Crianças sírias escravizadas na Turquia para fazer roupa para lojas britânicas

Loja Marks & Spencer

Uma investigação secreta da BBC descobriu que há refugiados sírios, na Turquia, a trabalhar em regime de escravidão para marcas de roupa europeias.

Os resultados da investigação, divulgados no programa “Panorama”, mostram que há refugiados sírios, incluindo crianças, a serem escravizados na Turquia.

De acordo com os jornalistas da BBC, este grupo de pessoas está a trabalhar de forma ilegal na confeção de roupa de marcas como a Marks & Spencer, Asos, Zara e Mango.

Foram encontradas pessoas a trabalhar por menos de uma libra à hora, cerca de 1,12 euros, um valor bem abaixo do salário mínimo na Turquia.

Em entrevista para o programa, um dos refugiados contou que sofre maus tratos na fábrica onde trabalha e que “se acontece alguma coisa a um sírio, deitam-no fora como um pedaço de pano”.

O trabalhador mais jovem encontrado pela investigação foi um rapaz de 15 anos que está mais de 12 horas por dia a passar a ferro a roupa que depois é enviada para fora.

Todas as marcas citadas na reportagem garantem acompanhar atentamente as suas cadeias de produção e dizem não tolerar qualquer tipo de exploração laboral.

Um desses casos foi a M&S, que considerou “inaceitáveis” e “extremamente graves” as denúncias feitas pelo programa televisivo.

“O comércio ético é fundamental para a M&S. Todos os nossos fornecedores estão contratualmente obrigados a respeitar os nossos princípios globais de abastecimento. Não toleramos tais violações destes princípios e faremos todos os possíveis para garantir que isto não volta a acontecer”, responde a marca em comunicado.

A marca britânica assegurou que nas recentes inspeções não encontrou nenhum refugiado sírio a trabalhar na Turquia. No entanto, o programa da BBC encontrou pelo menos sete.

(dr) BBC One / Panorama

Um dos refugiados sírios encontrados pela BBC

Um dos refugiados sírios encontrados pela BBC

Também a Asos foi confrontada com a situação e já garantiu que vai fazer com que estes jovens regressem à escola e que vai pagar salários justos aos adultos, até que consigam encontrar trabalho legal no país.

No caso da Mango e da Zara, os jornalistas descobriram refugiados sírios, a trabalhar mais de 12 horas por dia, numa fábrica de tratamento de calças de ganga.

Este grupo de pessoas atuava na pulverização de produtos químicos perigosos, para branquear os tecidos dos jeans, e nem sequer usavam máscaras de proteção.

A Mango afirmou que a fábrica foi subcontratada por um dos fornecedores da marca, sem o seu conhecimento, tendo enviado inspetores ao local, que não descobriram quaisquer trabalhadores sírios e que, no geral, detetaram até “boas condições de trabalho”.

Já a Inditex, detentora da Zara, afirmou que as suas inspeções são uma “forma altamente eficaz de melhorar as condições de monitorização” e que já tinham encontrado algumas inconformidades, numa auditoria feita em junho, e que tinham dado à fábrica até dezembro para fazer as melhorias necessárias.

Para Danielle McMullan, da Business & Human Rights Resource Centre, ONG que atua na defesa dos direitos humanos em empresas, estas marcas são responsáveis pelo que acontece nas fábricas.

“Não é suficiente dizer que não sabiam. Têm a responsabilidade de controlar onde e sob que condições as suas roupas estão a ser feitas”, afirmou a representante da organização.

O programa “Panorama” vai ser transmitido esta segunda-feira à noite às 20h30.

ZAP / Abr

PARTILHAR

RESPONDER

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …

Trump abandona conferência de imprensa após ser confrontado por jornalista com mentira que disse 150 vezes

O Presidente norte-americano abandonou uma conferência de imprensa, este sábado, depois de ter sido confrontado por uma jornalista com uma mentira que já terá dito mais de 150 vezes sobre cuidados de saúde para os …