Economista suspeito de terrorismo por escrever equações matemáticas no avião

Penn University

Guido Menzio, professor de Economia na Penn University

Guido Menzio, professor de Economia na Penn University

O italiano Guido Menzio, professor de Economia da Universidade de Pensilvânia (EUA), acabou por ser o motivo do atraso de um voo depois de a passageira ao seu lado o ter confundido com um terrorista ao vê-lo a trabalhar numa equação matemática.

De acordo com o Washington Post, Guido Menzio voava este sábado para a Universidade Queens, no Canadá, onde daria uma palestra, tendo embarcado num voo de ligação da American Airlines proveniente de Filadélfia (Pensilvânia) para Syracuse (Nova Iorque).

A passageira que estava sentada ao seu lado no avião tentou iniciar uma conversa, mas Menzio não mostrou muito interesse e voltou às suas anotações.

Um pouco depois, a mulher chamou uma hospedeira de bordo e passou-lhe uma nota. Enquanto os passageiros esperavam que o avião descolasse, a funcionária dirigiu-se novamente à vizinha de Menzio e, perguntando se se sentia bem, acompanhou-a até à porta do avião.

O economista italiano foi então retirado do avião para ser interrogado por suspeita de ser terrorista.

O que se passou? A passageira viu Guido Menzio a resolver equações diferenciais no seu caderno e, preocupada, alertou a tripulação, supondo que o investigador poderia ser um terrorista.

“Eles disseram-se que ela pensou que eu era um terrorista porque estava a escrever coisas estranhas no meu caderno. Ri-me e voltamos para o avião. Tive que mostrar as minhas equações matemáticas”, escreveu Menzio na sua página no Facebook.

O italiano acabou por voltar ao voo, que partiu com mais de duas horas de atraso.

“Tem uma certa piada, mas é um pouco preocupante”, afirmou Menzio. “A mulher olhou para mim, viu-me a escrever uma fórmula misteriosa e concluiu que eu tinha más intenções. Por causa disso, um voo inteiro atrasou”, relatou.

Ele disse à agência AP que a tripulação deveria ter feito verificações adicionais antes de decidir suspender a partida. “Se decidirmos não investigar um pouco mais um alerta de ‘atividade suspeita’ iremos criar muitos problemas, especialmente se considerarmos que estão a surgir cada vez mais atitudes xenófobas.”

A American Airline, cuja parceira regional Air Wisconsin estava a operar o voo em questão, disse que a tripulação obedeceu as normas protocolares ao cuidar de um passageiro doente e, então, investigar suas alegações – que, concluiu-se, não tinham fundamento.

A mulher, cuja identidade continua anónima, foi transferida para um voo que partiria mais tarde naquela mesma noite.

ZAP / SN / BBC

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “O italiano Guido Menzio, professor de Economia da Universidade de Pensilvânia (EUA), acabou por ser o motivo do atraso de um voo” – não, não foi o italiano o motivo do atraso
    ” a passageira ao seu lado o ter confundido com um terrorista ao vê-lo a trabalhar numa equação matemática. (…) O economista italiano foi então retirado do avião para ser interrogado por suspeita de ser terrorista.” – esta é que foi o motivo do atraso.
    Já vai em altura de a comunicação social começar a escrever factos, não insinuações

RESPONDER

Se diplomacia falhar, China admite uso de força militar para controlar Taiwan

A China vai atacar Taiwan se não houver outra maneira de impedir que este Estado se torne independente, disse Li Zuocheng, um dos mais importantes generais do país, esta sexta-feira. Esta será uma opção de …

Encontrada canábis e incenso em templo bíblico de Israel. Foram usados em ritos religiosos antigos

A análise do material em dois altares da Idade do Ferro descobertos na entrada do santuário "santo dos santos" em Tel Arad, no vale de Beer-sheba, Israel, contém canábis e incenso. Escavações anteriores revelaram duas fortalezas …

Funerárias de Nova Iorque processadas por guardarem cadáveres em camiões

Devido ao elevado número de mortes causadas pela covid-19, as agências Andrew T. Cleckley, DeKalb e Armistead Burial armazenavam os corpos nos camiões frigoríficos até ser possível realizar os funerais. Três processos foram movidos por, pelo …

"Never again". Estudantes nos EUA vão aprender mais sobre o Holocausto

Estudantes norte-americanos vão passar a aprender mais coisas sobre o Holocausto, numa altura em que os Estados Unidos enfrentam níveis cada vez mais altos de antissemitismo. De acordo com a revista Newsweek, o Presidente norte-americano, Donald …

Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas

A Polónia vai ser o primeiro país a voltar a ter adeptos nas bancadas. Os estádios vão poder ter 25% da sua capacidade preenchida, anunciou o primeiro-ministro. De acordo com o jornal online Observador, a liga …

Recondicionados e "banhados a ouro". Irmão de Pablo Escobar vai vender iPhones 11 a 540 euros

A empresa de Robert Escobar, irmão do narcotraficante Pablo Escobar, está a vender iPhones 11 Pro recondicionados por 499 dólares (450 euros). Numa comunicação citada pelo portal Engadget, a Escobar Inc revela que está a vender …

É um polvo, chama-se Dumbo e mora a sete mil metros de profundidade (um novo recorde)

Um polvo foi fotografado no leito do Oceano Índico, a sete mil metros de profundidade. É um novo recorde. A descoberta de um polvo a 7 mil metros de profundidade, 6.957 metros mais especificamente, foi relatada …

Quem andar de montanha russa no Japão não pode gritar (nem bater palmas)

A Associação de Parques Temáticos do Leste e Oeste do Japão divulgou um novo guia de recomendações, numa altura em que o país começa a reabrir face à redução do número de novos casos de …

Jackson Martínez admite terminar carreira no final da época

O futebolista colombiano admitiu, numa entrevista a uma rádio colombiana, que está a pensar pôr um ponto final na carreira no final desta temporada. "Não descarto retirar-me, mas por agora estou focado em terminar a época. …

Na Rússia, os médicos na linha da frente não são aplaudidos das janelas. Enfrentam desconfiança e hostilidade

Em muitos países, os profissionais de saúde na linha da frente do combate ao novo coronavírus são apreciados e até aplaudidos das janelas. No entanto, na Rússia, a história é diferente. De acordo com a …