Um terço dos diplomados no curso de Aeroespacial vai trabalhar para o estrangeiro

NASA

A Estação Espacial Internacional, em órbita

A nota mínima de entrada no curso de Engenharia Aeroespacial do Técnico bateu um novo recorde. As oportunidades e os salários levam os diplomados para o estrangeiro.

O único curso de Engenharia Aeroespacial no ensino superior público português tem visto a sua nota mínima de candidatura aumentar ano após ano, até atingir na primeira fase deste ano 18,95 valores. Este é um recorde entre todas as licenciaturas e mestrados integrados e acontece mesmo depois do aumento de vagas de 15% em relação ao ano anterior.

Na maioria dos casos, este curso superior garante aos jovens um emprego com facilidade, ainda que não seja especificamente na área da indústria aeroespacial nem em Portugal, uma vez que é lá fora que se encontram mais oportunidades e melhores salários.

De acordo com os dados provisórios do último inquérito do IST aos diplomados, analisados pelo Expresso, 36,4% dos que se formaram em 2017 estão a trabalhar no estrangeiro. O inquérito aos diplomados de 2016 indicava um número semelhante (31,6%). A Agência Espacial Europeia, CERN, Airbus, Rolls-Royce, consultoras internacionais e empresas de serviços informáticos são alguns dos empregadores.

Daniel Coelho, que concluiu o mestrado no ano passado, confessou ao matutino que, “em Portugal, não se ganha muito, nem há muitos empregos nesta área específica”. “Sempre gostei muito de aviões. Talvez por causa do meu pai que era maluco por máquinas da II Guerra Mundial. E porque dominar o fundo dos mares e os céus é o futuro tecnológico que nos falta atingir. Quero evitar ao máximo sair de Portugal. Mas se o emprego que gosto, com boas condições financeiras, estiver lá fora, vou ter de sair”, afirma o jovem do Barreiro.

O último inquérito revela que a remuneração média mensal bruta chega quase aos 4.300 euros; em Portugal fica-se pelos 1.505 euros. Metade conseguiu o primeiro emprego antes de concluir o curso e 96% até seis meses após a conclusão do curso.

O curso de Engenharia Aeroespacial foi criado em 1991 e, na altura, tinha apenas 35 vagas. Agora, no ano de 2019/20, o curso tem 92 vagas. A diversidade de cadeiras e de especialização possíveis é um dos trunfos que acaba por pesar entre os candidatos de ciências que estão na dúvida para que engenharia ir.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Compreendo que este pessoal saia do país depois de formados, uma vez que não encontram aqui condições de trabalho. Ficar aqui, certamente ajudaria o desenvolvimento do país. Além disso, os nossos impostos estão beneficiando as pobres empresas internacionais, que não gastam um tostão na formação destes jovens.

RESPONDER

Forças Armadas aceitaram líder do CDS como voluntário

O Jornal de Notícias escreve esta quinta-feira que as Forças Armadas aceitaram o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, como voluntário para ajudar nas ações desenvolvidas na luta contra a covid-19 durante o estado …

Portugal duplica capacidade de ventilação. Oito profissionais de saúde nos cuidados intensivos

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta quinta-feira a duplicação dos equipamentos de ventilação e garantiu uma distribuição equilibrada dos testes de despistagem. “Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar …

Coreia do Norte reitera que não tem infetados. Coreia do Sul desconfia

A Coreia do Norte reafirmou que não regista nenhum caso de coronavírus (covid-19), numa declaração feita por um alto responsável pelo setor da Saúde de Pyongyang citado esta quinta-feira pela Agência France Presse. A Coreia do …

Ovar já tem linha telefónica própria para retirar pressão à Saúde 24

A Linha de Apoio Covid Ovar vai garantir assistência atempada à comunidade de 55.400 habitantes do concelho e é exclusiva para utentes que suspeitem ter sintomas do novo coronavírus. O Município de Ovar ativa, esta quinta-feira, …

Durão Barroso defende coronabonds (mas a prioridade é outra)

Em entrevista à SIC Notícias, Durão Barroso concordou com a criação dos ​​​​​​​coronabonds, mas defendeu que a prioridade é resolver "a crise humanitária". Durão Barroso considerou, em entrevista à SIC Notícias, que as instituições europeias têm …

Do empréstimo milionário à nacionalização. As soluções da TAP para resistir à crise

A TAP está a enfrentar uma das suas piores crises, face à pandemia de covid-19, e há várias soluções em cima da mesa, desde um empréstimo com aval do Estado à nacionalização da empresa. Para fazer …

"Matem-nos". Presidente das Filipinas autoriza disparos contra quem violar quarentena

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ordenou aos agentes da polícia e aos militares que disparem sobre qualquer pessoa que esteja a causar "problemas" durante o isolamento obrigatório, decretado devido à da pandemia de Covid-19. De …

Há mais de nove mil casos de covid-19 em Portugal. Número de recuperados sobe para 68

Um mês desde o primeiro teste positivo confirmado do novo coronavírus no país, Portugal tem um total de 9.034 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica …

Ramalho Eanes: "Nós, os velhos, se for necessário oferecemos o nosso ventilador"

O antigo Presidente da República apelou aos mais "velhos", como ele, para darem o exemplo neste combate ao coronavírus, caso Portugal passe por uma situação semelhante à de Itália ou Espanha. Em entrevista à RTP, o …

"Profundamente preocupados". 13 países enviam recado a Viktor Orbán

Portugal e mais 12 países, entre os quais França, Bélgica e Espanha, garantiram, numa declarações conjunta, que apoiam a iniciativa da Comissão Europeia para verificar se as medidas de emergência implementadas respeitam os valores europeus. Os …