Defesa de Bárbara Guimarães pede pena efetiva de prisão para Carrilho

barbara.guimaraes.oficial / Facebook

A apresentadora Bárbara Guimarães, ex-mulher do ex-ministro Manuel Maria Carrilho

O advogado da apresentadora pediu, esta segunda-feira, uma pena efetiva de prisão de três anos e dez meses para o ex-ministro, considerando que foi provado o crime de violência doméstica e vários de difamação.

Em mais de três horas de alegações, o advogado Pedro Reis disse que Carrilho “exerceu várias vezes pressão física e psicológica” contra a ex-mulher, Bárbara Guimarães, com o intuito de a “humilhar e rebaixar publicamente, provocando-lhe danos psicológicos irreparáveis”, nomeadamente entre outubro e dezembro de 2013.

Para o advogado, Carrilho tem uma “personalidade complexa” e é “narcísico, vaidoso, egocêntrico, inseguro”, tendo agredido física e psicologicamente Bárbara Guimarães desde que, em janeiro de 2013, soube que a apresentadora queria o divórcio.

Para Pedro Reis, “toda a prova é consistente, credível e os factos foram todos provados ao longo de quase dois anos de julgamento” e, à semelhança de muitos outros processos de violência doméstica, “o agressor tentou sempre disfarçar as ofensas físicas e verbais cometidas” contra a vítima, que, durante algum tempo, tentou esconder as “agressões por vergonha e medo”.

“Bárbara Guimarães não é bêbada, drogada, louca ou irresponsável como foi apelidada pelo agressor para manchar de forma incomensurável a sua imagem pública, provocando-lhe danos morais irreversíveis“, afirmou o advogado nas alegações, considerando mesmo que as ofensas públicas “que demoraram mais de três meses” são “mais graves que uma chapada ou um pontapé porque têm um efeito demolidor”.

Estes foram alguns dos muitos argumentos, escudados em vários depoimentos de testemunhas e em perícias forenses, que o advogado Pedro Reis utilizou para pedir uma pena de prisão efetiva de três anos e dez meses para o arguido, alegando que a pena não pode ser suspensa porque “o arguido não está inserido socialmente, não sente arrependimento e tem total incapacidade de interiorizar a ilicitude dos seus atos”.

Como pena acessória, o advogado quer que o tribunal impeça Carrilho de se aproximar da ex-mulher e que o obrigue a cumprir um programa de reabilitação de agressores de violência doméstica.

Na primeira sessão de alegações, o Ministério Público tinha pedido três anos e quatro meses de pena suspensa para Carrilho, também dando como provado o crime de violência doméstica de que vem acusado.

Num outro processo que envolve o ex-casal, a 31 de outubro, o tribunal condenou o ex-ministro a quatro anos e seis meses de prisão com pena suspensa por agressão, injúrias, violência doméstica, entre outros crimes cometidos contra a apresentadora de televisão em 2014 a quem terá de pagar 50 mil euros.

Advogado de Carrilho diz que história está mal contada

Por sua vez, a defesa de Carrilho pediu a absolvição do seu cliente no processo em que está acusado de violência doméstica contra a ex-mulher, por as acusações serem uma “história patética e muito mal contada”.

“Bárbara Guimarães não tem credibilidade, nem coerência e tudo o que afirmou é inverosímil”, começou por afirmar Paulo Sá e Cunha, que durante três horas e meia tentou desmontar os argumentos apresentados pela acusação do Ministério Público e pelo defensor da apresentadora, em relação aos episódios de alegadas agressões relatados ao longo de quase dois anos de julgamento.

Para o advogado, Bárbara Guimarães contou uma “história patética, um folclore, através de relatos que parece não terem sido vivenciados e que têm muitas incongruências”, descrevendo a assistente como “uma diva, uma pessoa com grande autoestima”, ao contrário da fragilidade motivada pelo medo e pela vergonha defendidos pela acusação.

“Não houve violência doméstica, não houve ameaças. Houve um quadro de progressiva degradação do casal. O divórcio [em dezembro de 2013] não teve nada a ver com agressões, violência ou insultos”, disse Paulo Sá e Cunha assumindo, contudo, que o seu cliente é “frontal e conflituoso” e que disse “algumas coisas que não devia”.

