Denúncia de praxes violentas na Escola Naval. “Tortura do sono” e “sacos na cabeça”

A Marinha recebeu há alguns dias queixas de pais que, sob anonimato, denunciaram alegadas praxes violentas sobre alunos do 1.º ano da Escola Naval.

De acordo com os relatos, esta quinta-feira divulgados pelo Diário de Notícias, os cadetes foram sujeitos a “tortura do sono”, obrigados a andar com “sacos amarrados na cabeça”, a estarem “em tanques de água noites a fio” e foram também deixados “nus na parada”.

“Não quero chorar a morte do meu filho, como as mães dos [recrutas] comandos” falecidos no início do curso em setembro de 2016, disse a mãe de um dos cadetes em declarações ao matutino sem revelar a sua identidade.

De acordo com a mesma mãe, o seu filho “tirou fotos” para documentar algumas das situações mas estas foram eliminadas por superiores, porque os telemóveis dos cadetes “são vistos” com frequência e “o direito de privacidade não existe”.

Os exemplos apontados por esta mãe vão ao encontro do relato publicado por um pai de um cadete, através de uma publicação no Facebook do passado domingo, na qual escreve que “os alunos são privados do sono, dormindo, em média seis horas por semana”. Mário Antunes dá ainda conta que os alunos “adormecem nos testes (…), sendo raro os que conseguem tirar [notas] positivas”, descreve.

O porta-voz da Escola Naval, o comandante Pereira Fonseca, disse ao DN que “de mediato foi iniciado um procedimento interno para averiguar sobre a veracidade dessas práticas”. No entanto, e das “averiguações realizadas não se concluiu qualquer indício de práticas contrárias aos valores, aos regulamentos, à disciplina, à moral e à ética que rege a Escola Naval”, acrescentou.

O comandante Pereira da Fonseca garantiu que “não são toleradas práticas de praxe” na Escola Naval, sublinhando que os 63 cadetes do primeiro ano – dos quais 13 são raparigas – “são enquadrados por um conjunto selecionado de alunos do 4.º ano, que partilham o alojamento e os apoiam na integração na vida da EN e no seu sucesso escolar”.

De acordo com o porta-voz, nenhum dos 63 cadetes deste ano desistiu da recruta, nem pediu para o fazer. Além disso, nota, as únicas “ocorrências médicas relevantes” foram “dois surto de gastroenterite que afetaram os alunos de todos os anos”, disse ainda.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. São os Comandos, é a GNR, agora a Escola Naval, sem contar com as reiteradas praxes nas escolas do país.
    Começa a revelar-se uma das característica do povo português, sempre que lhe é dado PODER para elevar o seu triste ego, humilhando quem está sujeito.
    A Justiça continua branda em conluio com as situações, tentando não intervir e esquecer, como aconteceu nas 5 mortes do Meco, e em todas as outras situações em que nada se pode dizer porque corre o inquérito e está tudo “em segredo de justiça”.
    Portugal está cada vez mais perigoso e injusto.

  2. Isto é o regabofe generalizado. Já só falta praxar os paraquedistas e os da FAP. E a pergunta a propósito disto tudo: quando é que vamos começar a praxar os deputados, já que os meninos (E meninas) Da a.R. Se recusam a marcar presença através de dados biométricos (Esses não falham a menos que mandem amputar e embalsamar o dedo e depois emprestar a um amigo para marcar a presença).

  3. DÁ-me a sensação de que neste país existem muitos candidatos a ditadores, mal apanham um pouquinho de Poder sentem-se logo donos e senhores disto tudo, sou completamente contra a falta de respeito e ética mas quando aquele que comanda não tem categoria para tal e subjuga o seu subordinado inverte a situação não é pessoa para ocupar tal cargo e na prática cai ao mais baixo nível de valor como ser humano ao valer-se apenas do Poder que lhe conferiram faltando-lhe a personalidade e o valor humano para lidar com os demais.

  4. Exercerem poder e, no caso particular de jogarem com a nudez dos outros, satisfazerem “alguma coisinha” reprimida e recalcada…

  5. Parece que estão a confundir as coisas. As praxes académicas nada, nada têm a ver com isto. A Escola Naval, e todas as outras escolas militares, são escolas de guerra, GUERRA. Os papás que apenas querem “taxos” para os seus “filhinhos”, não os coloquem naquelas escolas. Nunca serem apartados de um telemóvel já é muito discutível, só por si. “Cuitadinhos” coisinhas ricas da mamã, não sabem que ali se aprende a matar gente e que se pose ver pessoas aos bocados, “tadinhos”. A guerra não é um jogo virtual, jogado de sofá ao calor duma lareira.

RESPONDER

Há uma nova ameaça nas salas de aula e chama-se Fortnite

O jogo online mais popular do mundo, com mais de 200 milhões de utilizadores registados, encanta crianças cada vez mais novas. Numa escola primária do Montijo, as aulas passaram a decorrer de forma diferente por …

Empresa portuguesa quer produzir alface em câmaras frigoríficas (e podem ser levadas para Marte)

A empresa Grow to Green promete que vai produzir alimentos indoor. É possível gastar menos 98% de água na produção de alface, o que permite cultivá-lo diretamente no supermercado, no deserto ou, quem sabe um …

May rejeita novo referendo, apresenta Plano B do Brexit e pede ajuda à oposição

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, rejeitou esta segunda-feira convocar um segundo referendo sobre o Brexit e afirmou que espera voltar a debater com a União Europeia o controverso plano de salvaguarda elaborado para …

Porto vende 35 mil francesinhas por dia (e os turistas adoram)

O Porto vende pelo menos 35 mil francesinhas por dia nos mais de 700 cafés e restaurantes da cidade, o que significa que por mês há cerca de um milhão daquelas sanduíches especiais a serem …

China limita número de alpinistas autorizados a escalar Everest

O número total de alpinistas que tentam alcançar o topo do Everest, a 8.850 metros de altitude, a partir do norte, serão limitados a menos de 300, e a temporada de escalada será restringida à …

Rede francesa de solidariedade acolhe brasileiros que queiram fugir de Bolsonaro

Solidarité Brésil é o nome da iniciativa, lançada esta sexta-feira, em Paris, que tem como objetivo ajudar estudantes, artistas ou intelectuais que se sintam ameaçados no Brasil de Jair Bolsonaro. Podem ser estudantes, investigadores, artistas, professores, …

Todos os dias cinco portugueses tornam-se britânicos

Todos os dias, em média, cinco emigrantes portugueses tornam-se britânicos. Só entre janeiro de 2017 e setembro de 2018, 2.655 emigrantes no Reino Unido conseguiram obter cidadania britânica, número que supera o total de autorizações …

O maior encontro religioso do mundo leva 150 milhões de pessoas à Índia

Até 04 de março, são esperados na cidade indiana Allahabad cerca de 150 milhões de peregrinos, que buscam proteção e purificação nas águas que cruzam os rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati, durante aquele que é …

Ciclistas indignados com anúncio que mostra bicicleta a ser abalroada

Um anúncio de publicidade do Continente em que um ciclista é abalroado por um automóvel está a gerar indignação. A Federação Portuguesa de Ciclismo já pediu a retirada do anúncio e apresentou queixa à Entidade …

Hoje, Wall Street parou. É dia de Martin Luther King Jr

Desde 1986 que se realiza, nos EUA, na terceira segunda-feira de janeiro, o dia de Martin Luther King Jr., um feriado federal. A bolsa de Nova York estará encerrada, assim como a maior parte das …