Chefe do FMI faltou à reunião que tinha convocado

Mário Cruz / Lusa

O economista do FMI Antoine Bouveret conversa com o presidente do Conselho Económico e Social, Luís Filipe Pereira, durante a reunião entre o FMI e os parceiros sociais à qual Subir Lall, chefe de missão do FMI, não compareceu

Os parceiros sociais manifestaram-se incrédulos perante a ausência do chefe de missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal, Subir Lall, no encontro convocado pelo mesmo, no âmbito do processo de acompanhamento e monitorização da economia nacional.

Naquela que deveria ter sido uma reunião para avaliar as políticas do mercado de trabalho e o seu impacto fiscal, incluindo a reposição da lei das 35 horas de trabalho semanal para a função pública, o salário mínimo, a despesa pública e as desigualdades, os parceiros sociais estiverem reunidos mais de duas horas com dois técnicos do FMI que não conhecem, sem que lhes tenha sido dada uma justificação para a ausência de Subir Lall, que convocou o encontro.

Uma ausência que surge depois de Subir Lall ter defendido, em entrevista à Lusa, que os portugueses devem trabalhar mais anos e com menos direitos na reforma.

Entre os sete elementos do FMI que deveriam estar presentes no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, compareceram apenas dois que, segundo os parceiros, nada disseram, não se apresentaram, tomaram notas, e que apenas falaram para colocar uma questão: “Qual a opinião dos parceiros sociais sobre a redução do investimento em Portugal?”.

“Surpreendeu-nos a ausência de Subir Lall e não foi explicada a razão. Espero que seja uma boa razão, senão significa um desprezo pela concertação social e pelos parceiros, que nós consideramos que é negativo. Os técnicos presentes não se apresentaram e pela idade não devem ser pessoas com muita experiência”, afirmou o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes.

Também o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, lamentou o facto de o chefe de missão do FMI não ter estado presente no encontro.

“Robôs que tiram apontamentos e não respondem”

Do lado das centrais sindicais, a surpresa pelo sucedido pautou as declarações do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, para quem “situações destas no futuro não podem voltar a verificar-se”.

“O FMI não pode pensar que chega a Portugal, define uma agenda política e chama os parceiros sociais para dar suporte a essa agenda política, sem dizer uma palavra, sem fundamentar uma posição, sem justificar aquilo que dizem”, considerou o líder da central sindical.

Arménio Carlos acrescentou ainda que os técnicos “funcionam como robôs, entram para ouvir falar, tiram apontamentos, são confrontados com questões concretas, e não respondem”.

Já a UGT, pela voz da secretária-geral adjunta, Ana Paula Bernardo, afirmou que a estrutura sindical não foi informada da composição, “nem total, nem parcial, da delegação do FMI”.

“Foi-nos dito que numa próxima oportunidade o chefe de missão tentaria estar presente”, disse.

Questionada sobre quem seriam os dois elementos do FMI presentes no encontro desta manhã, Ana Paula Bernardo disse não saber responder a essa pergunta, e acrescentou: “Tanto quanto sabemos são técnicos do FMI que acompanham certamente Portugal, mas essa questão terá de ser colocada ao chefe de missão”.

A deslocação dos representantes do FMI a Lisboa, com a duração de mais de uma semana, tem final marcado para quarta-feira.

De acordo com a folha de presenças afixada no final da reunião, os técnicos do FMI presentes no encontro eram Matthew Gaertner e Maximilien Queyranne, que surgem como contribuidores no relatório ontem publicado, Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal, nos capítulos relativos às dívidas pública e privada.

Ambos são responsáveis pelo capítulo intitulado “Dealing with Public Debt Overhang: Fiscal Adjustment and Challenges Ahead” (ajustamento fiscal e desafios futuros).

Maximilien Queyranne, do Departmento de Assuntos Fiscais (FAD) do FMI, é ainda um do autores do capítulo seguinte, “Dealing with Private Debt Overhang: Corporate Debt Restructuring” (reestruturação da dívida empresarial).

ZAP / Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Burros somos nós. Se sua excelência nao compareceu, nem deu explicações, saiam todos e nao havia reunião.
    Efectivamente é o tipico português… totocas.

    • Falas por ti, obviamente!
      Mas, já é bom admitires, agora só falta tentar corrigir isso!…
      Pela “qualidade” do comentário já vais num nível de burridade bastante avançado… estás quase ao nível desse parasita do FMI!…

  2. A culpa foi do bom vinho que temos por cá que acompanhou certamente uma boa refeição como não se consegue comer em qualquer país e depois deveria ter dado em sonolência que o dito personagem teve que satisfazer com uma boa soneca!

  3. Ate um preto da Etiopia goza com nos. Não apareceu e deixou tudo pendurado. É este o respeito do FMI pelos portugueses.

RESPONDER

Estudo europeu releva que carros híbridos são “desastre ambiental”

Um estudo europeu chamou aos carros híbridos plug-in um "desastre ambiental" - as emissões de dióxido de carbono destes carros encontrar-se-ão acima do legalmente declarado e a associação ambientalista Zero pede o fim dos benefícios …

Fisco alerta para mensagens falsas enviadas a contribuintes

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) alertou os contribuintes, numa mensagem no portal das Finanças, para o envio de mensagens falsas para o telemóvel nas quais é pedido que se carregue em 'links' que são …

"Pandemia do medo". Crianças brincam cada vez menos e isso pode aumentar a ansiedade

A pandemia assim o obriga. Mais tempo fechadas em salas de aula e sem oportunidades para brincarem com os amigos, as crianças estão cada vez mais sedentárias e isso não é positivo para o seu …

Convívio deve ser limitado às pessoas com quem se vive, apela DGS

A diretora-geral da Saúde apelou aos portugueses, esta segunda-feira, na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal, para limitarem os contactos físicos às pessoas com quem vivem. "Ao conviver em presença com familiares …

"Lembranças da Lua." China prepara missão para recolher amostras do solo lunar

A China vai fazer a primeira tentativa desde os anos 70 de ir à Lua recolher rochas. A missão ficará a cargo da Chang'e 5, que será lançada esta terça-feira. A Chang'e 5 vai realizar a …

Hotéis já podem ser usados como escritórios e centros de dia

Os estabelecimentos hoteleiros, de turismo de habitação e resorts já estão autorizados a serem temporariamente usados como escritórios, showrooms e centros de dia, segundo o decreto-lei publicado em Diário da República. O diploma publicado no domingo, …

Bolsonaro critica "ataques injustificados" sobre a desflorestação da Amazónia

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, considerou durante a cimeira virtual do G20, que as críticas sobre o aumento da desflorestação são "ataques injustificados" e "demagógicos" que surgem de países "menos competitivos". “Eu apresento factos, dados …

Dois novos casos de legionella diagnosticados no Grande Porto

Mais duas pessoas foram diagnosticadas com legionella, esta segunda-feira, na região do Grande Porto, elevando para 87 o número de casos identificados desde o início do surto. Fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) …

Reformaram-se 1.649 professores este ano. É o valor mais alto desde 2013

Este ano, reformaram-se mais 1.649 professores em Portugal continental. É o valor mais alto dos últimos sete anos. De acordo com o Correio da Manhã, entre janeiro e dezembro deste ano, aposentaram-se 1.649 professores em Portugal …

Já foram assassinadas 30 mulheres este ano, metade por violência doméstica

O Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA) contabilizou 30 mulheres assassinadas entre 1 de janeiro e o dia 15 de novembro, 16 das quais em contexto de relações de intimidade, um valor abaixo das 21 registadas …