Dois terços dos reclusos da Índia não foram condenados (nem julgados)

A Índia tem o segundo maior número de pessoas detidas de forma preventiva no mundo, precedida apenas pelos Estados Unidos (EUA). Contudo, neste último, os detidos que aguardam julgamento representam apenas 20% da população encarcerada, enquanto no primeiro esse número chega aos 68%.

Quando Deepak Mishra, de 36 anos, fala sobre o seu tempo na prisão, fá-lo com raiva e frustração. Preso em junho de 2013 por acusações relacionadas com drogas, passou quatro anos e meio na Cadeia de Tihar, em Deli, o maior complexo prisional do sul da Ásia. E isso foi antes de uma condenação ser proferida, noticiou o Raw Story na terça-feira.

Na verdade, ainda não houve sequer julgamento. Embora tenha saído sob fiança em dezembro de 2017, o seu caso não foi decidido até à data, e aqueles quatro anos e meio – que descreve como ‘narag’, que significa “inferno” – não contam como tempo de prisão caso seja condenado.

Mas este não é um caso único. De acordo com as estatísticas recentes da Agência Nacional de Registos Criminais (NCRB), mais de dois terços da população carcerária da Índia – 68% – foi detida antes do julgamento e ainda não foi julgada, nem condenada.

Dos 433 mil reclusos na Índia, mais de 293 mil aguardam julgamento, e o problema está a piorar: em 2014, esse número era de 283 mil. Em alguns estados, até 82% da população carcerária aguarda julgamento.

Contudo, apesar do grande número de detidos em prisão preventiva na Índia, o World Prison Brief – banco de dados ‘online’ com informações sobre as prisões de todo o mundo – revela que a Líbia é o país com maior percentagem de reclusos a aguardar julgamento: dos cerca de 10 mil detidos, 90% está nessa lista. Seguem-se o Bangladesh (80,9%), o Paraguai (77,9%), Benim (75,8%) e as Filipinas (75,1%).

Segundo o presidente do Fórum Nacional para a Reforma Prisional da Índia, em Nova Deli, Ajay Verma, os esforços para resolver o problema nas prisões indianas fracassaram e as mesmas sofrem com a superlotação.

Dados da Autoridade Nacional de Serviços Jurídicos relativos a 2018 mostram que as 1.412 prisões do país conseguem receber até cerca de 378 mil pessoas. Essa capacidade é suficiente para os reclusos que são condenados, mas quando são incluídos os que estão em prisão preventiva, essa capacidade é ultrapassada em 15%. Em Deli, especificamente, é ultrapassada em 127%.

No ano passado, o Comité para Reformas Prisionais da Suprema Corte da Índia ordenou que os diretores-gerais das prisões estatais agilizassem os processos dos reclusos que aguardavam julgamento e criassem comités de revisão para cumprir metas mensais e apresentar relatórios de progresso.

“Ainda precisamos verificar o quão eficientes são esses comités”, afirmou Ajay Verma. O Supremo Tribunal também pediu aos estados para garantirem que a superlotação não exponha os reclusos a condições desumanas.

De acordo com os dados do NCRB, quase duas mil crianças estão alojadas nas prisões da Índia com as suas mães, aumentando o número de pessoas que precisam de ser alimentadas nas cadeias, tornando as condições ainda mais difíceis para todos.

Entre 2011 e 2016 – apesar das ordens da Suprema Corte para resolver o problema – o número de presos preventivos aumentou quase 5%. “Em todos os outros países, apenas aqueles que cometeram uma ofensa hedionda são levados para a prisão e outros têm direito à fiança. Na Índia, todos são mandados para a prisão”, disse Sunil Gupta, ex-consultor jurídico da Tihar Jail, que trabalhou em sistemas prisionais mais de 35 anos.

Em março de 2018, o Governo indiano lançou algumas medidas destinadas a mitigar o número de detenções antes do julgamento, incluindo serviços jurídicos gratuitos para os reclusos. Mas o grande número de casos mostra que mesmo as “medidas bem intencionadas e formuladas” não conseguiram resolver a questão, referiu Sunil Gupta.

Quase um quarto dos reclusos em prisão preventiva na Índia estiveram encarcerados por mais de um ano. Para o ex-consultor jurídico, uma solução possível seria estabelecer um limite de tempo dentro do qual os casos deviam ser adjudicados. “Os ricos são capazes de subornar. São os pobres e marginalizados que ficam presos no sistema“, afirmou.

O maior obstáculo é, contudo, colocar esse tipo de solução no radar dos políticos. “A vontade política séria de mudar as coisas para os reclusos é quase zero”, disse ainda.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …