Crise dos opióides nos EUA: 76 mil milhões de comprimidos e 70 mil overdoses

Entre 2006 e 2012 foram distribuídos setenta e seis mil milhões de comprimidos de duas substâncias opióides, a oxicodona e a di-hidrocodeína. As mais de 70 mil registadas em 2017 representam um aumento para o dobro em relação a uma dúzia de anos antes. 

Estes são dois dos dados revelados um artigo publicado na quarta-feira no Washington Post, citado pelo Expresso. O artigo baseia-se numa base de dados até agora secreta, conhecida por ARCOS (Automation of Reports and Consolidated Order System), mantida pela agência a quem compete lutar contra o tráfico e abuso de drogas nos Estados Unidos (EUA), a Drug Enforcement Administration (DEA).

Washington Post e o West Virginia, um grupo de media sediado em Charleston, precisaram de travar uma batalha judicial que durou um ano para conseguirem ter acesso à informação.

A oposição não vinha só da indústria mas, também, da DEA e do Departamento de Justiça, que alegavam que tornar públicos os dados podia pôr em causa investigações em curso. No final, um juiz entendeu que o interesse público na divulgação se sobrepunha.

A crise dos opióides nos EUA, que atingiu proporções catastróficas ao longo da última década e meia, foi em grande parte induzida pelo abuso de receitas dos medicamentos legais analgésicos conhecidos como opióides.

Milhões de pessoas que começam por tomar estes medicamentos para combater alguma dor, ainda que não crónica, acabam por ficar viciadas. Em muitos casos, passam para drogas ilegais como a heroína. Mais recentemente, é um opióde sintético, o fentanil, que está a assolar muitas comunidades.

Um dos resultados de tudo isto foi o aumento acentuado do número de overdoses no país. As mais de 70 mil registadas em 2017 representam um aumento para o dobro em relação a uma dúzia de anos antes.

Nem todas, obviamente, são resultado do consumo excessivo de medicamentos legais, embora haja uma associação documentada entre estes e o uso de cocaína, por exemplo. Ao todo, entre 2006 e 2012, estima-se que umas cem mil overdoses tenham sido produzidas por medicamentos sujeitos a receita.

Um gigantesco processo em Cleveland

Há muito que se fala nas responsabilidades dos fabricantes e distribuidores de medicamentos, e já existem processos contra esses em vários tribunais do país. Em 2018, o estado de Massachussetts processou a empresa que produz o OxyContin, tido como a droga que deu o pontapé de saída para a crise. Na altura, indicou o Expresso, falou-se de “traficantes de droga em fatos Armani”.

Noutro processo, em Cleveland, no Ohio (EUA), quase duas mil cidades e condados de todo o país acusam duas dezenas de empresas de terem tido consciência do que se estava a passar e mesmo assim terem continuado a promover e vender agressivamente os seus produtos, ignorando as consequências trágicas em nome do lucro.

A base de dados agora tornada pública revela uma visão de conjunto daquilo que tem sido a atividade dessas empresas nos EUA. Registando minuciosamente a distribuição e venda de medicamentos em todo o país, permite apreciar não só as quantidades dessas substâncias que foram consumidas, como a própria distribuição geográfica, por exemplo.

Não surpreende, por exemplo, que muitas zonas rurais e economicamente deprimidas sejam locais privilegiados da crise, para mais num país onde a ausência de um sistema de saúde de acesso universal leva muitas vezes a recorrer aos medicamentos como alternativa a tratamentos mais dispendiosos que os cidadãos não têm meios para custear.

O artigo contém outras informações que vão dar matéria para investigações subsequentes. Por exemplo, que apenas seis companhias – McKesson Corp, Walgreens, Cardinal Health, AmerisourceBergen, CVS e Walmart – distribuíram 75% de todos os comprimidos vendidos, ou que apenas três fabricantes – SpecGx, ­Actavis Pharma e Par Pharmaceutical – produziram 88% de todos os opióides.

“DEA era a única entidade que tinha toda a informação”

Para as empresas da área farmacêutica, tanto fabricantes como distribuidores, o artigo publicado na quarta-feira é uma má noticia, e várias foram rápidas a responder, descartando responsabilidades, relatou o Expresso.

Um grupo representativo dos distribuidores, a Healthcare Distribution Alliance, emitiu uma declaração que sintetiza o essencial dos argumentos: “A ARCOS mostra que os distribuidores reportaram sempre à DEA as vendas de medicamentos opióides, juntamente com a quantidade da encomenda e a identidade da farmácia que as recebia. Os distribuidores só recentemente tiveram acesso a informações sobre a quantidade total de medicamentos opióides que uma farmácia específica recebia de todos os distribuidores”.

E acrescentou: “A DEA era a única entidade que tinha toda essa informação à mão e podia tê-la usado para monitorizar consistentemente o fornecimento de opióides e, quando apropriado, ser ativa a identificar os maus agentes”.

“Ao contrário da DEA, os distribuidores não têm autoridade para impedir os médicos de passarem receitas, nem podem agir unilateralmente para retirar à farmácias a capacidade de distribuir medicação”, concluiu a nota informativa.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PCP mantém festa do Avante! e pede calma às "almas mais inquietas"

O secretário-geral do PCP admitiu hoje que “não seria um drama”, devido à pandemia de covid-19, cancelar a festa do Avante, e garantiu que não é por dinheiro que os comunistas estão empenhados em realizá-la …

Futebol inglês aponta regresso para dia 17 de junho

A Liga inglesa de futebol, suspensa desde 13 de março devido à pandemia da covid-19, vai regressar em 17 de junho, com a realização de dois encontros em atraso, de acordo com BBC e Sky …

Estado investe 2.000 milhões na ferrovia, mas comboios vão circular à mesma velocidade

O investimento da Infraestruturas de Portugal deverá rondar os 2.000 milhões de euros, mas este montante servirá quase exclusivamente para eletrificação de linhas e substituição de sinalização. De acordo com a edição desta quinta-feira do jornal …

SBSR confirma Foals, Local Natives e Boy Pablo para a edição de 2021

Os Foals, os Local Natives e o músico Boy Pablo são os primeiros nomes reagendados para a 26.ª edição do Festival Super Bock Super Rock, remarcada para julho de 2021, foi hoje anunciado. O SBSR deveria …

Artistas com espetáculos cancelados recebem pelo menos 50%

O primeiro-ministro referendou, esta quarta-feira, a lei que regula a possibilidade de festivais e espetáculos no verão e que assegura apoio financeiro a artistas alvo de cancelamento ou reagendamento dos espetáculos por causa da pandemia. Este …

EUA anunciam fim da isenção de sanções no programa nuclear civil iraniano

Os Estados Unidos (EUA) anunciaram na quarta-feira o fim das derrogações que autorizaram até agora projetos relacionados com o programa nuclear civil iraniano, acordo internacional de 2015 do qual Washington se retirou. "Hoje, anuncio o fim …

Violência doméstica, droga, bairros problemáticos. Agentes da PSP obrigados a usar coletes anti-bala

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) decidiu tornar obrigatório o uso de coletes balísticos em oito tipos de situações. De acordo com o Jornal de Notícias, os agentes da PSP vão passar a …

Benfica e FC Porto estão entre os clubes europeus com maior valor comercial

O Benfica e o FC Porto estão em 24.º e 30.º, respetivamente, na lista dos 32 clubes de futebol europeus com maior valor comercial, que é liderada pelos espanhóis do Real Madrid. O Benfica (24.º) e …

Estados Unidos podem vir a acusar Cilia Flores, mulher de Maduro, por narcotráfico

Os Estados Unidos podem vir a acusar formalmente a mulher do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, por crimes de tráfico de droga e corrupção. A notícia foi avançada esta quarta-feira pela Reuters, que cita quatro fontes diferentes. …

PSD quer lay-off até final do ano e Estado menos "dorminhoco"

O PSD apresentou hoje um conjunto de 26 "ideias e sugestões" na área social, incluindo o prolongamento do 'lay-off' simplificado até ao final do ano, a reafetação de recursos na administração pública e um Estado …