Sindicato diz que 70% das mortes na construção ocorreram em empresas clandestinas

O Sindicato da Construção de Portugal afirmou, nesta quinta-feira, que sete em cada dez acidentes de trabalho mortais registados este ano no sector “eram evitáveis”, ocorrendo em contexto de laboração precária ou clandestina, e exigiu uma fiscalização centrada neste segmento.

Em conferência de imprensa no Porto, o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, disse que entre 1 de Janeiro e final de Julho morreram na construção civil 23 trabalhadores, 70% dos quais ao serviço do que definiu como “patrões” que “não respeitam as normas de segurança”, por oposição a “empresários” que cumprem regras.

Dezasseis desses 23 trabalhadores “morreram em circunstâncias perfeitamente evitáveis”, acrescentou e citou o caso de um trabalhador já com 69 anos, que caiu do telhado de um prédio no distrito de Vila Real, onde laborava sem linha de vida nem arnês.

Os dados apresentados por Albano Ribeiro apontam para a existência de 450 mil trabalhadores na construção civil portuguesa, dos quais só 10% ao serviço de grandes empresas e 20% de pequenas e médias empresas.

“O restante é tudo trabalho precário e clandestino, onde as mortes por negligência mais acontecem”, observou, exortando a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) a centrar a fiscalização nos agentes económicos mais atreitos ao incumprimento das normas.

Albano Ribeiro disse que o sindicato que lidera está a desenvolver ações de sensibilização para o cumprimento integral das regras de segurança, tendo contactado para já cerca de sete mil trabalhadores, “fazendo o que em muitas situações competiria à ACT”.

O dirigente sindical adiantou que “hoje mesmo” pretende apresentar à ministra do Trabalho uma proposta de constituição de uma comissão quadripartida (ACT, associações patronais, sindicato e autarquias) no contexto do combate à sinistralidade laboral.

O Sindicato da Construção de Portugal já tinha defendido, em meados de Junho, depois de uma sequência de quatro acidentes de trabalho fatais no sector, a necessidade de “uma cultura de segurança nos locais de trabalho”.

Segundo dados da ACT, nos primeiros cinco meses de 2021 registaram-se em Portugal 37 acidentes de trabalho mortais, sendo o sector da construção o mais atingido (15 casos), seguido do das indústrias transformadoras (10).

A informação reportada ao período de Janeiro a Junho deste ano indica que a queda de pessoas em altura (11) foi a principal causa dos sinistros fatais com investigação dada como fechada pela inspeção do trabalho.

Atualizando estes dados até fim de Julho, o sindicato refere que o número de acidentes de trabalho mortais na construção eleva-se já a 23, mantendo-se as quedas como a principal causa.

Na evolução dos últimos anos, verifica-se que Portugal registou 161 sinistros laborais fatais em 2018 (44 na construção), 121 em 2019 (37 na construção) e igual número em 2020 (39 na construção).

  // Lusa

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

Pessoas a explorar o mapa 3D mais detalhado do Universo com realidade virtual

Google Earth do Espaço. Já é possível navegar pelo mapa mais detalhado do Universo

Investigadores da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, lançaram este mês um software de código aberto que permite visitas virtuais ao Espaço. O Virtual Reality Universe Project (VIRUP) utiliza o maior conjunto de dados do …

Otamendi e Vertonghen disputam a bola com Lewandowski

Benfica 0-4 Bayern | Primeiro a ilusão, depois o rolo bávaro

A ilusão durou 70 minutos. Ao longo de toda a partida, o Bayern foi melhor, criou inúmeros lances de golo, viu dois anulados, acertou no ferro, Vlachodimos fez defesas importantes, mas o Benfica deu luta, …

China quer punir pais de crianças mal-educadas

O regime chinês está a analisar um projeto de lei que prevê que os pais possam ser punidos se os seus filhos exibirem um mau comportamento ou cometerem crimes. De acordo com a agência Reuters, o …

Rui Moreira com Francisco Rodrigues dos Santos e Carlos Moedas

Rui Moreira promete manter a "identidade do Porto" e concluir os projetos que a pandemia atrasou

O presidente da Câmara Municipal do Porto tomou posse, esta quarta-feira, e comprometeu-se a "tudo fazer" para manter a identidade do Porto e a concluir os projetos que a pandemia atrasou. "Quero concluir os projetos que …

Já há um medicamento para tratar a covid-19 em casa (e vários países assinaram acordos de compra)

Países asiáticos já estão na luta pelo novo comprimido antiviral, cujo uso ainda nem sequer foi autorizado, contra a covid-19. Países da região asiática estão já a fazer encomendas da mais recente arma contra a covid-19: …

A Facebook vai implementar uma nova estratégia e o nome vai ser das primeiras coisas a mudar

As últimas semanas têm sido tumultuosas para a empresa de Mark Zuckerberg, que se viu confrontada com os testemunhos de antigos trabalhadores no Senado norte-americano. As notícias da última semana que resultaram do testemunho, no Senado …

Cadetes da Escola Naval investigados por alegados comportamentos abusivos

A Marinha está a investigar uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos entre cadetes da Escola Naval. "A Marinha informa que hoje, 19 de outubro, teve conhecimento de uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos praticados entre cadetes …

Índia. "Montanha de lixo" que garante sobrevivência de pobres será substituída por estação de tratamento

As "montanhas de lixo" das cidades da Índia em breve serão substituídas por estações de tratamento de detritos. A maior de todas — equivalente a um prédio de 18 andares — garante a sobrevivência de …

Candidatura de Nuno Melo acusa direção de não facultar cadernos eleitorais e de sanear senadores

A candidatura de Nuno Melo à liderança do CDS-PP acusou, esta quarta-feira, os opositores de não facultarem os cadernos eleitorais nem possibilitarem a fiscalização da eleição de delegados ao congresso, apontando também a substituição de …

Bolsonaro acusado de nove crimes pela comissão de inquérito sobre gestão da pandemia

O relatório apresentado, esta quarta-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado brasileiro pede o indiciamento do Presidente por nove crimes durante a pandemia de covid-19. No texto, com mais de 1200 páginas, pede-se que …