Durão garante que Sampaio sabia da Cimeira das Lajes

europaportalen / Flickr

José Manuel Durão Barroso

José Manuel Durão Barroso

O ex-primeiro-ministro garantiu que informou o antigo Presidente sobre a realização da Cimeira das Lajes, nos Açores, “quase imediatamente” após receber um pedido nesse sentido do então chefe do Governo espanhol.

Numa declaração escrita à agência Lusa, Durão Barroso considera “absolutamente falso” o argumento de que o antigo Presidente da República foi “o último a saber” da Cimeira das Lajes, realizada em 16 de março de 2003, e que viria a abrir caminho à intervenção militar no Iraque e posterior deposição do regime de Saddam Hussein.

“O meu contacto com o Presidente da República deu-se quase imediatamente, por telefone, após telefonema que recebi de Aznar [chefe de Governo espanhol], solicitando-me que se realizasse em Portugal a reunião com o Presidente dos EUA [George W. Bush] e o primeiro-ministro do Reino Unido [Tony Blair]”, assegurou ex-presidente da Comissão Europeia, na mesma declaração enviada à Lusa.

“O então Presidente, Jorge Sampaio, não só não foi o último a saber, foi na realidade a primeira a pessoa a saber e mesmo a única entidade que eu consultei antes da decisão tomada”, relatou.

Durão Barroso rejeita assim o argumento inscrito no segundo volume da biografia de Jorge Sampaio. No livro, o autor José Pedro Castanheira dá mesmo o título de “Sampaio é o último a saber” a uma das secções do capítulo dedicado à chamada Cimeira das Lajes.

E sustenta a ideia, recorrendo a uma declaração do então assessor diplomático do Presidente da República Bernardo Futscher Pereira: “O Presidente foi avisado de que ia haver uma cimeira em território nacional duas ou três horas antes de ser anunciada oficialmente. Fiquei furioso!”.

José Pedro Castanheira escreve que Jorge Sampaio recebeu um telefonema de Durão Barroso ao início da manhã de sexta-feira, 14 de março de 2003, manifestando “absoluta urgência” em falar-lhe, embora não ao telefone.

Combinaram então um “encontro imediato” no Palácio de Belém, no qual o então primeiro-ministro comunicou ao Presidente que dois dias depois, em 16 de março, iria ter lugar em território nacional aquela que viria a ficar conhecida como Cimeira das Lajes.

“Eu não tinha que autorizar ou deixar de autorizar, dado os poderes que o Presidente tem em política externa. Desde setembro que ele sabia a minha opinião. Respondi-lhe: ‘Se me diz que é uma derradeira e essencial tentativa para a paz e evitar a guerra no Iraque, nada a opor”.

Relativamente ao assentimento presidencial, ambos concordam e Durão Barroso voltou a sublinhar este ponto na declaração que fez esta segunda-feira à Lusa.

“A cimeira não poderia aliás ter tido lugar se o Presidente da República, que é também Comandante Supremo das Forças Armadas, não tivesse concordado com a sua realização dado que a base das Lajes, ainda que cedida temporariamente aos EUA, é uma base militar portuguesa. Seria obviamente impensável realizar-se lá evento político diplomático tão relevante sem o consentimento do Chefe de Estado português”, salientou.

O ex-primeiro-ministro salientou: “o Presidente Jorge Sampaio foi a primeira pessoa a quem referi a hipótese da Cimeira das Lajes e a única por mim consultada a esse respeito”.

Deu o seu acordo quanto à sua realização. Pode naturalmente mudar-se de opinião quanto a essa opção. Mas não pode agora alterar-se aquilo que realmente aconteceu”, afirmou.

Em maio de 2016, o antigo líder do PSD e atual presidente do conselho de administração do banco Goldman Sachs já abordara a concordância prévia de Sampaio. E o ex-Presidente, em artigo de jornal, invocou os mesmos argumentos, designadamente de que “não cabe ao Presidente autorizar ou deixar de autorizar atos de política externa” e de que “nada teria a opor” à cimeira, verificando-se os pressupostos de se tratar de “uma derradeira e essencial tentativa para a paz e evitar a guerra no Iraque”.

Continua por esclarecer se o antigo Presidente foi “o último a saber”, como refere o jornalista José Pedro Castanheira, ou se soube logo após a solicitação espanhola para a realização da cimeira, como assegura Durão Barroso.

A agência Lusa pediu um comentário ao gabinete do ex-Presidente da República sobre as declarações do ex-primeiro-ministro, o que não foi possível até ao início da tarde.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente da IPSS "O Sonho" constituído arguido

O presidente da Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) ‘O Sonho’, em Setúbal, foi constituído arguido e ouvido esta sexta-feira na Polícia Judiciária de Setúbal, disse à agência Lusa o diretor daquela polícia, Vítor Paiva. Segundo …

Cirurgiões retiram o "maior tumor cerebral de sempre"

No passado dia 14 de fevereiro, cirurgiões indianos conseguiram remover o maior tumor cerebral de sempre. Santlal Pal, de 31 anos, vivia desde 2015 com um tumor de 1,8 quilos. Santlal Pal viu nos últimos anos …

Tripulantes da Ryanair marcam greve para 29 de março, 1 e 4 de abril

Os tripulantes de cabine da Ryanair exigem o cumprimento da legislação laboral e afirmam que a situação laboral na empresa é "insustentável". Os tripulantes de cabine da Ryanair anunciaram hoje que vão estar em greve nos …

Governador do Missouri detido por chantagear uma mulher

O governador do Estado do Missouri foi detido esta quinta-feira sob acusação de ter chantageado uma mulher com quem manteve um relacionamento extraconjugal em 2015. Eric Greitens foi libertado sem fiança, esta sexta-feira. Eric Greitens foi …

PJ de Setúbal faz buscas na IPSS "O Sonho"

A Polícia Judiciária está a realizar buscas à instituição particular de solidariedade social (IPSS) "O Sonho", em Setúbal, por suspeitas dos crimes de fraude na obtenção de subsídio, participação económica em negócio e peculato. "As buscas, …

À luz das regras europeias, despedimento coletivo pode abranger grávidas

Segundo o Tribunal de Justiça, as grávidas podem ser despedidas em caso de despedimento coletivo. Em Portugal, a entidade patronal deve comprovar que a demissão não está relacionada com a gravidez. O Tribunal de Justiça da …

Sindicatos falam em adesão de 68% à greve dos CTT

Os sindicatos afetos aos CTT afirmam que estão cerca de duas mil pessoas na manifestação contra a atual situação dos Correios, enquanto a polícia aponta para 1.500, disseram à Lusa os responsáveis no local. Os trabalhadores …

Adalberto Campos Fernandes

Concurso de médicos recém-especialistas publicado na próxima semana

O despacho com a abertura do concurso para a colocação dos médicos recém-especialistas nos hospitais, reclamado há meses por estes profissionais, será publicado na próxima semana, anunciou hoje o ministro da Saúde. Adalberto Campos Fernandes fez …

Benfica e Jorge Jesus chegam a acordo

O atual treinador do Sporting confirmou ter chegado a acordo com o Benfica, no processo em que os encarnados pediam 14 milhões de euros de indemnização na sequência da saída do técnico da Luz. "Quem chegou …

"Uma vergonha" diz a Ordem sobre decreto que permite aos engenheiros assinar projetos

O projeto de lei que permite aos engenheiros assinar projetos de arquitetura, aprovado esta quinta-feira no parlamento, é "um retrocesso e uma vergonha" para o vice-presidente da Ordem dos Arquitetos, Daniel Fortuna do Couto. Daniel Fortuna …