Costa recusa braço de ferro com enfermeiros. Cristas acusa-o de pintar problemas de cor de rosa

Manuel Almeida / Lusa

O primeiro-ministro recusou esta segunda-feira a existência de um braço de ferro entre o Governo e os enfermeiros, mas defendeu não poder haver acordo em tudo, “porque há reivindicações que são absolutamente impossíveis”.

“Não há nenhum braço de ferro”, começou por dizer o primeiro-ministro quando questionado pelos jornalistas.

E acrescentou: “Agora, não há acordo quanto a tudo, porque há reivindicações que são absolutamente impossíveis no esforço que temos vindo a fazer, e que temos de continuar a fazer, para continuarmos a contratar mais profissionais, podermos continuar a não aumentar as taxas moderadoras, podermos continuar a investir em equipamento, em novas instalações que melhoram também as condições de trabalho de quem trabalha”.

António Costa respondia aos jornalistas à margem da inauguração do novo centro de saúde de Odivelas, no distrito de Lisboa, que representou um investimento de 1,4 milhões de euros, para servir 41.800 utentes.

O chefe de Governo considerou que, se o Executivo quiser “fazer tudo isto”, terá de “conjugar as diferentes necessidades”, comparando esta questão à “vida de uma família”. Questionado pela Lusa sobre se já avançou com a queixa na Justiça contra a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, como anunciou em fevereiro, o primeiro-ministro indicou apenas que “os factos foram transmitidos às autoridades próprias”.

Cristas acusa costa de pintar situação de cor de rosa

A presidente do CDS acusou o primeiro-ministro de pintar de cor de rosa os problemas da saúde e visitou esta segunda-feira um hospital de Lisboa integrado num centro hospitalar que, segundo disse, continua com problemas preocupantes.

Quase à mesma hora a que António Costa visitava um centro de saúde em Odivelas, Assunção Cristas estava reunida com a administração do Hospital de São José, em Lisboa, para, afirmou, “partir do conhecimento de uma realidade e não fingir que a realidade é cor de rosa, que é o que o primeiro-ministro faz”.

Após uma reunião de cerca de uma hora, a líder centrista afirmou ter ficado preocupada com o que ouviu, dado que hospital pertence a um “centro hospitalar que no ano passado diminuiu o número de cirurgias, número de consultas, aumentou os tempos de espera”. Em conclusão, terminou o ano “com um défice de mais 200% relativamente ao ano anterior, ou seja, um buraco de 90 milhões de euros”.

O CDS, afirmou ainda, tem apresentado muitas propostas na área da saúde e tem “colocado muita pressão sobre o Governo, que tem a faca e o queijo na mão, que andou a enganar os profissionais de saúde”. “Andou a apregoar o fim da austeridade que nunca existiu e isso está à vista de todos”, acrescentou, dando como exemplo a visita que fez esta manhã, respondendo, indiretamente, às declarações de Costa.

A visita da líder do CDS ao São José foi a primeira que, na próxima semana, o CDS vai fazer a vários hospitais do país para avaliar o estado da saúde no país. O agendamento destas visitas da líder do CDS coincide com várias deslocações previstas do chefe do Governo, também a estruturas de saúde, e Cristas assumiu que não é coincidência.

“Nós queremos, como sempre, contribuir positivamente para as soluções. Para isso temos que mostrar os problemas e não estar a escondê-los, não fingir que está tudo bem”, afirmou, considerando “as coisas estão mal”. Inspirada na visita ao São José, a líder centrista defendeu mais recursos para os hospitais, com mais autonomia, por exemplo, e ainda recorrendo “aos chamados centros de responsabilidade integrada”.

Este centros, exemplificou, “permitem equipas de médicos e enfermeiros gerirem o seu trabalho, com alguma autonomia e flexibilidade e aí certamente encontrar também um ambiente mais favorável para que todos os profissionais possam exercer o seu trabalho e se sintam valorizados”.

A líder dos centristas lembrou propostas passadas do seu partidos, sobre o financiamento da saúde, menos ligadas aos “tais números da produção” com que o primeiro-ministro tem respondido nos debates quinzenais no parlamento, e “mais ligados ao resultado concreto para a saúde do doente”.

“Isso é muito importante para perceber a qualidade do serviço prestado. Como é importante também dar autonomia aos hospitais para poderem gerir melhor os recursos humanos que têm e poderem fazer contratações, por exemplo, quanto a baixas prolongadas, ou quanto às reformas”, concluiu,

Com um dia dedicado exclusivamente à saúde, Assunção Cristas evitou e não comentou qualquer outros assunto, como as polémicas em torno do Novo Branco.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Câmara do Porto encerra cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro

O presidente da Câmara do Porto anunciou o encerramento dos cemitérios em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, justificando a decisão com a necessidade de desviar meios para cumprir a proibição de …

Rui Vitória de saída do Al Nassr

O treinador português Rui Vitória está de saída do Al Nassr, avança este sábado o canal árabe 24Sports. A saída de Rui Vitória, que em janeiro de 2019 deixou o comando técnico do Benfica, surge …

Casamento com 200 pessoas autorizado em Arruda dos Vinhos. Câmara contesta

O presidente da Câmara de Arruda dos Vinhos criticou a decisão da autoridade de saúde de autorizar a realização de um casamento “com cerca de 200 pessoas”, considerando que vai colocar a população do concelho …

Novo Banco desmente demissão de gestores após polémicas com Fundo de Resolução e Vieira

O Novo Banco veio a público desmentir a notícia do Público que alega que três gestores de topo da instituição se demitiram, após divergências internas envolvendo várias polémicas relacionadas com o Fundo de Resolução, com …

Milhões da bazuka europeia só chegam em junho

Portugal e os restantes Estados-membros das União Europeia (UE) só deverão receber os respetivos fundos da bazuka europeia de apoio à retoma no pós-pandemia na segunda metade de 2021, em meados de junho. A confirmar-se …

Braço de ferro entre Costistas e Nunistas novamente adiado

O PS voltou a adiar, agora de 31 de Outubro para 7 de Novembro, a reunião da Comissão Nacional que decidirá a orientação do partido face às eleições presidenciais. Fica assim adiado o braço-de-ferro entre …

Cercas sanitárias e recolher obrigatório. Governo avalia novas medidas na próxima semana

O Ministério da Saúde, liderado por Marta Temido, vai voltar a reunir na próxima semana com o Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP), num encontro em que serão discutidas novas medidas para travar a propagação …

Presidenciais EUA. Biden promete vacina gratuita para todos, Trump apela ao voto latino

Joe Biden e Donald Trump continuam em campanha eleitoral para a corrida à Casa Branca, numas eleições que estão agendadas para 3 de novembro. O candidato presidencial democrata Joe Biden prometeu esta sexta-feira que a vacina …

Há 72 concelhos com risco "muito elevado" de contágio. Governo esconde mapas de perigo

O Governo insiste em não divulgar os mapas de perigo com o risco de contágio por coronavírus que foram feitos por peritos da Direcção Geral de Saíde (DGS). Isto numa altura em que o Expresso …

Nuno Melo estuda candidatura à liderança do CDS

O eurodeputado Nuno Melo não excluiu uma candidatura à liderança do CDS, avança este sábado o semanário Expresso. Confrontado pelo jornal, o eurodeputado não excluiu uma eventual candidatura à liderança dos centristas, dizendo apenas que "não …