Crise dos opióides nos EUA: 76 mil milhões de comprimidos e 70 mil overdoses

Entre 2006 e 2012 foram distribuídos setenta e seis mil milhões de comprimidos de duas substâncias opióides, a oxicodona e a di-hidrocodeína. As mais de 70 mil registadas em 2017 representam um aumento para o dobro em relação a uma dúzia de anos antes. 

Estes são dois dos dados revelados um artigo publicado na quarta-feira no Washington Post, citado pelo Expresso. O artigo baseia-se numa base de dados até agora secreta, conhecida por ARCOS (Automation of Reports and Consolidated Order System), mantida pela agência a quem compete lutar contra o tráfico e abuso de drogas nos Estados Unidos (EUA), a Drug Enforcement Administration (DEA).

Washington Post e o West Virginia, um grupo de media sediado em Charleston, precisaram de travar uma batalha judicial que durou um ano para conseguirem ter acesso à informação.

A oposição não vinha só da indústria mas, também, da DEA e do Departamento de Justiça, que alegavam que tornar públicos os dados podia pôr em causa investigações em curso. No final, um juiz entendeu que o interesse público na divulgação se sobrepunha.

A crise dos opióides nos EUA, que atingiu proporções catastróficas ao longo da última década e meia, foi em grande parte induzida pelo abuso de receitas dos medicamentos legais analgésicos conhecidos como opióides.

Milhões de pessoas que começam por tomar estes medicamentos para combater alguma dor, ainda que não crónica, acabam por ficar viciadas. Em muitos casos, passam para drogas ilegais como a heroína. Mais recentemente, é um opióde sintético, o fentanil, que está a assolar muitas comunidades.

Um dos resultados de tudo isto foi o aumento acentuado do número de overdoses no país. As mais de 70 mil registadas em 2017 representam um aumento para o dobro em relação a uma dúzia de anos antes.

Nem todas, obviamente, são resultado do consumo excessivo de medicamentos legais, embora haja uma associação documentada entre estes e o uso de cocaína, por exemplo. Ao todo, entre 2006 e 2012, estima-se que umas cem mil overdoses tenham sido produzidas por medicamentos sujeitos a receita.

Um gigantesco processo em Cleveland

Há muito que se fala nas responsabilidades dos fabricantes e distribuidores de medicamentos, e já existem processos contra esses em vários tribunais do país. Em 2018, o estado de Massachussetts processou a empresa que produz o OxyContin, tido como a droga que deu o pontapé de saída para a crise. Na altura, indicou o Expresso, falou-se de “traficantes de droga em fatos Armani”.

Noutro processo, em Cleveland, no Ohio (EUA), quase duas mil cidades e condados de todo o país acusam duas dezenas de empresas de terem tido consciência do que se estava a passar e mesmo assim terem continuado a promover e vender agressivamente os seus produtos, ignorando as consequências trágicas em nome do lucro.

A base de dados agora tornada pública revela uma visão de conjunto daquilo que tem sido a atividade dessas empresas nos EUA. Registando minuciosamente a distribuição e venda de medicamentos em todo o país, permite apreciar não só as quantidades dessas substâncias que foram consumidas, como a própria distribuição geográfica, por exemplo.

Não surpreende, por exemplo, que muitas zonas rurais e economicamente deprimidas sejam locais privilegiados da crise, para mais num país onde a ausência de um sistema de saúde de acesso universal leva muitas vezes a recorrer aos medicamentos como alternativa a tratamentos mais dispendiosos que os cidadãos não têm meios para custear.

O artigo contém outras informações que vão dar matéria para investigações subsequentes. Por exemplo, que apenas seis companhias – McKesson Corp, Walgreens, Cardinal Health, AmerisourceBergen, CVS e Walmart – distribuíram 75% de todos os comprimidos vendidos, ou que apenas três fabricantes – SpecGx, ­Actavis Pharma e Par Pharmaceutical – produziram 88% de todos os opióides.

“DEA era a única entidade que tinha toda a informação”

Para as empresas da área farmacêutica, tanto fabricantes como distribuidores, o artigo publicado na quarta-feira é uma má noticia, e várias foram rápidas a responder, descartando responsabilidades, relatou o Expresso.

Um grupo representativo dos distribuidores, a Healthcare Distribution Alliance, emitiu uma declaração que sintetiza o essencial dos argumentos: “A ARCOS mostra que os distribuidores reportaram sempre à DEA as vendas de medicamentos opióides, juntamente com a quantidade da encomenda e a identidade da farmácia que as recebia. Os distribuidores só recentemente tiveram acesso a informações sobre a quantidade total de medicamentos opióides que uma farmácia específica recebia de todos os distribuidores”.

E acrescentou: “A DEA era a única entidade que tinha toda essa informação à mão e podia tê-la usado para monitorizar consistentemente o fornecimento de opióides e, quando apropriado, ser ativa a identificar os maus agentes”.

“Ao contrário da DEA, os distribuidores não têm autoridade para impedir os médicos de passarem receitas, nem podem agir unilateralmente para retirar à farmácias a capacidade de distribuir medicação”, concluiu a nota informativa.

Taísa Pagno TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O mistério das anãs brancas com campos magnéticos incrivelmente fortes pode ter sido resolvido

Uma equipa internacional de cientistas acredita ter desvendado o mistério dos campos magnéticos incrivelmente fortes em anãs brancas: um mecanismo de dínamo. Um dos fenómenos mais marcantes da Astrofísica é a presença de campos magnéticos. Como …

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …