Coletes amarelos estão a aumentar por causa das fake news

Vídeos, imagens e notícias falsas têm-se disseminado mais entre “coletes amarelos” do que a informação produzida por meios franceses legítimos e isso permite ao movimento crescer em França.

Sophia Pedder, correspondente de economia e política para a revista The Economist em Paris, e Simon Kuper, jornalista do jornal Financial Times, radicado há vários anos na capital francesa, estiveram esta segunda-feira a debater o tema “Informações e fim da verdade: o que fazer face à crise de qualidade dos meios de comunicação de qualidade” a convite da delegação da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris.

“Não digo que isto seja a única razão pela qual os coletes amarelos protestam. Eles têm razões muito válidas para se manifestar e as questões que levantam são verdadeiramente pertinentes, mas as informações falsas são um fator amplificador e que justifica este fenómeno”, explicou Sophia Pedder.

Desde “exploração francesa de países africanos através da utilização do franco” até “fotografias de um manifestante ensanguentado que são, afinal, de um protesto em Madrid“, a jornalista explicou que não sendo a primeira vez que o jornalismo lida com “propaganda” errónea, o que é inovador é a velocidade com que estas informações de propagam e quantidade de pessoas a que chegam.

A jornalista também indicou que vídeos disseminados pela Russia Today (RT) e Sputnik, meios russos presentes em França, tiveram mais visualizações do que vídeos produzidos pelos meios de comunicação franceses como o Le Monde ou o Le Figaro. Para Simon Kuper, as pessoas nunca estiveram interessadas na verdade, mas no entretenimento.

“As pessoas nunca quiseram saber a verdade. Porque havíamos de dar prioridade à verdade? A maior parte das pessoas quer ser entretida e tomar um partido. O que mudou é que há muito mais informações falsas hoje em dia. Muitos americanos acreditam que o 11 de setembro foi organizado pelo Governo, mas em 2001 não tinham como propagar essas histórias”, justificou o jornalista.

Outro problema que tem contribuído para a propagação destas notícias falsas, segundo Sophia Pedder, é o declínio do jornalismo local. “As grandes histórias do jornalismo eram contar o que realmente se passava e isso era muito bem feito pelo jornalismo local. Mas esse jornalismo tem vindo a desaparecer no Reino Unido, nos EUA e agora o jornalismo é muito mais centrado nas capitais”, indicou a jornalista.

Apesar de concordar que o jornalismo se faz nas capitais e que muitos jornalistas “querem ser estrelas e dar-se só com políticos e pessoas famosas” contando histórias dos corredores do poder, Simon Kuper considera que o jornalismo continua a ser mais credível do que a informação partilhada nas redes sociais.

“O jornalismo comete erros, mas temos procedimentos para verificar os nossos factos e, se mentirmos, vamos ser despedidos. Os jornalistas são castigados pelos seus erros e isso não acontece a quem escreve mentiras no Facebook. As pessoas não se apercebem de todas as verificações que existem no jornalismo”, indicou o jornalista.

Quanto a possíveis soluções, Sophia Pedder diz que não há uma lista a seguir. “Não temos as respostas numa lista, vamos tentando remediar as situações. A literacia dos media é interessante e é algo que os franceses estão a fazer, mas é algo geracional, portanto vai levar algum tempo. A verificação de factos também ajuda”, apontou a correspondente.

A conferência foi organizada e moderada por Ricardo Soares de Oliveira, professor na Universidade de Oxford.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Médicos alertam que Navalny pode sofrer paragem cardíaca "a qualquer momento"

Alexei Navalny está cada vez mais em risco de insuficiência renal. Médicos próximos do opositor russo alertam que pode sofrer uma paragem cardíaca "a qualquer momento". Médicos próximos do opositor russo Alexei Navalny, detido e em …

Perto de sequenciar 1 milhão de genomas, cientistas querem desvendar segredos genéticos

O projeto All of Us está a recolher informações genéticas, registos médicos e hábitos de saúde de mais de um milhão de pessoas. Os dados podem ser usados para desvendar segredos genéticos. O primeiro esboço do …

"Besta dos cinco dentes". Descoberta nova espécie de mamífero na Patagónia

Paleontólogos descobriram uma nova espécie de mamífero, com dentes peculiares, que viveu na Patagónia durante o período Cretáceo. De acordo com a agência Europa Press, os fósseis foram encontrados em Cerro Guido, na província chilena de …

Com os zoos fechados, tudo serve para entreter uma família de lontras. Até um simples galho de bambu

O confinamento serviu como um lembrete indesejado de que ficar preso dentro de casa sem muito o que fazer pode ser desgastante. O mesmo é verdade para os animais, por isso os jardins zoológicos tiveram …

Uma ilha, cinco géneros. Os Bugis têm palavras para as "cinco maneiras de estar no mundo"

Uma ilha, cinco géneros. O povo Bugis é um poderoso grupo étnico que se destaca pelo reconhecimento de cinco géneros distintos. Na Indonésia, a ilha Sulawesi é a casa de um povo que reconhece cinco …

O "aeroporto do amanhã" está abandonado no meio de um pântano dos Estados Unidos

Era para ser o "aeroporto do amanhã", um centro intercontinental para aviões supersónicos com seis pistas e conexões ferroviárias de alta velocidade para as cidades vizinhas. Hoje, é pouco mais do que uma pista no …

Facebook remove (acidentalmente) página oficial de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa

O Facebook apagou a página de Ville de Bitche, uma remota cidade francesa. O município passou um mês a apelar à rede social para repor a página. "Recebemos uma mensagem no Facebook e também percebemos que …

NASA escolheu SpaceX de Elon Musk para a próxima missão tripulada à Lua

Elon Musk fecha contrato de 2,9 mil milhões de dólares para levar o Homem novamente à Lua. O contrato é a mais importante vitória da SpaceX e reforça a posição da empresa como parceira …

Benfica 1-2 Gil Vicente | Galo canta e silencia águia na Luz

STOP. O Gil Vicente visitou na tarde deste sábado o Benfica e saiu do palco da Luz com os três pontos na bagagem e a “cantar de galo”, ao vencer por 2-1, num duelo relativo …

"Longa vida à monarquia." Realeza britânica tende a viver mais três décadas do que a população geral

As diferenças na longevidade de alguns membros da família real em comparação com a população em geral são extremamente grandes, mas não incomuns. O príncipe Filipe, marido da rainha Isabel II e o consorte mais antigo …