Portugal tem de seguir com “cautela” para evitar uma “pneumonia” económica

Tiago Petinga / Lusa

O primeiro-ministro defendeu esta quarta-feira que Portugal tem de continuar a seguir uma política económica “cautelosa” e “equilibrada” para evitar expor-se a uma gripe que evolua depois para uma pneumonia. Para António Costa, a redução da dívida é um aspeto “crucial”.

Estes avisos foram deixados pelo líder do Governo no seu discurso inicial num almoço promovido em parceria entre a Associação 25 de Abril e revista “Ânimo”, do artista plástico e antigo jornalista e assessor de imprensa do Grupo Parlamentar do PS António Colaço.

Antes destas palavras do primeiro-ministro, o presidente da Associação 25 de Abril, o coronel Vasco Lourenço tinha dito que Portugal era um “oásis” num mundo em turbulência.

O líder do executivo, porém, discordou desta imagem sobre a situação de Portugal no panorama internacional, contrapondo que o país “está melhor” do que em 2015, “mas tem ainda muito para melhorar”. “Temos de continuar a ter a cautela suficiente para que o país não se exponha a uma corrente de ar e apanhe uma gripe que se transforme numa pneumonia. É essencial manter as boas condições de investimento, mas, ao mesmo tempo, precavermo-nos contra qualquer acidente”, advertiu.

Na perspetiva do líder do executivo, Portugal tem de “manter o atual equilíbrio, repondo salários, pensões com redução da tributação sobre o trabalho, mas com contas certas”.

“Todos nos lembramos do que acontece quando não temos contas certas“, salientou ainda na mesma linha de advertências, alegando que dados como o da redução do défice contribuíram para credibilização interna e externa da atual solução governativa.

Neste ponto, o primeiro-ministro referiu que a dívida do país era de 130% do Produto Interno Bruto em 2015, perspetivando-se que atinja os 118% no final deste ano.

“A redução da dívida não é só devermos menos, porque significa também que estamos a libertar anualmente 1400 milhões de euros que estava a ser gastos em juros, reforçando o investimento em áreas como a da saúde. Reduzir o serviço da dívida é crucial – e é preciso ter condições políticas para isso”, frisou.

Para Portugal continuar a crescer, segundo o primeiro-ministro, é preciso continuar a sustentar este crescimento e enfrentamos, naturalmente, vários desafios: O Brexit, porque o Reino Unido é o nosso quarto cliente; a guerra comercial entre Estados Unidos e China pode ter um efeito que desconhecemos no comércio internacional”.

“É verdade que, desde 2015, há 341 mil novos postos de trabalho, mas ainda há milhares de portugueses que ainda não encontraram emprego, e milhares de portugueses que têm um emprego ainda em situação de precariedade e que merecem ter estabilidade. É verdade que as desigualdades têm diminuído, mas há muita pobreza. E há problemas novos que têm surgido na sociedade portuguesa, designadamente os que a habitação coloca desde logo à classe média e que importa resolver”, apontou. Em jwito de conclusão, António Costa, acrescentou: “Há ainda muito trabalho para fazer”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agora é isto ?? quando formas-te governo a informação que passas-te foi que não havia razão p/ continuar a apertar o cinto dos portugueses!! Que havia dinheiro aos chutos e pontapés… agora vens c/ o choradinho?? São todos um BANDO de MENTIROSOS, o que querem é poleiro.

RESPONDER

Portugal perde com a França e diz adeus ao Mundial de andebol

A seleção portuguesa de andebol falhou o apuramento para os quartos de final do Mundial, no Egito, ao perder por 32-23 com a França, em encontro da terceira jornada do Grupo III da Ronda Principal. Portugal, …

Garcia de Orta com taxa de ocupação de 309%. Intensivos do Hospital da Luz no limite

O Hospital Garcia de ​​​​​​​Orta, em Almada, estava, este domingo, com uma taxa de ocupação de 309% relativamente ao que previa o plano de contingência. O Hospital da Luz, em Lisboa, continua a debater-se com …

Governo manda preparar aulas à distância. Há 700 escolas para filhos de trabalhadores de serviços essenciais

O Ministério da Educação já deu instruções aos estabelecimentos de ensino para começarem a preparar as aulas à distância. Enquanto isso, há cerca de 700 escolas de acolhimento disponíveis para receber os filhos de trabalhadores …

Cientistas perceberam finalmente como é que as borboletas voam

Há muito tempo que os cientistas se questionam como é que as borboletas voam. Isto porque, em comparação com outros animais, têm asas invulgarmente curtas, largas e grandes em relação ao tamanho do seu corpo. Mas …

Se as Legislativas fossem agora, PS ganhava com 35%. Chega em terceiro

Uma sondagem da Universidade Católica para a RTP, no dia das eleições Presidenciais, mostra que, se as Legislativas fossem agora, o PS ganharia com 35% das intenções de voto. Se as eleições Legislativas tivessem sido este domingo, …

Santana Lopes deixa Aliança, partido que fundou em 2018

O fundador e ex-presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, desfiliou-se do partido que fundou em 2018, justificando que “chegou o momento” de sair, anunciou aquela força política. “A Comissão Executiva do Aliança tomou conhecimento no domingo …

Ministro da Defesa infetado. Tem sintomas ligeiros

O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, "testou positivo à covid-19", informou este domingo o Ministério da Defesa Nacional. É o oitavo membro do Governo a ficar infetado. João Gomes Cravinho está infetado com covid-19. …

Relógios inteligentes podem detetar indícios de covid-19 (antes de haver qualquer sintoma)

Os smartwatches, ou relógios inteligentes, e as pulseiras de fitness podem ser capazes de detetar uma infeção pelo vírus SARS-COV-2, antes de a doença começar a manifestar-se. Uma equipa de investigadores do Monte Sinai descobriu, recentemente, …

Os misteriosos relâmpagos azuis podem ser mais comuns do que pensávamos

Além de ser um dos fenómenos mais espetaculares, o relâmpago é também um dos mais misteriosos. Apesar de as tempestades não serem assim tão raras, os cientistas ainda não entendem completamente estas descargas elétricas geradas …

Presidenciais. Grandes vencedores e (poucos) derrotados

Num ato eleitoral marcado pela pandemia de covid-19, que chegou a trazer incerteza aos prognósticos precoces que há meses se alinhavavam, Marcelo Rebelo de Sousa, reeleito à primeira volta, é o grande vencedor da noite. …