Costa avisa que não há tempo a perder. País enfrenta “gigantesca responsabilidade”

Manuel Farinha / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

O primeiro-ministro advertiu, esta terça-feira, que Portugal está perante “uma gigantesca responsabilidade” e “não pode perder tempo” com hesitações na execução dos fundos europeus nos próximos seis anos, tendo de conciliar “máxima transparência e mínimo de burocracia”.

Esta mensagem sobre o alcance estratégico do Plano de Recuperação e Resiliência foi deixada pelo primeiro-ministro, António Costa, na sessão de abertura da “jornada de trabalho” do Grupo Parlamentar do PS, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

“Estamos perante uma gigantesca responsabilidade para com a União Europeia, mas, sobretudo, para com o país e as novas gerações. Daqui a seis anos estarão cá a pedir-nos contas do que fizemos com estes recursos extraordinários que foram postos à nossa disposição”, disse.

O único objetivo possível, de acordo com o primeiro-ministro, é daqui a seis anos chegar-se à Europa ou encarar-se os jovens e cada um dos portugueses e concluir-se que se “cumpriu e o que o país é diferente”.

Perante os deputados socialistas, Costa defendeu que o Plano de Recuperação e Resiliência é um programa com uma natureza excecional“, razão pela qual “tem de haver absoluta confiança naquilo que se vai fazer”.

“A pior coisa que nos podia acontecer é iniciar-se este ciclo numa situação tão crítica como a atual e podermos dar-nos ao luxo de ao longo de dez anos passarmos o tempo a hesitar, a ter dúvidas e a voltar ao princípio, reabrindo as decisões que sucessivos Governos vão tomando. Se, nos próximos dez anos, fizemos aquilo que foi feito nos últimos 50 anos a propósito do aeroporto de Lisboa, então daqui a 10 chegaremos ao fim com muito dinheiro gasto em estudos, mas sem se fazer nada de efetivamente concreto que altere a realidade do país”, advertiu.

Neste ponto, António Costa resolver mesmo dramatizar a situação atual dos pontos de vista económico e social: “Não podemos perder tempo, porque a crise está aí, são milhares de empresas que estão ameaçadas de poder fechar, são milhares de postos de trabalho que já foram perdidos ou que estão ameaçados e assiste-se a uma perda de rendimentos no conjunto da sociedade que pode vir a atingir as famílias”.

“Portanto, não podemos perder tempo. É fundamental que a União Europeia aprove definitivamente este plano, aprove definitivamente estes regulamentos, mas que o país tenha capacidade de o pôr rapidamente no terreno”, salientou.

Costa considera “absurdo” dualismo entre fundos para empresas ou Estado

Não se caia nesse debate absurdo sobre se este Plano de Recuperação e Resiliência deve investir no Estado ou nas empresas. Este plano tem de investir nas pessoas e nas empresas. E para servir melhor as pessoas e as empresas precisamos de um Estado mais robusto e eficiente”, sustentou António Costa.

Na segunda-feira, na sequência das reuniões com os partidos com representação parlamentar em São Bento, a Iniciativa Liberal e o CDS criticaram abertamente a fatia de investimentos que o Governo tenciona fazer na administração pública. E também o presidente do PSD, Rui Rio, admitiu que o Governo vai investir nas empresas “provavelmente menos” do que se desejaria.

Na sua intervenção, com cerca de 45 minutos e totalmente dedicada ao Plano de Recuperação e Resiliência, o secretário-geral do PS classificou como essenciais os investimentos na modernização da saúde, da justiça e da segurança social, e recusou o dualismo entre Estado e setor privado.

“Este investimento gera externalidades positivas para o conjunto da sociedade, seja para os cidadãos ou para as empresas. Não estamos perante um investimento autofágico na alimentação da administração pública”, disse.

Neste ponto, Costa acentuou que se o país “quer uma administração pública do século XXI, se quer uma administração pública mais qualificada e com recursos humanos mais motivados, tem de ter uma administração pública digital”.

“Uma administração pública que não é digital é uma administração pública que não é do século XXI. E se houve algo que ficou claro nesta crise é que a presença do Estado é absolutamente indispensável nas respostas nos momentos críticos à sociedade. O desenvolvimento das políticas públicas são um fator essencial para o desenvolvimento económico e social e são ferramentas indispensáveis para as empresas”, argumentou.

O chefe do Governo defendeu mesmo que “basta falar com empresários para saber que eles dizem que mais do que subsídios do que precisam é de um sistema de justiça mais eficaz e de uma administração pública que seja eficiente”.

“E mais do que subsídios do que precisam é que se diminuam os custos de contexto para facilitar o investimento“, acrescentou o primeiro-ministro.

Uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e para o Correio da Manhã revela que mais de metade dos portugueses (60,6%) acredita que os fundos europeus que Portugal vai receber para fazer face à pandemia vão ser mal geridos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Vamos gastar uma fortuna para não se fazer nada de jeito para o Pais. Vai ser uma repetição dos milhões dos ultimos fundos, onde poucos vão ficar com os bolsos cheios.
    Vai ser mais uma oportunidade perdida. Há tanto que se pode fazer neste Portugal sem se gastar muito, mas como sempre, estes génios vão gastar em coisas que não vão trazer mais valias

  2. Fazer discursos inflamados só para parecer bem! Mais um pouco e diz que isto está assim por culpa dos portugueses.
    Combater a corrupção, acabar com os trabalhos para amigos e familiares acabar com ajustes directos, eliminar as mordomias dos FP, isso sim é que precisa de discurso inflamado seguido de acções. Não se viu nenhum FP em layoff com redução de vencimento! sigam os exemplos de outros paises e reduzam os vencimentos dos politicos. Eliminem pessoal do maior executivo alguma vez em funções! Isto são medidas concretas!
    A poesia só serve para ler à lareira não para embalar quem trabalha e muito desconta mas pouco vê ou recebe.

  3. É só bolas de cristal e progfetas da desgraça! Critiquem o que já aconteceu em vez de agoirar. A não ser que vocês tenham um desejo eleitoralista qualquer de que as coisas corram mal ao país, só para lá meter os da vossa côr… Seja lá qual for a vantagem que vocês vêm nisso. É o chamado clubismo partidário acima do interesse nacional.

    • Eu critico o lítio à galambada matosa servido na junta de freguesia do ps de montelegre.
      E ainda o arroz de kamov à tó costa. E a feijoada de siresp à tó costa. E o aeroporto cozido à socialista.
      E para breve teremos essa ferrovia com todos.
      Bela ementa.

  4. País enfrenta gigantesca responsabilidade?
    Há uma boa solução, demite-te, porque ninguém confia em Costa…
    Como o Sócrates, estás a destruir Portugal

  5. Um pais tao pequeno facil de governar.
    Depois destruirem pouca industria que havia e milhares de pequenas empresas locais que fixava povo a terra.. substituiram por turismo agora nao deveriam sequer falar sem tao pouco abir boca…

    esse pais nao toma juizo… ai se nao fosse meia duzia de gente lutadora que alimenta com seus descontos essa corja toda….

"Bolhas domésticas" e celebrações online. As sugestões de Bruxelas para o Natal

A Comissão Europeia pediu esta quarta-feira aos países da União Europeia (UE) para definirem “critérios claros” relativamente ao Natal, devendo estipular um número máximo de pessoas por ajuntamento, incentivar “bolhas domésticas” para passar as festividades …

PSD ouviu empresários em greve de fome e apela a Governo que os receba

O líder do grupo parlamentar do PSD apelou esta quarta-feira ao Governo para que receba os empresários da restauração e da animação noturna em greve de fome em frente ao Parlamento, depois de se ter …

China acusada de violar sanções à Coreia do Norte. EUA oferecem recompensa de 5 milhões

A China está a ser acusação de uma “violação flagrante” da obrigação de aplicar sanções internacionais à Coreia do Norte. Os Estados Unidos estão a oferecer uma recompensa de cinco milhões de dólares por informações. De …

Fabricante de aeronaves Embraer revela ter sido vítima de ataque informático

A fabricante aeronáutica brasileira Embraer informou esta terça-feira, em comunicado, que sofreu um ataque informático aos seus sistemas. A Embraer frisou, em comunicado divulgado aos acionistas, que o ataque “resultou na divulgação de dados supostamente atribuídos …

Filho de Michael Schumacher ascende à Fórmula 1 em 2021

O alemão Mick Schumacher, filho do antigo piloto Michael Schumacher, ascende à Fórmula 1 na próxima temporada, para pilotar um dos carros da escuderia Haas, anunciou esta quarta-feira a equipa norte-americana. Atual líder do campeonato de …

Costa diz que ilegalização do Chega não é resposta, mas sim solucionar problemas

O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que a resposta política mais eficaz ao Chega não passa pela sua ilegalização, mas por solucionar os problemas sociais que alimentam o populismo e explicam a existência do partido. António Costa …

Após atropelamento que fez 5 mortos na Alemanha, polícia exclui hipótese de terrorismo

O condutor que ontem provocou cinco mortes ao atropelar várias pessoas numa zona pedonal, em Trier, mostra sinais de "distúrbios psiquiátricos", afirmou o procurador dessa cidade do oeste da Alemanha, com a polícia a descartar …

Sonangol admite sair do Millennium BCP se surgir uma "boa oportunidade"

A petrolífera angolana Sonangol, segundo maior acionista do Millennium BCP com cerca de 20%, admitiu aproveitar alguma “boa oportunidade” que surja para vender a sua participação. A informação foi transmitida pela Sonangol de Sebastião Gaspar Martins, …

Portugal com mais 68 mortos e 3.384 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quarta-feira mais 68 mortos relacionados com a covid-19 e 3.384 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da pandemia, Portugal já registou 4.645 …

Tribunal de Contas usa inteligência artificial para controlar entidades

O Tribunal de Contas (TdC) começou a utilizar um sistema baseado em inteligência artificial para controlar as contas de cerca de 6.500 entidades que estão sob a sua alçada. Segundo noticiou esta quarta-feira o Correio da …