Para o advogado, o julgamento foi muitas vezes uma “realidade virtual”, na qual “a acusação pintou um quadro de perigoso criminoso e da coitadinha vítima”, mas que o argumento “que não adere à realidade, pelo contrário”.

Sobre o facto de Carrilho expor a vida do casal nas revistas algumas vezes com palavras menos simpáticas em relação à ex-mulher, e à relação do casal, o causídico acusou Bárbara Guimarães de ser a primeira a fazê-lo através de uma notícia do Expresso de 17 de outubro de 2013 sob o título “Carrilho com queixa por agressão no DIAP”.

“É a prova de que faz cair a máscara de silêncio de Bárbara Guimarães, a beata”, disse o advogado.

Apesar de não subscrever algumas reações de Carrilho à data dos factos [finais de 2013], Paulo Sá e Cunha explicou que o arguido se descontrolou quando a apresentadora mudou a fechadura de casa e disse coisas sem pensar, tendo passado por um período muito conturbado, sentindo um “desnorte emocional absoluto”.

Depois de uma longa explanação, o advogado pediu ao tribunal singular a “total absolvição pelos crimes de que o arguido está acusado” por considerar que não ficou provada a acusação de violência doméstica nem difamação.

A última sessão do julgamento antes da leitura da sentença está marcada para dia 4 de dezembro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pela primeira vez, uma astronauta corrige página da Wikipédia a partir do Espaço

Pela primeira vez na história da Humanidade, a astronauta norte-americana Christina H. Koch fez a edição de uma página da Wikipedia na Internet a partir da Estação Espacial Internacional (EEI), enquanto orbitava o planeta Terra. A …

Rover Mars 2020 vai procurar fósseis microscópicos

Cientistas do rover Mars 2020 da NASA descobriram o que poderá ser um dos melhores locais para procurar sinais de vida antiga na Cratera Jezero, onde o veículo vai pousar no dia 18 de fevereiro …

MP quer passar a ouvir todas as crianças expostas a violência doméstica

A procuradora-geral da República quer que os magistrados do Ministério Público peçam sempre ao juiz de instrução criminal que as crianças expostas a violência doméstica sejam ouvidas em tribunal para memória futura. A procuradora-geral da República, …

Greta Thunberg no Parlamento entre final do mês e início de dezembro

A ativista sueca aceitou participar numa sessão na Assembleia da República, em Lisboa, promovida pela comissão parlamentar de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, que se realizará entre o final deste mês e início de …

Phineas Fisher. O "hacker fantoche" que está a pagar para piratearem bancos e petrolíferas

Phineas Fisher é um hackers mais infames do mundo e procura agora renovar esse estatuto ao oferecer 100 mil dólares a quem piratear instituições capitalistas, como bancos e empresas petrolíferas. O hacker ficou conhecido após ter …

Conselho Superior da Magistratura arquiva processo disciplinar a Carlos Alexandre

O Conselho Superior da Magistratura decidiu arquivar o processo disciplinar relativo ao juiz do Tribunal de Instrução Criminal por declarações sobre o sorteio da fase de instrução do processo Operação Marquês. "O plenário de hoje do …

Jardins e complexo de estufas descobertos num dos bunker de Hitler

Um grupo de especialistas descobriu jardins e um complexo de estufas, que serviu para cultivar legumes e frutas, num dos maiores quartéis generais de Adolf Hitler durante a II Guerra Mundial, o bunker conhecido como …

Ataque a Alcochete. Advogados pedem impugnação do auto de notícia da GNR

Uma discrepância nas datas de elaboração e de assinatura do auto de notícia que relata a invasão à academia do Sporting motivou, esta terça-feira, a apresentação de um requerimento de impugnação subscrito por vários advogados. No …

Japão diz que é seguro libertar água radioativa de Fukushima no Pacífico

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão afirmou esta segunda-feira que é seguro libertar água contaminada de Fukushima no Oceano Pacífico, de acordo com o jornal local Japan Today. A central nuclear, recorde-se, sofreu …

Dez autarcas e quatro clubes entre os 68 acusados na operação Ajuste Secreto

O Ministério Público da Feira deduziu acusação contra 68 arguidos, incluindo dez autarcas e ex-autarcas, quatro clubes desportivos e os seus respetivos presidentes, no âmbito da operação "Ajuste Secreto". Numa nota publicada no seu site oficial, …