“Cúmplice de violações dos direitos humanos”. Google é o novo alvo dos ativistas

(cv)

O Google, que adotou o lema “don’t be evil” (“não seja mau”), entrou para um clube corporativo anteriormente restrito a petrolíferas, gigantes da mineração e fabricantes de armas.

Na semana passada, mais de 60 organizações defensoras dos direitos humanos, incluindo a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, exigiram que o Google encerre a iniciativa de lançar um mecanismo de pesquisa censurado na China, afirmando que a decisão poderia tornar a empresa “cúmplice de violações dos direitos humanos”.

“Bem, o Google uniu as organizações de direitos humanos”, escreveu Vanessa Harris no Twitter, segundo o Bloomberg.

Mais de uma semana antes, a Amnistia tinha acusado o Google de ajudar o governo chinês a espiar os seus cidadãos e publicou um anúncio falso de vaga de emprego no Twitter para ajudar a empresa a substituir funcionários que possam ter pedido a demissão por causa do projeto “Dragonfly”.

“Quando entrei no Google, nunca imaginei que algum dia nos tornaríamos alvo de um ataque em forma de anúncio da Amnistia Internacional”, respondeu Harris no Twitter, acrescentando um emoji com uma cara triste ao tweet. “O Google para o qual entrei (aparentemente? falsamente? realmente?) defendia muito mais do que aumentar a receita de publicidade”, acrescentou.

“Os funcionários do Google importam-se muito, muito mesmo com a ética“, disse Yana Calou, gerente de treino do grupo de defesa Coworker.org, que trabalha com alguns ativistas da equipa do Google. “Houve uma certa quebra de confiança.”

Outras gigantes de tecnologia também já foram alvo de protestos, e o Google tem sido criticado por especialistas em privacidade e foi multado por órgãos reguladores de concorrência europeus. Mas a gigante da Internet, que cria produtos adorados por milhares de milhões de pessoas.

Agora, à medida que a empresa expande o seu alcance já amplo para novos mercados com o intuito de manter o crescimento de receitas, o Google é muito parecido com qualquer outra grande empresa está a consolidar-se – dentro e fora da empresa.

“A razão para todo este choque é que as pessoas foram trabalhar no Google com uma certa sensação de que estavam a construir tecnologias que beneficiam a sociedade“, disse Joe Westby, investigador da Amnistia Internacional.

Iniciativas como o Dragonfly, juntamente com os enormes tamanho e poder do Google, minaram esta imagem. Trata-se de uma das empresas mais valiosas do mundo, que controla o modo em que uma parte significativa das informações do mundo flui na Internet.

O Google está a desenvolver também uma tecnologia de inteligência artificial que tem o potencial de tomar outras decisões importantes. Este tipo de poder exige um escrutínio maior, segundo Westby.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal comer um ovo por dia é mau outra vez

Afinal, comer um ovo por dia não é assim tão bom para a saúde como estudos recentes sugeriam. O maior consumo de ovos e colesterol pode aumentar o risco de doenças cardíacas e de morte …

Na Colômbia, há um "arco-íris líquido" que é descrito como a 8ª maravilha do mundo

Escondido nos confins da Serra da Macarena, na Colômbia, está o rio Caño Cristales. De dezembro a maio, o curso de água é como outro qualquer, apesar de estar rodeado de um dos ecossistemas mais …

Com uma nova interface neural, a telepatia já é possível

Uma equipa internacional de cientistas deu um passo adiante no desenvolvimento de interfaces neuronais para propor uma interface que envolve a transferência de informação entre as pessoas diretamente. As interfaces cérebro-computador podem melhorar as habilidades individuais …

Bombeiros profissionais ameaçam deixar de prestar serviço voluntário nas corporações

Os bombeiros voluntários das associações humanitárias admitem deixar de prestar serviço voluntário nas corporações, caso a Liga dos Bombeiros Portugueses continue por concluir o acordo coletivo de trabalho, que está em negociação há mais de …

Baleia encontrada morta nas Filipinas com 40 quilos de plástico no estômago

Uma baleia foi encontrada morta na sexta-feira, na costa sudeste das Filipinas, com 40 quilos de plástico no estômago, informou a imprensa local. O cetáceo, uma baleia-bicuda-de-cuvier, apareceu na sexta-feira à beira-mar no município de Mabini, …

Macron convoca reforços após novos confrontos de coletes amarelos

A nova manifestação de "coletes amarelos", no sábado, registou distúrbios violentos na capital francesa. Como resposta, o presidente francês Emmanuel Macron convocou um reforço das forças de segurança. O dia de sábado marcou mais um protesto …

Pedidos de nacionalidade portuguesa aumentaram 50% em dois anos

Nos últimos dois anos, o número de pedidos de nacionalidade portuguesa aumentou cerca de 50%, avança o jornal Público esta segunda-feira. Se em 2016 foram 117.629 os cidadãos estrangeiros que pediram a nacionalidade portuguesa, em 2018 …

Não há democracia na Coreia do Norte? "É uma opinião", diz Jerónimo

Jerónimo de Sousa evitou classificar o regime de Kim Jong-un em termos "de ser ou não ser" uma democracia. A Coreia do Norte é ou não uma democracia? "É uma opinião", respondeu Jerónimo de Sousa. Numa …

Afinal, o esparguete à bolonhesa não existe

Quando se trata de refeições italianas clássicas, a maioria das pessoas pensa em pratos simples como uma pizza Margherita, lasanha e esparguete à bolonhesa. Contudo, segundo Virginio Merola, presidente de Bolonha, em Itália, o esparguete à bolonhesa …

Javalis tomaram o lugar dos coelhos. "Muitos animais estão doentes"

Para já, não há perigo de saúde pública, mas os javalis carregam doenças que podem passar a outros animais. Se antes se matavam mil coelhos, abatem-se agora 10 javalis. Jacinto Amaro, presidente da Fencaça - Federação …