“Cúmplice de violações dos direitos humanos”. Google é o novo alvo dos ativistas

(cv)

O Google, que adotou o lema “don’t be evil” (“não seja mau”), entrou para um clube corporativo anteriormente restrito a petrolíferas, gigantes da mineração e fabricantes de armas.

Na semana passada, mais de 60 organizações defensoras dos direitos humanos, incluindo a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, exigiram que o Google encerre a iniciativa de lançar um mecanismo de pesquisa censurado na China, afirmando que a decisão poderia tornar a empresa “cúmplice de violações dos direitos humanos”.

“Bem, o Google uniu as organizações de direitos humanos”, escreveu Vanessa Harris no Twitter, segundo o Bloomberg.

Mais de uma semana antes, a Amnistia tinha acusado o Google de ajudar o governo chinês a espiar os seus cidadãos e publicou um anúncio falso de vaga de emprego no Twitter para ajudar a empresa a substituir funcionários que possam ter pedido a demissão por causa do projeto “Dragonfly”.

“Quando entrei no Google, nunca imaginei que algum dia nos tornaríamos alvo de um ataque em forma de anúncio da Amnistia Internacional”, respondeu Harris no Twitter, acrescentando um emoji com uma cara triste ao tweet. “O Google para o qual entrei (aparentemente? falsamente? realmente?) defendia muito mais do que aumentar a receita de publicidade”, acrescentou.

“Os funcionários do Google importam-se muito, muito mesmo com a ética“, disse Yana Calou, gerente de treino do grupo de defesa Coworker.org, que trabalha com alguns ativistas da equipa do Google. “Houve uma certa quebra de confiança.”

Outras gigantes de tecnologia também já foram alvo de protestos, e o Google tem sido criticado por especialistas em privacidade e foi multado por órgãos reguladores de concorrência europeus. Mas a gigante da Internet, que cria produtos adorados por milhares de milhões de pessoas.

Agora, à medida que a empresa expande o seu alcance já amplo para novos mercados com o intuito de manter o crescimento de receitas, o Google é muito parecido com qualquer outra grande empresa está a consolidar-se – dentro e fora da empresa.

“A razão para todo este choque é que as pessoas foram trabalhar no Google com uma certa sensação de que estavam a construir tecnologias que beneficiam a sociedade“, disse Joe Westby, investigador da Amnistia Internacional.

Iniciativas como o Dragonfly, juntamente com os enormes tamanho e poder do Google, minaram esta imagem. Trata-se de uma das empresas mais valiosas do mundo, que controla o modo em que uma parte significativa das informações do mundo flui na Internet.

O Google está a desenvolver também uma tecnologia de inteligência artificial que tem o potencial de tomar outras decisões importantes. Este tipo de poder exige um escrutínio maior, segundo Westby.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Recandidatura de Trump arranca com despedimentos de responsáveis por sondagens negativas

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresenta esta terça-feira a sua recandidatura à Casa Branca pelo Partido Republicano, num comício que juntará 20 mil pessoas em Orlando, Flórida, e numa altura em que sondagens …

Atlético ganhou a corrida. João Félix vai para Madrid

João Félix deverá mesmo rumar ao Atlético de Madrid. Segundo escreve a imprensa desportiva esta terça-feira, os colchoneros adiantaram-se na corrida pelo avançado de 19 anos e estarão mesmo dispostos a bater a cláusula de …

Freira e Diocese de Fátima disputam imóveis de 5 milhões de euros

É uma "guerra" que corre pelos tribunais há 11 anos e que envolve um património imobiliário avaliado em 5 milhões de euros. Podia ser mais uma história comum de desaguisados na justiça, não fosse o …

Fim das taxas moderadoras custa mais de cem milhões de euros por ano

O diploma aprovado, na última semana, no Parlamento para acabar com a maioria das taxas moderadoras vai custar ao Estado mais de cem milhões de euros por ano. O projeto de lei do Bloco do Esquerda …

Tancos. Detetada discrepância na listagem de lança-granadas

O CDS alega diferenças entre as listas comunicadas pelo Exército e entregues pela Polícia Judiciária Militar ao Ministério Público e quer alterar relatório final sobre Tancos. O CDS alegou existir uma diferença de 80 lança-granadas …

Rio defende inocência de Álvaro Amaro e critica julgamentos na praça pública

O presidente do PSD defendeu esta segunda-feira, em Viana do Castelo, o respeito pelo princípio de presunção de inocência para todos os portugueses e criticou julgamentos "na praça pública", referindo-se ao processo que envolve o …

Campanha para ajudar Miguel Duarte já angariou mais de 30 mil euros

A campanha de crowdfunding para ajudar Miguel Duarte, acusado pela justiça italiana de auxílio à imigração ilegal, já angariou quase 30 mil euros. Para surpresa de Miguel Duarte, o objetivo inicial da campanha de crowdfunding lançada no …

Misteriosas ilhas artificiais na Escócia são mais antigas que Stonehenge

Arqueólogos da Universidade de Southampton, que trabalharam com colegas da Universidade de Reading e com o arqueólogo local Chris Murray, descobriram que alguns "crannogs" escoceses datam do período neolítico - muito mais antigos do que …

Greves da Soflusa e Transtejo desconvocadas

A secretária-geral e responsável pela comunicação da Soflusa, Margarida Perdigão, confirmou esta segunda-feira que as greves da empresa de transportes foram desconvocadas. As greves tinham início marcado para terça-feira. Os sindicatos assinaram um protocolo que vai …

ONG pede investigação sobre a morte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi

A organização não-governamental Human Rights Watch pediu uma investigação sobre o acesso à assistência médica e aos alegados maus tratos sofridos ao longo dos anos por parte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi, que morreu …