Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Oli Scarff / EPA

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise.

A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo o mundo. Grandes eventos foram cancelados ou adiados, e a segurança financeira de muitos atletas e equipas permanece sombria.

No futebol, por exemplo, há temores de que mesmo os principais clubes da Europa possam perder 4 mil milhões de euros nos próximos dois anos. Enquanto isso, os clubes de ligas inferiores estão a enfrentar uma ameaça existencial.

As perspetivas permanecem preocupantemente incertas. Quando é que os adeptos vão regressar às bancadas e encher os estádios novamente? Até que ponto o investimento vital de empresas de media e patrocinadores corporativos – eles próprios a enfrentar perdas relacionadas com a pandemia – será reduzido?

Para começar, os clubes estarão concentrados em administrar as preocupações financeiras a curto prazo, talvez visando reduzir gastos com transferências de jogadores e salários. Mas também há uma necessidade urgente de pensar sobre as implicações a longo prazo para a sobrevivência económica.

Um novo estudo publicado recentemente na revista científica Sport, Business and Management indica que uma estratégia que os clubes de futebol devem considerar é a diversificação.

A ideia por trás da diversificação é simples. Em vez de colocar todos os ovos na mesma cesta, distribui-se o risco entre diferentes setores económicos.

Atualmente, o destino da maioria dos clubes de futebol depende quase inteiramente do seu desempenho desportivo. Se a equipa maioritariamente ganha, a situação financeira melhora, e se ela maioritariamente perde, a situação piora. Jogos podem ser economicamente devastadores se significarem perder a qualificação para um torneio lucrativo ou despromoção para uma divisão inferior.

A diversificação de risco pode pelo menos mitigar esses efeitos às vezes dramáticos expandindo para novos produtos ou regiões geográficas.

Alguns clubes já começaram a explorar esta estratégia. O Arsenal e o Barcelona criaram “centros de inovação”, que colaboram com startups de tecnologia, por exemplo, para explorar novas experiências digitais para os adeptos usando Inteligência Artificial e Realidade Aumentada.

Outros diversificaram criando um portfólio em diferentes desportos. O Fenway Sports Group, por exemplo, proprietário do Liverpool e da equipa de basebol Boston Red Sox, também está envolvido em golfe e desportos motorizados. Rumores recentes sugerem que a Fenway pode aumentar ainda mais as suas atividades de diversificação.

Também houve amplo investimento em equipas de eSports, que devem transformar-se num mercado de 1,5 mil milhões de dólares até 2023. Numa frente mais tradicional, alguns clubes, incluindo Bolton Wanderers e Chelsea, investiram em ativos físicos como propriedade de hotéis.

Então, como é que todas estas atividades de diversificação contribuem para o desempenho financeiro de um clube? Para descobrir, os investigadores analisaram um conjunto de dados de 15 anos da Premier League e descobriram que a mudança para áreas de negócios relacionadas melhora as receitas e a lucratividade.

Um excelente exemplo é o Manchester United. De 2007 a 2013, o clube esteve no auge desportivo, vencendo cinco dos sete possíveis campeonatos da Premier League e um título da Liga dos Campeões. Com o sucesso em campo, houve um aumento na receita de cerca de 110 milhões de euros no mesmo período.

Após Alex Ferguson ter deixado o cargo de treinador em 2013, o desempenho da equipa deteriorou-se significativamente. No entanto, as receitas continuaram a aumentar e são hoje quase 70% maiores do que quando Ferguson saiu. O interesse pelo clube e pelos seus produtos não diminuiu, apesar dos resultados dececionantes em campo.

Visto que o conjunto de dados dos investigadores termina antes do surto de covid-19, devemos observar que a pandemia pode ter alterado os efeitos da diversificação. Um clube que investe em serviços de viagens pode ter sofrido financeiramente, enquanto um que investe em eSports pode ter-se saído bem.

No geral, porém, as evidências mostram que a diversificação bem planeada e bem executada pode ser um mecanismo de seguro eficaz e pode ajudar a garantir a sobrevivência dos clubes em crises económicas futuras. Infelizmente, não existe uma regra de ouro que funcione para todas as equipas.

PARTILHAR

RESPONDER

Espanha, França e Bélgica com descida de casos. Itália limita Natal e Madrid cancela festas de Ano Novo

Madrid, assim como Paris e Bruxelas, têm boas notícias - mas não o suficiente para suavizar medidas. Já em Itália há restrições adicionais e a cidade de Londres também considera também passar ao nível três, …

UE dá exemplo de Portugal para defender salário mínimo europeu

O comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, diz esperar um acordo ou pelo menos "bastante progresso" sobre a proposta comunitária para garantir salários mínimos adequados em todos os Estados-membros da União Europeia (UE) e dá …

Na primeira fase, será possível administrar 400 mil doses de vacinas “numa semana a dez dias”. Segunda ronda pode ser crítica

Os especialistas já fazem previsões. Se por um lado a primeira fase da vacinação contra a covid-19 se adivinha rápida, a segunda será poderá ser muito complicada. Os representantes dos profissionais dos centros de saúde - …

Bruxelas conclui que Zona Franca da Madeira violou regras e quer devolução das "ajudas indevidas"

A Comissão Europeia (CE) conclui que o regime da Zona Franca da Madeira (ZFM) desrespeitou as regras de ajudas estatais, pois abrangeu empresas que não contribuíram para o desenvolvimento da região, pelo que Portugal deve …

Chuva de críticas ao plano nacional de vacinação: "É vasto em imprecisões e impreparações"

Francisco Rodrigues dos Santos considerou que "faltou planeamento" no plano de vacinação português e observou que "basta comparar" com aqueles anunciados "na Alemanha, no Reino Unido ou em Espanha para perceber que há diferenças abismais". O …

O corpo ideal? O mistério das enigmáticas figuras pré-históricas de Vénus pode ter sido resolvido

Um dos primeiros exemplos mundiais de arte, as enigmáticas estatuetas de "Vénus" esculpidas há cerca de 30 mil anos, intrigaram os cientistas durante quase dois séculos. Agora, o mistério das estranhas figuras pode ter sido …

Nova geringonça à vista? Rui Rio mostra-se disposto a governar mesmo sem vencer eleições

São muitos os sinais que tem dado. Rui Rio está disponível para liderar uma futura maioria de direita se esta vier a surgir no quadro de futuras eleições legislativas - mesmo que o PSD seja …

Cientistas encontram nova criatura gelatinosa no fundo do mar (mas podem nunca mais voltar a vê-la)

Uma equipa de investigadores da Administração Nacional de Pesca Oceânica e Atmosférica (NOAA) revelou que descobriu Duobrachium sparksae, uma nova espécie de ctenóforo - ou águas-vivas-de-pente. A descoberta foi feita remotamente usando imagens de vídeo de …

Costa anuncia hoje medidas que vão vigorar nos períodos de Natal e de passagem de ano

O primeiro-ministro anuncia hoje as medidas de combate à covid-19 enquadradas pelo decreto presidencial de estado de emergência, que indicativamente vigorará até 7 de janeiro, incluindo os períodos de Natal e de passagem de ano. Na …

Especialistas explicam de que forma o novo coronavírus pode afetar o cérebro

Através do uso de amostras de tecido de pacientes que já morreram, uma equipa de investigadores conseguiu desvendar os mecanismos pelos quais o coronavírus é capaz de chegar ao cérebro de pacientes com covid-19 e …