/

Primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte demite-se do cargo

3

worldeconomicforum / Flickr

Giuseppe Conte, primeiro-ministro de Itália

O primeiro-ministro italiano apresentou a demissão, na manhã desta terça-feira, ao Presidente do país. As consultas para a formação de um novo Governo começam já esta quarta-feira.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, o primeiro-ministro Giuseppe Conte dirigiu-se ao Palácio do Quirinal, residência oficial do Presidente da República, esta manhã, para apresentar a sua demissão. Depois deste encontro, o chefe do Governo cessante irá reunir-se com os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.

Em comunicado, a Presidência italiana anunciou oficialmente a demissão do primeiro-ministro e indicou que o chefe de Estado, Sergio Mattarella, pediu a Conte que continue à frente do cargo até ser encontrada uma nova solução.

O Presidente agendou para quarta-feira à tarde as consultas com os partidos para a formação de um novo Executivo, adianta o diário italiano, acrescentando que o dia de hoje será marcado por uma intensa atividade. As forças políticas terão de traçar estratégias para enfrentar esta crise política e decidir qual a mensagem a passar a Mattarella.

Na segunda-feira, a imprensa internacional avançou que Conte ia mesmo avançar para a demissão devido à falta de apoio à sua coligação parlamentar, depois da crise provocada pela saída do partido Itália Viva, de Matteo Renzi.

Renzi tem criticado a gestão do Governo à pandemia da covid-19 e discordou do plano idealizado pelo primeiro-ministro para absorver e aplicar os mais de 200 mil milhões de euros que a União Europeia (UE) deverá disponibilizar em breve no quadro do relançamento económico e do combate à crise sanitária.

O abandono do partido desta formação governamental levou à demissão de duas ministras e deixou o líder do Executivo sem a maioria no Senado. Na semana passada, a manifestação de apoio pedida por Conte na câmara alta do Parlamento italiano falhou os 161 votos necessários para obter a maioria absoluta.

Esta será a terceira vez em dois anos e meio que o Presidente italiano terá de proceder a uma nova consulta para formar Governo.

  Filipa Mesquita, ZAP // Lusa

3 Comments

  1. Só por cá é que esta corja se perpetua no poder. Depois de tudo o que já fizeram de mal ao nosso país não têm um pingo de vergonha.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.