Cúpula de Ferro de Israel já desviou mais de 2 mil rockets. 3 passaram

IsraelMFA / Flickr

Iron Dome, o sistema antimíssil de Israel

Iron Dome, o sistema antimíssil de Israel

Desde que Israel lançou a operação militar contra militantes palestinianos na Faixa de Gaza no dia 8 de julho, a Força de Defesa de Israel (IDF) contabilizou mais de 2 mil foguetes disparados da região contra o Estado judaico.

Essa chuva de rockets, lançados pelo Hamas e por outros grupos islâmicos, deixou, até agora, três civis mortos – dois israelitas e um trabalhador imigrante tailandês.

O contraste entre o alto número de foguetes lançados e o baixo número de vítimas tem três explicações: a preparação da população em Israel, treinada a lidar com uma rede de abrigos, alarmes e exercícios de simulação; a ineficácia das armas do Hamas e da Jihad Islâmica; e a eficiência do escudo antimísseis israelita, conhecido como Iron Dome (Cúpula de Ferro),

Cinco anos depois da primeira Guerra do Golfo, durante a qual o então presidente do Iraque, Saddam Hussein, lançou mísseis Scud sobre Israel, os líderes israelitas resolveram acelerar o desenvolvimento deste sistema.

No início de 2010, o Cúpula de Ferro tinha passado com sucesso em testes realizados pelo Exército israelita, em que foram usados rockets Qassam e Grad e morteiros.

Em abril de 2011, o sistema foi usado em combate pela primeira vez, quando derrubou um míssil lançado contra a cidade de Beersheba, no sul do país.

O sistema pode intercetar rockets lançados a distâncias de 4 a 70 quilómetros e destruí-los antes que atinjam o alvo.

O arsenal palestiniano

O Hamas e os demais grupos palestinianos radicais que atuam na Faixa de Gaza acumularam um arsenal de foguetes básico que, com o passar do tempo, têm aumentado o seu raio de acção.

Nenhum deles é particularmente sofisticado e a maioria foi projetada com tecnologia da era soviética.

Alguns foguetes foram contrabandeados por túneis na península do Sinai e outros foram feitos em oficinas na Faixa de Gaza, embora muitos ainda possuam peças-chave que dependem de componentes do Irão ou da Síria, importados clandestinamente.

Os sistemas de menor alcance incluem morteiros pesados e rockets Qassam e Grad, que atingem até 48 km e 17 km, respectivamente.

Estes foguetes ameaçam vilas e cidades no sul de Israel, como Sderot, Ashkelon, Beersheba e o porto de Ashdod.

Os palestinianos também possuem mísseis de grande alcance, como o ajr-5, também conhecido como M75.

Este pode voar a até 75 quilómetros, ameaçando centros populosos, como Telavive e Jerusalém.

Mas o uso do Fajr-5 implica sérios problemas práticos.

Para além de ser pesado e grande – podendo chegar a seis metros de altura -, requer manutenção mecânica e precisa de ser pré-posicionado para o lançamento em locais escondidos e camuflados, para evitar que seja detetado pelos drones israelitas.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

A Lua pintou-se de vermelho na Argentina (e a causa não é propriamente boa)

Uma estranha lua com tons avermelhados pintou o céu da Argentina. O fenómeno misterioso encheu as redes sociais de fotografias e teorias. Em diferentes regiões da Argentina, várias pessoas puderam apreciar, nas últimas noites, a Lua …

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …