“Gosto do Simplex, mas o dinheiro público não é para distribuir”. Costa deixa recados

O primeiro-ministro afirma que o Estado já concedeu garantias em linhas de crédito na ordem dos cinco mil milhões de euros e defende que a banca deve assumir um papel exigente para proteger o dinheiro dos contribuintes.

As declarações de António Costa surgiram depois da cerimónia de assinatura da declaração de compromisso dos parceiros sociais para a retoma económica e de assinatura do protocolo de cooperação entre a AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) e a DGS (Direcção-Geral da Saúde) que decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

O primeiro-ministro considera que as medidas adoptadas pelo Governo para atenuar os prejuízos económicos e sociais da pandemia de covid-19 “estão a ter seguramente efeitos”.

“Até hoje, do conjunto de linhas de crédito definidas, o Estado já aprovou garantias num valor superior a cinco mil milhões de euros. Começamos a aproximarmo-nos do limite máximo dessas linhas de crédito que aprovámos”, declara.

No que diz respeito ao regime de lay-off, o primeiro-ministro sustenta que já foram pagos até ao final de Abril todos os requerimentos válidos até ao dia 1 desse mês. Neste ponto, António Costa reitera o compromisso de pagar até ao final desta semana todos os requerimentos válidos que entraram até ao final de Abril.

“Foi um esforço gigantesco pedido à Segurança Social“, acentua.

No entanto, neste capítulo, o primeiro-ministro aproveita também para defender o papel dos bancos na intermediação dos processos de concessão de crédito às empresas.

Ninguém gosta da burocracia e estou entre aqueles que menos gostam da burocracia. Gosto mesmo do Simplex, mas sei também que as garantias do Estado significam as garantias que os contribuintes estão a dar aos empréstimos concedidos”, adverte.

António Costa vai ainda mais longe nestes recados, frisando que “os empréstimos não são dinheiro distribuído, mas, antes, são dinheiro contratado“.

“É muito importante para a retoma que todos tenhamos confiança no destino do dinheiro público e na garantia do dinheiro dos contribuintes. Os bancos são os veículos de transmissão desse dinheiro à economia – e queremos que os bancos sejam exigentes na concessão de crédito, porque trata-se de viabilizar empresas que são viáveis, empresas que estão em crise por terem sido atingidas por esta pandemia de covid-19″, argumenta.

Ou seja, segundo o líder do executivo, não se trata de viabilizar “empresas que vão custar amanhã dinheiro aos contribuintes, porque, não tendo viabilidade económica, vai depois ser o contribuinte a substituir-se no pagamento do crédito“.

“Por isso, é natural que se queira saber que empresas são, qual a sua situação económica e qual a sua viabilidade económica. O dinheiro tem de ser distribuído com critério, porque se trata de dinheiro dos contribuintes – e os contribuintes estarão cá amanhã a pedir-nos contas desse dinheiro”, frisa.

Ainda nesta fase do seu discurso, António Costa defende que a atribuição de crédito deve ser feita com transparência, razão pela qual “não deve ser o Governo a decidir qual a empresa que apoia ou não apoia”.

“É bom que sejam os bancos a fazerem essa avaliação e a poderem tomar essa decisão”, acrescenta.

“Foi muito fácil fechar, será muito difícil abrir”

O primeiro-ministro alerta ainda que “foi muito fácil fechar, mas será muito difícil abrir” todos os estabelecimentos comerciais. Costa prevê que vai demorar até que sejam retomados os hábitos de consumo.

“Em tempo de incerteza, a única certeza é que temos de seguir em frente, e para isso é preciso confiança“, constata ainda o governante, notando que é preciso “unir esforços para uma retoma rápida e segura”.

“Se a economia ficar fechada à escala europeia e global, a retoma vai ser dificultada”, nota ainda António Costa, apelando a uma coesão a nível da Europa. “O essencial é salvar os rendimento das famílias, o emprego e as empresas”, diz.

“Em 48 horas, os portugueses fecharam-se em casa, afastaram-se dos seus, privaram-se de tudo para combater a pandemia. Vão mostrar a mesma capacidade a reerguer-se desta tragédia”, considera ainda.

Com máscaras e luvas, vamos vencer tudo: não só o vírus, mas a crise económica. Vamos conseguir passar para o outro lado do túnel”, conclui.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “Gosto do Simplex, mas o dinheiro público não é para distribuir”

    Esta frase diz tudo. O PM pela primeira vez na vida disse uma verdade.
    Ele gosta do Simplex. Pois, basta ver o que o seu comparsa 44 fez. Tudo muito simples. Negócios com 10% de comissão e testas de ferro um pouco por todo o lado. Mais simples é impossível. E depois diz: o dinheiro público não é para distribuir. Isso já todos sabemos. O nosso dinheiro (isto é o dinheiro público) é apenas de meia dúzia de políticos, os da seita do costume.
    Pela boca morre o peixe.

  2. este camarada é um especialista a tirar a água do capote.

    mas alguém acredita que o MFinanças entregou 850M€ sem o conhecimento do pseudo PM?

    a ala do putativo engº continua a funcionar lindamente.

  3. É só ódio e raiva. Percebo que as pessoas tivessem gostado mais daquele período do “enorme aumento de impostos”, com falências em catadupa e com as famílias em desespero sem solução à vista. Gente masoquista!

RESPONDER

Campo magnético da Terra pode mudar 10 vezes mais rápido do que se pensava

As mudanças na direção do campo magnético da Terra podem ocorrer dez vezes mais rápido do que se pensava até então, sugerem novas simulações levadas a cabo por cientistas da Universidade de Leeds (Reino Unido) …

O buraco negro mais faminto do Universo engole por dia uma massa equivalente à do Sol

No centro do quasar mais brilhante já descoberto "mora" um dos maiores buracos negros que é também o mais "faminto" de todo o Universo: por dia, engole o equivalente à massa do nosso Sol. As …

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …