ásia e o aumento dos custos está a causar uma onda preocupação na distribuição. Porém, o problema não se deverá fazer sentir na época de Natal. A falta …

Líder do Estado Islâmico no Grande Saara morto por forças francesas

O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou esta madrugada que o líder do grupo terrorista "Estado Islâmico no Grande Saara" (EIGS), Adnan Abu Walid Sahraoui, foi "neutralizado" por forças militares francesas. "Trata-se de um novo grande sucesso …

Portugal vai ser o país europeu com mais escalões de IRS

Com o desdobramento do terceiro e do sexto escalão de IRS, Portugal será, a par do Luxemburgo, o país europeu com mais níveis na tabela de taxas de imposto. As mexidas nos escalões de IRS já …

Fisco enviou 50 mil notificações de IUC indevidas e vai anulá-las

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) identificou o envio de cerca de 50 mil notificações indevidas para pagamento do IUC, que serão anuladas. A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) identificou o envio de cerca de 50 …

A dança das cadeiras de Boris está a ser interpretada como uma preparação das próximas eleições

A remodelação governamental que Boris Johnson levou a cabo esta quarta-feira está a ser lida como uma preparação para as próximas eleições, ainda que o calendário político não exija uma ida às urnas antes de …