As datas de validade não são todas iguais. Supermercados explicam porquê

thinkpanama / Flick

Arranca nesta segunda-feira uma campanha para ajudar os portugueses a interpretar e a distinguir as datas de validade dos produtos vendidos nos supermercados. Porque  “as datas de validade não são todas iguais” e “saber a diferença faz a diferença” em termos de desperdício alimentar.

“É uma campanha de esclarecimento” no âmbito da Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar, já que há “má interpretação dos rótulos, dos prazos de validade”, refere à Lusa o director-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Gonçalo Lobo Xavier.

O mote da campanha é “as datas de validade não são todas iguais” e “saber a diferença faz a diferença”. E o objectivo é ajudar o consumidor a interpretar e a distinguir as diferentes indicações de datas de validade/durabilidade, ajudando-o a rentabilizar o consumo dos produtos alimentares e, acima de tudo, a evitar o seu desperdício.

Assim, “em mais de 1.200” dos associados da APED – nos quais se contam as cadeias Aldi, Continente, DIA – Minipreço, El Corte Inglés, Intermarché, Ikea, Jumbo/Pão de Açúcar, Lidl, Novo Horizonte e Pingo Doce – haverá informação sobre como ler os prazos de validade.

No caso de certos produtos, há um prazo indicativo, mas após este expirar não significa que os mesmos não possam ser consumidos.

O site da APED também tem informação a esclarecer as diferenças entre “data limite de consumo” e “datas de durabilidade mínima”, além de um conjunto de dicas para conservar os produtos, bem como explicações sobre produtos sem validade ou com indicação de aproximação de fim de prazo de validade.

“Vamos ter informação em mupis e no site da Câmara Municipal de Lisboa”, adianta Gonçalo Lobo Xavier, acrescentando que a campanha vai ser alargada “a outras grandes cidades do país”.

Segundo dados da União Europeia (UE), no retalho ocorre 5% do desperdício alimentar, sendo que a maior fatia advém do consumo doméstico, com um peso de 42%, acrescenta o director-geral da APED.

Assim se justifica a importância de “sensibilizar as pessoas para o combate ao desperdício alimentar”, mas também para a “interpretação de datas de validade”, refere ainda.

O director-geral da APED adianta que as cadeias de retalho associadas a esta campanha “comprometeram-se a ter locais específicos nas suas lojas que facilitem a venda de produtos com prazo limite”, bem como a reencaminharem produtos cujo prazo já não permita a comercialização para IPSS – Instituições Particulares de Solidariedade Social e outras entidades que os consumam de imediato.

“Há produtos que estão a aproximar-se do fim de vida comercial, mas ainda estão em condições excelentes de consumo“, sublinha este responsável. Entre estes produtos constam, por exemplo, bolachas ou conservas, entre outros.

“São produtos que têm segurança alimentar, mas do ponto de vista comercial” já não podem ser vendidos”, frisa Gonçalo Lobo Xavier, reforçando que o objectivo é combater o desperdício alimentar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …