/

Detidos dois dos reclusos que fugiram da prisão de Caxias

4

Dois dos três reclusos que fugiram do estabelecimento prisional de Caxias, Oeiras, foram detidos em Madrid, no domingo, com documentos de identificação falsos, disse à Lusa fonte da polícia nacional espanhola.

A mesma fonte adiantou que os dois reclusos, de nacionalidade chilena, ficaram sob custódia do Tribunal Superior de Justiça. O outro recluso, um português, continua a monte.

Segundo explicou no domingo a Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), os três reclusos fugiram do Estabelecimento Prisional de Caxias durante a madrugada deste domingo, a partir da janela da cela, ocupada por quatro detidos.

Em comunicado, a DGRSP adiantou que os evadidos são dois cidadãos chilenos, com 29 e 30 anos, e um português com 30 anos e que “todos se encontravam presos a aguardar julgamento por crimes de furto e roubo em processos criminais distintos”.

A fuga dos três detidos foi comunicada às diversas forças policiais – GNR, PSP e PJ – para a recaptura dos evadidos e a direção-geral “instaurou de imediato um processo de averiguações, a cargo do Serviço de Auditoria e Inspeção da Direção Geral”.

A Associação Sindical de Chefias do Corpo da Guarda Prisional considerou que a evasão dos três reclusos “é o reflexo das más condições em que se encontra o sistema prisional”, que, na sua opinião, “foi votado ao abandono pelo Estado”.

“Há uma situação dramática de falta de guardas prisionais. Pelas contas da associação faltam pelo menos mais 1.200 guardas nas cadeias portuguesas, um alerta que temos vindo a fazer há cerca de oito anos”, adiantou.

“O EP de Caxias já devia estar encerrado. É um forte militar adaptado sem condições estruturais para ser uma cadeia. Não tem condições de habitabilidade para os reclusos nem para os guardas”, concluiu a associação.

Reclusos terão tido apoio da máfia chilena

Os três reclusos que estavam em prisão preventiva por assaltos a residências, na cadeia de Caxias, terão conseguido fugir da prisão com o apoio da máfia chilena.

Segundo avança o Jornal de Notícias, a máfia chilena está a oferecer entre 200 mil e meio milhão de euros a quem ajudar a fugir os seus elementos presos, para que estes consigam regressar ao seu país.

  ZAP // Lusa

4 Comments

  1. “…ajudar a fugir os seus elementos presos, para que estes consigam regressar ao seu país.”

    A regressar ao seu país?
    Mas se eles estão cá porque são procurados no País de origem !!!!
    Vão regressar à boca do Lobo ????
    Quanto muito para irem trabalhar noutra área geográfica, agora no Chile, só se forem parvos !!!!

  2. Meio milhão de euros ou dólares que a máfia chilena pagou pela libertação segundo notícias vindas a público, quem recebeu o dinheiro?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.