Costa diz que ilegalização do Chega não é resposta, mas sim solucionar problemas

Hugo Delgado / Lusa

O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que a resposta política mais eficaz ao Chega não passa pela sua ilegalização, mas por solucionar os problemas sociais que alimentam o populismo e explicam a existência do partido.

António Costa foi confrontado, em entrevista à rádio Observador, com as declarações do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, que precisamente àquele órgão de comunicação social admitiu que “a questão da ilegalização do Chega venha a colocar-se”.

Eu prefiro mais a pedagogia do que as proibições e acho que a forma eficaz de combater o Chega é dar resposta aos problemas sociais que alimentam o descontentamento, a desesperança, a descrença porque essa é a base do populismo”, começou por responder o primeiro-ministro, sublinhando a sua cultura e espírito liberal.

Deixando claro que “a ilegalização é uma matéria que compete ao sistema de justiça”, Costa focou-se na questão política: “o que eu acho que é fundamental é responder às causas políticas que explicam a existência do Chega na sociedade portuguesa”.

“Isso é para mim a prioridade. Quanto ao mais, isso são as competências próprias, designadamente do Ministério Público, que pode acionar se assim o entender os mecanismos previstos para ilegalização de qualquer partido político”, justificou.

Sublinhando que não crê que “seja essa a resposta mais eficaz, pelo menos do ponto de vista político”, o primeiro-ministro escusou-se a “dar conselhos ao Ministério Público sobre o que deve fazer”.

“Agora, do ponto de vista político o que devemos procurar entender é quais são os fenómenos e as causas sociais que têm gerado este clima, que tem levado muitas pessoas a entenderem que é no Chega que têm a resposta aos seus problemas”, reiterou.

Na mesma entrevista, António Costa voltou a ser muito crítico em relação à atuação do líder do PSD, Rui Rio, ao ter contribuído para a aprovação da alteração ao Orçamento do Estado para 2021, apresentada pelo BE, que anula a transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco.

“Ficámos todos a saber é que Rui Rio, com muita facilidade, arruma os seus princípios”, condenou, considerando que esta aprovação foi “uma bravata política que vai ser jurídica e financeiramente inconsequente”.

Questionado sobre se esta decisão do PSD afetou as suas relações com Rui Rio, Costa defendeu que a ideia de que os dois líderes dos maiores partidos eram “parceiros de tango” foi “uma ficção da comunicação social”, uma vez que isso nunca aconteceu.

Segundo o primeiro-ministro, as relações políticas com o líder da oposição “nunca existiram”, considerando que os acordos para a descentralização e para os fundos europeus “são duas árvores que não fazem a floresta”.

Sobre o bloco central, na perspetiva do chefe do executivo, Costa e Rio estão de acordo: “nem ele deseja o bloco central, nem eu desejo o bloco central”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Fauci revela que uso de máscara está a ser revisto nos EUA para pessoas vacinadas

Anthony Fauci, conselheiro de saúde da Casa Branca, disse que os Estados Unidos estão a estudar a possibilidade de levantar a obrigatoriedade do uso de máscara para pessoas vacinadas contra a covid-19. Este domingo, Anthony Fauci …

Tratamentos de radioterapia em risco no IPO de Lisboa

Tratamentos de radioterapia no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa estão em risco devido à falta de profissionais. O IPO de Lisboa conta com sete aceleradores lineares, aparelhos sofisticados que obrigam à presença física de …

Presidente de associação solidária acusado de violar e escravizar mulheres em situações precárias

O presidente da associação "Paz no Coração" está a ser acusado por 60 crimes sexuais. Atualmente, encontra-se em prisão preventiva. Alfredo Marques Carvalho, líder da associação, acolhia vítimas de violência doméstica, atiradas para a rua com …

Sócrates sai em defesa de Vieira. Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois"

Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois", considera o antigo primeiro-ministro José Sócrates, num artigo de opinião publicado esta segunda-feira no qual reage às detenções de Luís Filipe Vieira e Joe Berardo. "Tudo igual, tudo igual, …

Thomas Daley: o ouro para quem sofreu muito

Bullying na escola, morte do pai, homossexualidade, incapaz de caminhar. Thomas Daley venceu uma prova de saltos para a água, em Tóquio, ao lado do também britânico Matty Lee. Surpresa nos saltos para a água, nos …

Depois de uma época dourada, Portugal cai sete lugares no ranking da inovação

A economia nacional caiu sete posições, naquela que é a primeira inversão na trajetória ascendente desde 2014. Apesar do recuo, Portugal melhorou em 18 dos 32 indicadores. A notícia, avançada esta segunda-feira pelo jornal Público, dá …

Mortes de crianças com covid-19 disparam na Indonésia. No Reino Unido aumentam casos graves entre jovens

Médicos britânicos alertaram para o aumento do número de crianças e jovens infetados com covid-19 a dar entrada nos hospitais, apelando à vacinação para não "sofrerem desnecessariamente" com a evolução da doença. "Os doentes estão a …

Empresa portuguesa arrisca multa por enviar ilegalmente resíduos de plástico para a Roménia

Uma empresa portuguesa foi apanhada a enviar resíduos de plástico para a Roménia sem cumprir os requisitos necessários para o fazer. Segundo noticia o Público, a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento …

Marcos Freitas e Fu Yu brilham no ténis de mesa, Yolanda Sequeira avança no surf

Do ténis de mesa ao surf, a armada portuguesa em Tóquio tem estado em destaque. Marcos Freitas, Fu Yu e Yolanda Sequeira progrediram nas suas respetivas competições. O português Marcos Freitas apurou-se hoje para os oitavos …

Um pouco por todo o mundo, protesta-se contra o "passaporte da escravidão" às vacinas

O fim-de-semana foi marcado por manifestações em Itália, na Grécia, na França, no Reino Unido e na Austrália contra as proibições a quem não tem certificados de vacinação ou testes PCR. Vários governos têm apertado as …