Nove medalhas depois – e Usain Bolt já é imortal

Usain Bolt conseguiu no Rio 2016 o que nunca ninguém antes fizera no atletismo olímpico, uma tripla vitória em 200 metros, depois de já se ter sagrado tricampeão nos 100 metros, e agora no percurso da estafeta de 4×100 metros pela equipa da Jamaica.

Já se esperava e, este sábado, no Rio de Janeiro, confirmou-se plenamente: o jamaicano reparte com o nadador norte-americano Michael Phelps a primeira linha dos destaques do Rio 2016.

Usain Bolt, a um dia de completar 30 anos de idade, conquistou a famosa  “tripla tripla” no estádio do Engenhão, Rio de Janeiro.

Depois de já se ter sagrado tricampeão nos 100 metros, o atleta jamaicano juntou-lhe o mesmo título nos 200 metros e agora, juntamente com Asafa Powell, Yohan Blake e Nickel Ashmeade, conquistou o ouro pela terceira vez consecutiva no percurso da estafeta de 4×100 metros em 37,27 segundos.

A prata ficou com a equipa japonesa e os norte-americanos chegaram em terceiro lugar mas acabaram por ser desclassificados por invadirem a pista adversária e o bronze sobrou para a equipa do Canadá.

Para Usain Bolt, terá sido o último passo para conquistar a “imortalidade olímpica”, naquela que será a sua ultima prestação numa edição dos Jogos Olímpicos.

“Estou aliviado e orgulhoso, pois tudo se tornou realidade. Sou o maior da história“, atirou o jamaicano depois da corrida.

A vitória nos 200 metros, em 19,78 segundos, fica razoavelmente longe do que Bolt queria e publicamente assumiu: o ataque à marca recorde de 19,19.

Mas o facto é que estas olimpíadas deram três vezes a Bolt o pretexto para fazer o seu célebre “raio” com os braços.

Sem o norte-americano Justin Gatlin na final, nem os seus companheiros de equipa Yohan Blake e Nickel Ashmeade, o favoritismo de ‘lightning’ Bolt ficou reforçado e, com uma partida excelente, o campeão já estava na frente à passagem da curva.

Para os 100 metros finais, inesperadamente não dilatou o avanço, incapaz de correr para recorde, assegurando bem o avanço para quem vinha mais atrás.

Os melhores ‘mortais’, com prata e bronze, foram o canadiano Andre de Grasse (já medalhado nos 100 metros) e o francês Christophe Lemaitre, que assim consegue o resultado da sua carreira.

Na ausência de Gatlin, a ‘honra’ dos Estados Unidos foi defendida por LaShawn Merrit, que fez o que pôde, mas só foi sexto, ainda batido pelo britânico Adam Gemili e o holandês Churandy Martina.

Nação com mais tradições nos 100 e 200 metros nos Jogos Olímpicos, os Estados Unidos nunca ficaram tão subalternizados na velocidade como este ano, muito por culpa do avassalador ‘efeito-Bolt’.

As outras disciplinas do atletismo é que não se mostraram afetadas com isso e os Estados Unidos ‘mandaram’ no decatlo, no lançamento do peso e nas barreiras baixas.

Apostar em Ashton Eaton, recordista mundial e vencedor de todas as grandes provas de decatlo desde 2012, era fácil, sabendo-se que estava em forma. Ganhou no somatório de pontos das 10 provas, com um novo recorde olímpico de 8.893 pontos.

A sua ‘guarda de honra’ no pódio fica entregue ao francês Kavin Mayer, inesperada prata com o recorde nacional de 8.834, e ao canadiano Damian Warner, bronze com 8.666.

Depois de alguns anos menos bons, em que perderam nos Jogos Olímpicos e em Mundiais, os Estados Unidos regressam como primeira potência mundial do lançamento do peso, ‘coroando’ no Rio 2016 um atleta menos esperado da equipa, Ryan Crouser.

A marca conseguida, de 22,52 metros, é de grande nível e constitui novo recorde olímpico, relegando para segundo no pódio Joe Kovacs, apontado como o melhor dos norte-americanos, mas a ficar-se pelos 21,70.

Thomas Walsh, da Nova Zelândia, fechou o pódio, com 21,36, à frente das revelações de ‘nações emergentes’ na especialidade, como o são o congolês Franck Elemba e o brasileiro Darlan Romani.

O campeão olímpico da há quatro anos, o polaco Tomas Majewski, de 35 anos, ainda conseguiu ser sexto e a grande desilusão, em sétimo, foi o alemão David Storl, que era vice-campeão olímpico e bicampeão do mundo.

Kerron Clement, o vice-campeão de 2008, chegou finalmente ao topo do pódio dos 400 metros barreiras, à frente do queniano Boniface Tumuti e do turco Yasmani Copello. O campeão mundial do ano passado, o queniano Nicholas Bett, foi desclassificado nas séries.

Nas barreiras baixas para mulheres, numa prova em que o ‘trono’ estava vago pela exclusão da Rússia, Dalila Moahamad consegue o seu primeiro grande sucesso como sénior, derrotando a dinamarquesa Sarah Slott Petersen e a sua compatriota Ashley Spencer, a negar à checa Zuzana Hejnova novo pódio.

No dardo, confirmou-se o declínio da recordista do Mundo, a checa Barbara Spotaková, de 35 anos, que era dupla campeã e agora não passou do terceiro lugar, com 64,80.

A croata Sara Kolak, apenas no seu segundo ano de sénior, surpreendeu tudo e todos e com um recorde nacional a 66,18 arrebatou a medalha de ouro.

Com a prata ficou a sul-africana Sunette Viljoen, (64,92) confirmando-se como uma presença habitual nos top-5 mas a quem falta ainda um grande sucesso.

Na competição masculina do triatlo, em que Portugal esteve bastante bem, graças ao quinto lugar de João Pereira, assistiu-se a mais um ‘round’ da icónica disputa entre os gémeos Brownlee, com a vitória a sorrir de novo Alistair Brownlee e Jonathan a ficar com a prata, ele que fora bronze há quatro anos.

No terceiro lugar chegou o sul-africano Henri Schoeman.

No boxe, Cuba prosseguiu o seu tradicional domínio na modalidade, com Julio Cesar La Cruz a vencer na final de meios-pesados o cazaque Adilbek Niyazymbetov. A Cuba só faltou um título, nesta edição dos Jogos.

Destaque ainda para os triunfos da Argentina na final de hóquei, sobre a Bélgica – uma estreia – e do Japão sobre a Dinamarca, na final de duplas de badminton, por tangenciais 2-1.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …

Balneários proibidos e 3 metros de distância. As regras da DGS para a prática de exercício físico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda uma distância mínima de três metros entre pessoas que pratiquem exercício físico, no âmbito das medidas de prevenção da pandemia de covid-19. A orientação, intitulada “Procedimentos de Prevenção e Controlo …

Astronautas da NASA já se preparam para voo histórico a bordo do foguetão da Space X

Dois astronautas da NASA já estão a equipar-se para o lançamento histórico de um foguetão concebido e construído pela empresa SpaceX, de Elon Musk, apesar de as previsões meteorológicas indicarem mais tempestades. Com o voo já …

Há dez anos, Portugal adotou a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Portugal adotou há 10 anos a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, após um debate fraturante que remeteu para mais tarde a adoção de crianças por estes casais, possível apenas desde …

Trabalhadores da Autoeuropa temem perda de centenas de postos de trabalho

A entidade coordenadora das Comissões de Trabalhadores da Autoeuropa assumiu hoje, em comunicado, recear a perda de centenas de empregos no parque industrial, que está sem condições para trabalhar sete dias por semana, após a …

Espécies recém-descobertas de anfíbios já estão em risco de extinção

Uma equipa internacional de cientistas acaba de anunciar a descoberta de duas novas espécies e uma nova subespécie de anfíbios perto do Rio Negro, a norte do Vietname, avança o portal IFL Science. As espécies …

BE e CDS rejeitam "paraministros". Só negoceiam com Costa e Centeno

O Bloco de Esquerda e CDS rejeitam negociações com "paraministros", sublinhando que só discutem com membros do Governo, comentando a manchete do Expresso segundo a qual um gestor petrolífero está a assumir esse papel. O semanário …

Países reinventam turismo. No México, hotéis oferecem 2 noites por cada 2 pagas

A pandemia de covid-19, que já matou mais de 350 mil pessoas em todo o mundo, pôs travão ao turismo mas já há países que preparam a retoma do setor com muitas ofertas e até …