Draghi dá início às consultas políticas enquanto Conte pede um Governo político

Mário Draghi já iniciou as reuniões com os partidos para formar um novo Governo. Sílvio Berlusconi já disse que apoiava, M5S e Liga ainda não se pronunciaram.

O primeiro-ministro indigitado italiano, Mário Draghi, deu esta quinta-feira início às consultas políticas para a formação de um Governo, tendo recebido já “luz verde” de Sílvio Berlusconi (Força Itália), enquanto o antecessor, Giuseppe Conte, lhe pediu um executivo político.

O ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) foi encarregue pelo chefe de Estado italiano, Sérgio Mattarella, de formar um novo executivo, depois de Conte ter apresentado a demissão na sequência da saída da coligação governamental do partido de Matteo Renzi, também um ex-primeiro-ministro e líder do Itália Viva (IV).

Draghi, a quem Mattarella pediu um Governo de emergência para pôr fim à crise política em plena pandemia de covid-19, já assegurou alguns apoios de algumas das principais forças políticas representadas no Parlamento, mas o Movimento 5 Estrelas (M5S, antissistema até à chegada ao poder no Governo de Conte e que conta com cerca de um terço dos senadores e dos deputados), está longe da adesão à causa.

O primeiro-ministro cessante, apoiado apenas pelo M5S, de quem é próximo, sem ser, contudo, militante, e o Partido Democrata (PD, centro-esquerda) não chegaram a um consenso para formar um novo governo e Conte já disse, após o pedido de Mattarella a Draghi, que “não será um obstáculo” para o futuro chefe do executivo italiano, desejando-lhe “boa sorte e coragem”.

A tarefa do economista será difícil, tendo em conta que Itália está a ser assolada pela pandemia de Covid-19, que já provocou quase 90.000 mortes, e que o futuro Governo terá de apresentar, até ao fim de abril, o plano de relançamento da economia do país, em recessão, com a importante ajuda financeira da União Europeia (UE).

Segundo o diário La Stampa, Draghi está confrontado com um “puzzle”: o PD e a Itália Viva estão prontos a apoiá-lo, bem como os conservadores do Força Itália, de Berlusconi e de algumas forças adicionais à esquerda e no centro.

Mas o também antigo governador do Banco de Itália precisará igualmente da abstenção, se não mesmo do apoio, do principal partido da oposição, a Liga (extrema-direita), de Matteo Salvini, cujo posicionamento, bem como o do M5S, será crucial, face ao importante número de eleitos para as duas câmaras italianas.

Esta quinta-feira, Berlusconi, após uma reunião com Draghi, manifestou o apoio ao primeiro-ministro indigitado, considerando que “a tarefa vai ao encontro do caminho” defendido pela Força Itália, sublinhando tratar-se de uma personalidade com um alto perfil institucional” em torno de quem “se pode tentar congregar os melhores talentos do país”.

O já três vezes primeiro-ministro italiano foi mais longe e convidou todos os partidos a apoiarem a proposta de Mattarella, tendo em conta a crise pandémica.

Segundo os cenários apresentados esta quinta-feira pelo La Stampa, e tendo por base o número de deputados de cada partido, não haverá Governo de Draghi se a Liga e o M5S se opuserem em conjunto. Em sentido inverso, o apoio de um dos dois partidos será suficiente para o nascimento de um novo executivo.

Mesmo depois de ter deixado de lado a sua vertente radical após a chegada ao Governo de Conte, o M5S nasceu como um partido de luta contra as elites, tornando-se “politicamente delicado” aprovar uma personalidade que foi um dos principais visados no combate político no passado.

A Itália espera receber a “parte de leão” — cerca de 200 mil milhões de euros — do fundo de relançamento económico da UE, mas terá de apresentar até ao fim de abril, em Bruxelas, um plano de despesas pormenorizado.

Se Draghi não conseguir encontrar uma maioria parlamentar, ou se não obtiver a confiança do Parlamento após assumir o cargo, o cenário de eleições antecipadas será tido em conta.

Porém, Mattarella, o único capaz de provocar eleições antes do final do mandato da legislatura, em 2023, já deixou claro na terça-feira que quer evitar uma votação antecipada a meio de uma crise económica e sanitária.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Regiões portuguesas entre as que mais colocaram trabalhadores em teletrabalho

  Apesar dos números elevados registados em Portugal, futuro do modelo está ainda em aberto, face à preferência dos patrões em ter os funcionários a trabalhar em ambiente de escritório. De acordo com dados revelados pelo Eurostat, …

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …

EUA aprovam terceira dose da Pfizer para maiores de 65 anos e grupos de risco

A Food and Drugs Adminustration (FDA) anunciou, na noite de quarta-feira, ter dado luz verde à administração de uma terceira dose da vacina da Pfizer em alguns casos. O organismo que regula a comercialização de medicamentos …