Diretor da agência de vacinação fez frente a Trump sobre hidroxicloroquina. Acabou demitido

booknews / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Rick Bright, ex-diretor da Biomedical Advanced Research and Development Authority, diz ter sido obrigado a abandonar o cargo por fazer frente a Donald Trump sobre a hidroxicloroquina.

O responsável da agência de vacinação dos Estados Unidos, Biomedical Advanced Research and Development Authority, diz que foi afastado do cargo por pressão política, depois de se ter oposto ao investimento em hidroxicloroquina como possível solução para o novo coronavírus.

De acordo com a Renascença, Rick Bright foi afastado do cargo esta semana depois de ter entrado em conflito com a Human Health Services (HHS), o equivalente à Direção-Geral da Saúde dos Estados Unidos. Em causa estava a aposta no medicamento desenvolvido para combater determinadas estirpes do vírus da malária.

A hidroxicloroquina tem surgido várias vezes nos discursos do Presidente norte-americano, que encara este medicamento como uma potencial solução para a pandemia de covid-19. Bright apôs-se a esta solução e diz que acabou por ser castigado por se opor ao que considera ser um desperdício de dinheiro.

“Creio que esta transferência foi uma reação à minha insistência de que o Governo invista os milhares de milhões de dólares alocados pelo Congresso para enfrentar a pandemia de covid-19 em soluções cientificamente comprovadas e não em medicamentos, vacinas ou outras tecnologias que não tenham mérito científico”, explicou o responsável.

“Estou a falar agora porque se queremos combater este vírus mortal tem de ser a ciência – e não a política ou o clientelismo – a liderar“, acrescentou, num comunicado citado pela CNN.

“Também resisti aos esforços para financiar medicamentos potencialmente perigosos promovidos por quem tem ligações políticas. Especificamente, e contratiando diretrizes mal orientadas, limitei o uso amplo de cloroquina e hidroxicloroquina, promovidos pela administração como uma panaceia, mas à qual faltam claros méritos científicos”, referiu.

Bright refere que a hidroxicloroquina é um medicamento “potencialmente perigoso” e, entre os perigos, elenca um possível aumento da mortalidade, observado em alguns estudos do uso de hidroxicloroquina em doentes com covid-19.

Aliás, na terça-feira, foi divulgada uma investigação desenvolvida em centros médicos de apoio a veteranos de guerra, e ainda não revista pela comunidade científica, que sugere que administrar hidroxicloroquina nestes casos não é eficaz e pode causar mais mortes.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Quando a ciência e a realidade o desmentem (como acontece constantemente!), o Trump só tem um “argumento”: “it’s time to fire him”!!

RESPONDER

Cientistas estão a atirar rochas vulcânicas para telhados (para provar que são perigosas)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Canterbury está a lançar rochas vulcânicas para telhados na Nova Zelândia na esperança de ajudar os habitantes de Auckland a entender os perigos vulcânicos. "Auckland localiza-se num campo vulcânico …

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve nos mapas durante um século

A cordilheira Kong nunca existiu, mas esteve durante 100 anos em muito dos principais mapas do continente africano. Acabaria por ser um militar francês, que explorou o rio Níger, a acabar com este "fantasma da …

"Continua a pairar perigosamente". Relógio do Juízo final mantém-se a 100 segundos do Apocalipse

A Humanidade nunca esteve tão perto do Apocalipse, alertam os cientistas responsáveis pelo "Relógio do Juízo Final", que decidiram mantê-lo na mesma posição do ano passado, a 100 segundos da meia-noite. O relógio, que é uma …

A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu …

Um oásis LGBTQ, Budapeste é posto à prova pelo populismo e pela pandemia

Budapeste é um oásis para a comunidade LGBTQ, mas a cena drag da capital húngara vê-se ameaçada pela pandemia de covid-19 e pelas políticas conservadoras e populistas de Viktor Orbán. Durante muitos anos, Budapeste desfrutou a …

Coreia do Sul "ressuscitou" voz de uma superestrela. Chovem preocupações éticas

Pela primeira vez em 25 anos, a distinta voz da superestrela sul-coreana Kim Kwang-seok será ouvida na televisão nacional. O famoso cantor folk morreu em 1996. De acordo com a CNN, a emissora nacional da Coreia …

Maioria dos países africanos só terá vacinação em massa a partir de 2023

A maioria dos países africanos só terá imunização em massa a partir de 2023, segundo previsão da The Economist Intelligence Unit, que admite que, com o evoluir da pandemia, muitos dos países mais frágeis possam …

Mulher que "morreu" com covid-19 aparece viva 10 dias após funeral

Uma mulher de 85 anos ficou infetada com covid-19 num lar na Galiza, em Espanha. A 13 de janeiro a família de Rogelia Blanco recebeu a informação do lar de que a mulher tinha falecido. …

Familiares de vítimas na China pressionadas a não falar com OMS

As autoridades chinesas estão a pressionar as famílias das primeiras vítimas da covid-19 para que não entrem em contacto com os investigadores da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Wuhan, segundo familiares dos falecidos. Mais de …

Falsas vacinas à venda na Internet são grande risco para a saúde

Embora milhões de pessoas tenham sido já vacinadas contra a covid-19 nos países ricos, proliferam as fraudes na Internet com fármacos falsos que representam um grande risco para a saúde, alertaram peritos das Nações Unidas. As …