Costa propõe Pedro Marques ou Elisa Ferreira para comissários europeus

Miguel A. Lopes / Lusa

Pedro Marques e o primeiro-ministro António Costa

O primeiro-ministro, António Costa, acatou o pedido feito pela presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que prometeu compor um novo executivo paritário, e avançou com dois nomes, de um homem e de uma mulher, para ocupar o cargo de comissário europeu: Pedro Marques e Elisa Ferreira.

Segundo noticiou o Público esta quinta-feira, o ex-ministro das Infra-Estruturas, que deixou o Governo para concorrer ao Parlamento Europeu (PE), e a atual vice-governadora do Banco de Portugal já estiveram reunidos na quarta-feira em Bruxelas com a futura líder europeia, que deu início esta semana a uma ronda de contactos – para já ainda informais – com as personalidades indicadas pelos Estados-membros para integrar a sua equipa.

“As reuniões que estão a decorrer esta semana são breves encontros informais, para apresentações. Não se trata de entrevistas de emprego oficiais, pelo que não faremos quaisquer comentários sobre elas”, respondeu um porta-voz da próxima presidente da Comissão Europeia.

Desde que o seu nome foi lançado como cabeça de lista do PS às eleições europeias que se comentava que Pedro Marques era, na verdade, candidato a comissário europeu, alegadamente com a tutela da política de coesão e desenvolvimento regional, o pelouro responsável pelo desenho e distribuição dos fundos estruturais europeus que sustentam mais de 80% do investimento público nacional, informou o Público.

O primeiro-ministro nunca desmentiu as notícias que davam conta da possível “promoção” de Pedro Marques à Comissão e, por isso, o seu encontro com Ursula Von der Leyen não constitui surpresa. Contudo, continuou o jornal diário, o facto de também Elisa Ferreira ter sido chamada para conhecer pessoalmente a futura presidente da Comissão sugere que o Governo poderá também estar apostado numa pasta económica.

António Costa afirmou várias vezes que o principal objetivo do Governo no processo de constituição da nova Comissão era uma pasta ligada diretamente aos interesses nacionais. Numa entrevista à Rádio Observador em meados de julho, disse que primeiro negociaria a pasta e depois pensaria na personalidade com o perfil mais adequado para o cargo.

Assim, a aposta em Elisa Ferreira faz sentido. A atual vice-governadora do Banco de Portugal causou um forte impacto político em Bruxelas, tendo recolhido rasgados elogios pelo trabalho que desenvolveu como eurodeputada no comité dos Assuntos Económicos e Monetários do PE, no auge da crise económica e financeiro que afetou a zona euro.

José Goulão / Wikimedia

Euro-deputadas do PS, Ana Gomes e Elisa Ferreira

Elisa Ferreira (que cumpriu dois mandatos no PE, deixando o cargo de eurodeputada em 2016, dois anos depois de reeleita pela segunda vez) esteve envolvida no processo de introdução do procedimento relativo aos desequilíbrios macroeconómicos, que permite sinalizar e vigiar os países com desequilíbrios excessivos, e ainda na criação do Mecanismo Único de Resolução, o sistema europeu para a resolução de bancos inviáveis.

Lista com homens a mais

Portugal é um dos nove países que ainda não oficializaram a sua escolha para a próxima Comissão Europeia. O secretariado do Conselho Europeu informou os Estados-membros de que o prazo para a apresentação das candidaturas termina a 26 de agosto, e o Público confirmou junto da equipa de transição de Ursula von der Leyen que essa é mesmo a data que está a ser considerada para a finalização do processo de composição da sua equipa.

Entre os 18 países que já nomearam candidatos, o balanço de género pende claramente para o lado masculino: há para já 12 homens e seis mulheres na lista de nomes entregue a Ursula von der Leyen.

A presidente eleita da Comissão Europeia não está obrigada a aceitar a proposta dos Estados-membros: depois de apelar aos chefes de Estado e Governo que lhe apresentassem duas alternativas, de um homem e de uma mulher, afirmou que não hesitaria em vetar algumas das escolhas nacionais, se estas comprometessem o seu objetivo de paridade no próximo colégio de comissários.

A ex-ministra da Defesa alemã, escolhida para dirigir o executivo comunitário a partir de novembro, também insinuou que os países que insistissem em apresentar apenas candidatos masculinos poderiam sair “prejudicados” no delicado processo de distribuição das pastas, uma vez que a prioridade na escolha poderia ficar reservada às mulheres.

Por enquanto, nenhum dos 12 países com candidatos masculinos avançou um nome alternativo. Mas o objetivo de uma comissão paritária ainda está ao alcance de Ursula von der Leyen, se seis Estados-membros avançaram com uma candidata feminina.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, deverá anunciar a sua escolha na próxima semana. Entre os três nomes dados como possíveis pela imprensa francesa estão duas mulheres: Sylvie Goulard, a primeira ministra da Defesa, e a atual titular da pasta, Florence Parly, bem como o negociador da União Europeia para o Brexit, Michel Barnier, que já por duas vezes desempenhou o cargo de comissário europeu.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Limitação dos apoios a sócios-gerentes não é "justa", diz Confederação das empresas

A Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas não entende a razão para limitar a ajuda a sócios-gerentes ao valor de 1.905 euros, proposta que não consideram justa. Em entrevista à Rádio Observador na quinta-feira, o …

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …

Passageiros dos EUA e PALOP têm de apresentar teste negativo de covid-19

O Governo prorrogou várias medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com novas orientações e exceções, num despacho publicado terça-feira em Diário da República. Segundo noticiou o Expresso, um comunicado do …

PGR angolana diz que Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol, disse à Lusa fonte da …

Autoridades descartam participação da milícia "Escritório do Crime" no caso Marielle Franco

O envolvimento da milícia conhecida como "Escritório do Crime" no homicídio da vereadora e ativista Marielle Franco chegou a ser investigado, mas foi descartado pela polícia brasileira. O delegado brasileiro Daniel Rosa, da cidade do Rio …

Desconfinamento não foi suficiente. Desemprego volta a subir em Espanha para valores de 2016

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha voltou a aumentar em 5.107 pessoas em junho, uma desaceleração em relação a maio, atingindo um total de 3.862.883 espanhóis. De acordo com os …

Governo vai monitorizar discurso de ódio na Internet

O Governo vai monitorizar o discurso de ódio nas plataformas online, estando "em vias" de dar início à contratação pública de um projeto que deverá traduzir-se num barómetro mensal de acompanhamento e identificação de sites. Segundo …

Tribunal britânico decide que é Guaidó (e não Maduro) quem manda nas reservas de ouro da Venezuela

A justiça britânica decidiu esta quinta-feira que é o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e não o Presidente Nicolás Maduro quem tem autoridade sobre as reservas de ouro da Venezuela depositadas no Banco de …

Mistério resolvido. Cientistas descobriram como é que as cobras "voam"

Nem todas as cobras se movem arrastando-se discretamente pelo chão. Há uma cobra do género Chrysopelea que parece voar de árvore em árvore. Agora, os cientistas descobriram como é que estes animais se movem pelo …

Mais de 80 mil pessoas registaram-se na Segurança Social desde janeiro

O programa “Segurança Social na Hora”, criado em janeiro deste ano, abrangeu até ao momento 80.700 pessoas, de acordo com os dados divulgados pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS). Ana Mendes Godinho avançou …