//

Noiva adolescente leiloada no Facebook. Rede social só reparou depois do casamento

4

unamid / Flickr

Uma jovem de 16 anos do Sudão do Sul foi leiloada para casamento no Facebook. Quando a rede social reparou, a jovem já tinha sido comprada e estava casada.

De acordo com a organização pelos Direitos das Crianças Plan International, que sugeriu que a rede social pode estar a servir como um mercado negro moderno, a venda rendeu ao pai da jovem 500 vacas, três carros e cerca de 8500 euros.

O grupo informou ainda que cinco homens, incluindo membros do governo do Sudão, terão participado no leilão.

Segundo um porta-voz do Facebook, a publicação foi apagada logo após a sua descoberta, no dia 9 de novembro. Contudo, de acordo com a CNN, quando a plataforma se apercebeu do leilão, já passavam 15 dias desde o anúncio da venda e alguns dias do casamento da adolescente com o seu comprador.

George Otim, o diretor nacional do Plan International do Sudão do Sul, condenou o leilão e pediu uma investigação pelo governo do Sudão do Sul.

“Este uso bárbaro de tecnologia é o que resta dos mercados de escravos dos últimos tempos. O facto de uma adolesceste poder ser vendida para casamento no maior site de relacionamento social do mundo nos dias de hoje é inacreditável “, disse Otim.

“As meninas que se casam correm um alto risco de engravidar precocemente, podem morrer no parto e muitas vezes são socialmente isoladas – isoladas da família e dos amigos e outras fontes de apoio”, acrescentou. “Encorajamos todas as jovens que se encontram em situações de casamentos forçados e prematuros a denunciá-las à polícia”.

O porta-voz do Facebook também condenou o incidente, que viola as políticas da empresa que proíbem o tráfico de seres humanos. A empresa informou que tomou medidas contra a conta que criou o leilão.

“Qualquer forma de tráfico humano – seja por publicações, páginas, anúncios ou grupos – não é permitida no Facebook. Removemos a publicação e desativamos permanentemente a conta da pessoa. Estamos sempre a melhorar os métodos para identificar conteúdo que viola as nossas políticas, incluindo duplicar a equipa de segurança para mais de 30 mil pessoas e investir em tecnologia“, disse o porta-voz.

Não se sabe como é que a publicação foi detetada pelo Facebook e porque demorou duas semanas a ser apagada. O porta-voz disse que a empresa revê o conteúdo, em busca de violações das Normas da Comunidade em todos os fusos horários, 24 horas por dia e em mais de 50 idiomas.

O casamento infantil é proibido pelo direito internacional, embora ainda ocorra em todo o mundo.

Na África Subsariana, onde a prática é mais comum, 38% das adolescentes casam, formal ou informalmente, antes do 18º aniversário. O sul da Ásia tem o segundo maior nível, com 30%, enquanto a América Latina e as Caraíbas estão em terceiro lugar, com 25%. O Médio Oriente ocupa o quarto lugar, com 17%. No Sudão do Sul, 52% das jovens casam antes dos 18 anos.

As crianças são casadas por diversos motivos, como a pobreza, religião, proteção à criança e honra da família. O povo do Sudão do Sul, que se separou do Sudão em 2011, luta contra a fome, a seca, a guerra civil e a corrupção no governo.

  ZAP //

4 Comments

  1. “O casamento infantil é proibido pelo direito internacional, embora ainda ocorra em todo o mundo.”

    Convém notar que casamentos aos 16 anos são perfeitamente legais pela lei portuguesa (se isto ocorresse em Portugal, a ilegalidade teria apenas na venda e no provavelmente ela não ter tido escolha, não no casamento em si).

    Acho que nesta conversa de “casamentos infantis” faz-se uma grande salganhada entre casamentos aos 11-12 anos (ou até menos) e casamentos aos 16-17 anos, como se estivéssemos a falar da mesma coisa.

  2. O Facebook está mais preocupado em bloquear as pessoas por ninharias, ou seja, em fazê-las calar. Ditadura autêntica.

    • Completamente de acordo com a sua opinião e pelos vistos colaboram em grandes patifarias que se vão fazendo pelo mundo fora, em vez de sermos bloqueados pelo facebook o melhor talvez sejamos nós a bloqueá-los a eles!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.