Defesa de Bárbara Guimarães pede pena efetiva de prisão para Carrilho

barbara.guimaraes.oficial / Facebook

A apresentadora Bárbara Guimarães, ex-mulher do ex-ministro Manuel Maria Carrilho

O advogado da apresentadora pediu, esta segunda-feira, uma pena efetiva de prisão de três anos e dez meses para o ex-ministro, considerando que foi provado o crime de violência doméstica e vários de difamação.

Em mais de três horas de alegações, o advogado Pedro Reis disse que Carrilho “exerceu várias vezes pressão física e psicológica” contra a ex-mulher, Bárbara Guimarães, com o intuito de a “humilhar e rebaixar publicamente, provocando-lhe danos psicológicos irreparáveis”, nomeadamente entre outubro e dezembro de 2013.

Para o advogado, Carrilho tem uma “personalidade complexa” e é “narcísico, vaidoso, egocêntrico, inseguro”, tendo agredido física e psicologicamente Bárbara Guimarães desde que, em janeiro de 2013, soube que a apresentadora queria o divórcio.

Para Pedro Reis, “toda a prova é consistente, credível e os factos foram todos provados ao longo de quase dois anos de julgamento” e, à semelhança de muitos outros processos de violência doméstica, “o agressor tentou sempre disfarçar as ofensas físicas e verbais cometidas” contra a vítima, que, durante algum tempo, tentou esconder as “agressões por vergonha e medo”.

“Bárbara Guimarães não é bêbada, drogada, louca ou irresponsável como foi apelidada pelo agressor para manchar de forma incomensurável a sua imagem pública, provocando-lhe danos morais irreversíveis“, afirmou o advogado nas alegações, considerando mesmo que as ofensas públicas “que demoraram mais de três meses” são “mais graves que uma chapada ou um pontapé porque têm um efeito demolidor”.

Estes foram alguns dos muitos argumentos, escudados em vários depoimentos de testemunhas e em perícias forenses, que o advogado Pedro Reis utilizou para pedir uma pena de prisão efetiva de três anos e dez meses para o arguido, alegando que a pena não pode ser suspensa porque “o arguido não está inserido socialmente, não sente arrependimento e tem total incapacidade de interiorizar a ilicitude dos seus atos”.

Como pena acessória, o advogado quer que o tribunal impeça Carrilho de se aproximar da ex-mulher e que o obrigue a cumprir um programa de reabilitação de agressores de violência doméstica.

Na primeira sessão de alegações, o Ministério Público tinha pedido três anos e quatro meses de pena suspensa para Carrilho, também dando como provado o crime de violência doméstica de que vem acusado.

Num outro processo que envolve o ex-casal, a 31 de outubro, o tribunal condenou o ex-ministro a quatro anos e seis meses de prisão com pena suspensa por agressão, injúrias, violência doméstica, entre outros crimes cometidos contra a apresentadora de televisão em 2014 a quem terá de pagar 50 mil euros.

Advogado de Carrilho diz que história está mal contada

Por sua vez, a defesa de Carrilho pediu a absolvição do seu cliente no processo em que está acusado de violência doméstica contra a ex-mulher, por as acusações serem uma “história patética e muito mal contada”.

“Bárbara Guimarães não tem credibilidade, nem coerência e tudo o que afirmou é inverosímil”, começou por afirmar Paulo Sá e Cunha, que durante três horas e meia tentou desmontar os argumentos apresentados pela acusação do Ministério Público e pelo defensor da apresentadora, em relação aos episódios de alegadas agressões relatados ao longo de quase dois anos de julgamento.

Para o advogado, Bárbara Guimarães contou uma “história patética, um folclore, através de relatos que parece não terem sido vivenciados e que têm muitas incongruências”, descrevendo a assistente como “uma diva, uma pessoa com grande autoestima”, ao contrário da fragilidade motivada pelo medo e pela vergonha defendidos pela acusação.

“Não houve violência doméstica, não houve ameaças. Houve um quadro de progressiva degradação do casal. O divórcio [em dezembro de 2013] não teve nada a ver com agressões, violência ou insultos”, disse Paulo Sá e Cunha assumindo, contudo, que o seu cliente é “frontal e conflituoso” e que disse “algumas coisas que não devia”.

Para o advogado, o julgamento foi muitas vezes uma “realidade virtual”, na qual “a acusação pintou um quadro de perigoso criminoso e da coitadinha vítima”, mas que o argumento “que não adere à realidade, pelo contrário”.

Sobre o facto de Carrilho expor a vida do casal nas revistas algumas vezes com palavras menos simpáticas em relação à ex-mulher, e à relação do casal, o causídico acusou Bárbara Guimarães de ser a primeira a fazê-lo através de uma notícia do Expresso de 17 de outubro de 2013 sob o título “Carrilho com queixa por agressão no DIAP”.

“É a prova de que faz cair a máscara de silêncio de Bárbara Guimarães, a beata”, disse o advogado.

Apesar de não subscrever algumas reações de Carrilho à data dos factos [finais de 2013], Paulo Sá e Cunha explicou que o arguido se descontrolou quando a apresentadora mudou a fechadura de casa e disse coisas sem pensar, tendo passado por um período muito conturbado, sentindo um “desnorte emocional absoluto”.

Depois de uma longa explanação, o advogado pediu ao tribunal singular a “total absolvição pelos crimes de que o arguido está acusado” por considerar que não ficou provada a acusação de violência doméstica nem difamação.

A última sessão do julgamento antes da leitura da sentença está marcada para dia 4 de dezembro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Investigação portuguesa descobriu 14 espécies marinhas com potencial para produção de antibióticos

Uma investigação conjunta da Universidade de Aveiro e da Universidade Católica descobriu 14 novas espécies e um género de fungos marinhos, com potencial para produção de antibióticos, revelou esta segunda-feira fonte académica. "Neste momento, estão a …

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …

Homicídios disparam na maioria das cidades norte-americanas durante a pandemia

O número de homicídios cometidos em solo norte-americano disparou na maioria das cidades do país na primeira metade de 2020, comparativamente com o mesmo período do ano passado, revela uma investigação do New York Times. …

Investigadores desenvolvem robô-cientista (e já descobriu um novo catalisador)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, construiu um robô-cientista móvel inteligente, que realiza experiências sem ajuda humana. O novo robô-cientista toma decisões sozinho e já descobriu um novo catalisador. Segundo a …

Sérgio Figueiredo deixa direção de informação da TVI

Sérgio Figueiredo saiu do cargo de diretor de informação da TVI, anuncia a estação de televisão em comunicado enviado às redações. A cessação de funções é efetiva a partir desta sexta (10) e põe fim a …

Dinamarca lança "passaporte covid-19"

O Governo da Dinamarca lançou o "passaporte covid-19", um documento que atesta que o portador do mesmo não teve um resultado positivo ao novo coronavírus recentemente. Deverá ser utilizado em viagens internas ou externas. De …

Mais oito mortes e 342 novos casos. Mais 305 pessoas dadas como recuperadas

Portugal regista este sábado mais oito mortes por covid-19 e mais 342 casos confirmados em relação a sexta-feira, segundo dados da Direção-Geral de Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico diário da DGS, há 46.221 casos …

Ainda há esperança para os gorilas mais raros do mundo. Foram fotografados com crias

Os gorilas do rio Cross, os mais raros do mundo, foram fotografados na Nigéria com algumas crias, aumentando a esperança para esta espécie de primatas. A fotografias foram divulgadas por uma organização não-governamental nigeriana, a …

"Já sofreu muito". Trump comuta pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comutou a pena de prisão do seu amigo e antigo conselheiro Roger Stone, que foi condenado em fevereiro a 40 meses de prisão, anunciou sexta-feira a Casa Branca. Roger …

Armas, droga, sucata e prostituição financiam neonazis portugueses (mas lucros não vão todos para a causa)

Os grupos neonazis portugueses são "bastante desorganizados" e financiam-se com dinheiro obtido em negócios ilícitos, como o tráfico de armas, de droga e de mulheres para prostituição e a sucata. Mas os ganhos obtidos não …