“Gosto do Simplex, mas o dinheiro público não é para distribuir”. Costa deixa recados

O primeiro-ministro afirma que o Estado já concedeu garantias em linhas de crédito na ordem dos cinco mil milhões de euros e defende que a banca deve assumir um papel exigente para proteger o dinheiro dos contribuintes.

As declarações de António Costa surgiram depois da cerimónia de assinatura da declaração de compromisso dos parceiros sociais para a retoma económica e de assinatura do protocolo de cooperação entre a AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) e a DGS (Direcção-Geral da Saúde) que decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

O primeiro-ministro considera que as medidas adoptadas pelo Governo para atenuar os prejuízos económicos e sociais da pandemia de covid-19 “estão a ter seguramente efeitos”.

“Até hoje, do conjunto de linhas de crédito definidas, o Estado já aprovou garantias num valor superior a cinco mil milhões de euros. Começamos a aproximarmo-nos do limite máximo dessas linhas de crédito que aprovámos”, declara.

No que diz respeito ao regime de lay-off, o primeiro-ministro sustenta que já foram pagos até ao final de Abril todos os requerimentos válidos até ao dia 1 desse mês. Neste ponto, António Costa reitera o compromisso de pagar até ao final desta semana todos os requerimentos válidos que entraram até ao final de Abril.

“Foi um esforço gigantesco pedido à Segurança Social“, acentua.

No entanto, neste capítulo, o primeiro-ministro aproveita também para defender o papel dos bancos na intermediação dos processos de concessão de crédito às empresas.

Ninguém gosta da burocracia e estou entre aqueles que menos gostam da burocracia. Gosto mesmo do Simplex, mas sei também que as garantias do Estado significam as garantias que os contribuintes estão a dar aos empréstimos concedidos”, adverte.

António Costa vai ainda mais longe nestes recados, frisando que “os empréstimos não são dinheiro distribuído, mas, antes, são dinheiro contratado“.

“É muito importante para a retoma que todos tenhamos confiança no destino do dinheiro público e na garantia do dinheiro dos contribuintes. Os bancos são os veículos de transmissão desse dinheiro à economia – e queremos que os bancos sejam exigentes na concessão de crédito, porque trata-se de viabilizar empresas que são viáveis, empresas que estão em crise por terem sido atingidas por esta pandemia de covid-19″, argumenta.

Ou seja, segundo o líder do executivo, não se trata de viabilizar “empresas que vão custar amanhã dinheiro aos contribuintes, porque, não tendo viabilidade económica, vai depois ser o contribuinte a substituir-se no pagamento do crédito“.

“Por isso, é natural que se queira saber que empresas são, qual a sua situação económica e qual a sua viabilidade económica. O dinheiro tem de ser distribuído com critério, porque se trata de dinheiro dos contribuintes – e os contribuintes estarão cá amanhã a pedir-nos contas desse dinheiro”, frisa.

Ainda nesta fase do seu discurso, António Costa defende que a atribuição de crédito deve ser feita com transparência, razão pela qual “não deve ser o Governo a decidir qual a empresa que apoia ou não apoia”.

“É bom que sejam os bancos a fazerem essa avaliação e a poderem tomar essa decisão”, acrescenta.

“Foi muito fácil fechar, será muito difícil abrir”

O primeiro-ministro alerta ainda que “foi muito fácil fechar, mas será muito difícil abrir” todos os estabelecimentos comerciais. Costa prevê que vai demorar até que sejam retomados os hábitos de consumo.

“Em tempo de incerteza, a única certeza é que temos de seguir em frente, e para isso é preciso confiança“, constata ainda o governante, notando que é preciso “unir esforços para uma retoma rápida e segura”.

“Se a economia ficar fechada à escala europeia e global, a retoma vai ser dificultada”, nota ainda António Costa, apelando a uma coesão a nível da Europa. “O essencial é salvar os rendimento das famílias, o emprego e as empresas”, diz.

“Em 48 horas, os portugueses fecharam-se em casa, afastaram-se dos seus, privaram-se de tudo para combater a pandemia. Vão mostrar a mesma capacidade a reerguer-se desta tragédia”, considera ainda.

Com máscaras e luvas, vamos vencer tudo: não só o vírus, mas a crise económica. Vamos conseguir passar para o outro lado do túnel”, conclui.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. “Gosto do Simplex, mas o dinheiro público não é para distribuir”

    Esta frase diz tudo. O PM pela primeira vez na vida disse uma verdade.
    Ele gosta do Simplex. Pois, basta ver o que o seu comparsa 44 fez. Tudo muito simples. Negócios com 10% de comissão e testas de ferro um pouco por todo o lado. Mais simples é impossível. E depois diz: o dinheiro público não é para distribuir. Isso já todos sabemos. O nosso dinheiro (isto é o dinheiro público) é apenas de meia dúzia de políticos, os da seita do costume.
    Pela boca morre o peixe.

  2. este camarada é um especialista a tirar a água do capote.

    mas alguém acredita que o MFinanças entregou 850M€ sem o conhecimento do pseudo PM?

    a ala do putativo engº continua a funcionar lindamente.

  3. Não só usa a burocracia como arma, como utiliza os controladores e comissários politicos em tudo o que mexe .

  4. É só ódio e raiva. Percebo que as pessoas tivessem gostado mais daquele período do “enorme aumento de impostos”, com falências em catadupa e com as famílias em desespero sem solução à vista. Gente masoquista!

RESPONDER

Moçambique. Ministro da Defesa diz que ataque a Palma não coloca em causa exploração de gás

O ministro da Defesa de Moçambique, Jaime Neto, disse esta quinta-feira que o ataque à vila de Palma não coloca em causa o projeto de exploração de gás natural liderado pela petrolífera Total em Afungi, …

Nova Zelândia quer tornar a próxima geração completamente não fumadora

A Nova Zelândia anunciou um conjunto de propostas que visam banir os cigarros entre a próxima geração e aproximar o país da sua meta de ser livre de fumo até 2025. Desta forma, o Governo pretende …

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …