Costa diz que alternativa ao PS é ir “rio abaixo” (e fala da insinuação “lamentável e surpreendente” do líder do PSD)

Reiterando nada saber sobre o caso de Tancos, o secretário geral do PS, António Costa, arrancou o sétimo dia de campanha com críticas ao PSD, considerando ainda que os parceiros de esquerda não se comprometeram em “assegurar condições de governabilidade” durante os próximos quatro anos. 

Este domingo, num almoço-comício em Matosinhos, o líder socialista disse que aqueles que querem um Governo sem o PS têm “muitas alternativas”, desejando “que possam ir rio abaixo” à procura de uma alternativa.

“Quem quer um Governo sem o PS tem muitas alternativas. Como sempre em democracia há alternativas. E desejo que possam ir rio abaixo à procura de uma alternativa em que possam acreditar que fará mais e melhor do que o PS fará em mais quatro anos de governação estável do nosso país”, declarou António Costa.

Chegada esta fase da campanha eleitoral, sustentou “é muito evidente para todas e todos os portugueses que só há uma verdadeira escolha a fazer”: entre um governo do PS ou um Governo sem o PS. António Costa contou que todos os dias ouve na rua quem lhe diga “que quer votar no PS para que o PS governe com maioria ou sem maioria”, mas também “quem quer que o PS governe com ‘gerigonça’ ou sem ‘gerigonça'”.

No entanto, sublinhou, “seja a forma que desejem, só têm todos um ponto em comum“: de que é necessário votar no PS, para ter um governo do PS para alcançar “mais quatro anos de estabilidade política” em Portugal.

“Alguém acredita que sem o PS nós teríamos conseguido uma criação de emprego sem que o diabo tivesse assustado aqueles que investem e permitem criar mais riqueza ou mais emprego?”, questionou, depois de enumerar os feitos alcançados pelo Governo em matéria de crescimento económico e diminuição do desemprego.

E continuou: “Alguém acredita que sem o PS esta solução política tinha durado quatro anos? Ninguém acreditava que isso fosse possível”.

À chegada ao local do almoço-comício, António Costa foi recebido por um grupo de lesados do BES/Novo Banco, que se concentraram frente ao Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos num ruidoso protesto.

BE e PCP não se comprometeram com solução governativa

Também este domingo, e em entrevista à RTP, considerou que BE e PCP não se comprometeram em “assegurar condições de governabilidade” durante os próximos quatro anos e que a repetição da solução política desta legislatura dependerá de “um PS forte”.

“Tenho registado que nenhum deles se comprometeu em assegurar condições de governabilidade durante os próximos quatro anos”, afirmou o dirigente socialista, em entrevista à RTP, quando questionado sobre se a solução de um Governo do PS apoiado numa maioria parlamentar à esquerda é repetível na próxima legislatura.

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, “disse que as condições políticas atuais eram completamente diferentes de as de há quatro anos, não sei o que isso significa, mas seguramente dia 6 [de outubro] à noite ou dia 7 podemos começar a saber”, prosseguiu Costa, acrescentando que a coordenadora nacional do BE disse “coisas mais diversas”.

“Quando vejo Catarina Martins a dizer que a história desta legislatura foi um combate entre a esquerda e o PS, eu de facto tenho dificuldade” em perceber se está disponível para um novo entendimento, explicou o socialista.

Costa afirmou que foi “o primeiro a dizer que” a apelidada geringonça funcionava e que “funcionará, se for o caso”, na próxima legislatura se houver “um PS forte”.

O também primeiro-ministro referiu que “as pessoas têm de ter noção” que aquele entendimento político “resultou de várias vontades, mas também de vários equilíbrios” e quem “assegurou esses equilíbrios foi seguramente” o Partido Socialista.

A “insinuação lamentável de Rio”

O caso de Tancos, cuja acusação foi conhecida na passada semana, voltou a ser tema nesta oitavo dia de campanha. Na mesma entrevista, António Costa lembrou que “há muitos meses que disse que nada sabia” sobre o caso de Tancos, respondendo a Rio, que acusou de ter feito “uma insinuação que é absolutamente lamentável”.

“Já há muitos meses que disse que nada sabia sobre esse caso e, em particular, sobre a forma como as armas foram recuperadas”, afirmou o dirigente socialista, acrescentando que o tinha dito “por escrito, nas respostas” que deu à comissão parlamentar de inquérito.

António Costa acrescentou que “a comissão, aliás, teve uma conclusão inequívoca em relação” ao desconhecimento “em absoluto desse processo”. “Até hoje nunca a Justiça me fez qualquer pergunta, se houvesse alguma dúvida seguramente me teriam feito qualquer pergunta”, explicou, respondendo assim às críticas de Rui Rio, que na quinta-feira disse achar “pouco crível” que Costa nada soubesse do caso.

“Rui Rio faz simplesmente uma insinuação que é absolutamente lamentável, devo dizer surpreendente, uma pessoa que julgava que seria firme nos seus princípios e que num dia diz que passa de maior inimigo público do Ministério Público para, de repente, ser o maior desconfiado quanto aquilo que é a competência própria dos tribunais para julgar”, considerou, sublinhando que “quando passar o calor da campanha eleitoral” e Rui Rio “cair em si, ele próprio concluirá que, ao longo desta semana, não tem agido à altura daquilo que nos habituámos”, lamentou.

“Percebo que se possa estar nervoso quando as campanhas não correm bem, mas aquilo que define um político é a capacidade de manter a cabeça fria e nervos de aço nos momentos mais difíceis”, sublinhou.

Questionado também sobre se mantém a confiança no ex-ministro da Defesa Nacional Azeredo Lopes, – um dos 23 acusados pelo Ministério Público no processo de Tancos -, o socialista afirmou que “há uma acusação que põe em causa aquilo que [Azeredo Lopes] disse, é o momento de ele poder exercer o seu direito de defesa” e “depois o juiz de instrução primeiro, o tribunal, se for o caso, apreciará essa matéria”.

António Costa vincou ainda que não vive “nesse mundo das teorias da conspiração”, onde Rio “vê conspirações nas sondagens, vê conspirações no Ministério Público, vê conspirações nos tribunais”.

ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …