Cientistas britânicos estão perto de gerar um embrião humano a partir de células estaminais

Um grupo de cientistas do Reino Unido criou, pela primeira vez, uma estrutura em laboratório que se assemelha com um embrião de um camundongo, sem usar óvulos ou espermatozoides.

Os embriões foram criados utilizando células estaminais embrionárias que, no início do desenvolvimento, podem dar origem a qualquer tipo de células e, consequentemente, a qualquer órgão.

Segundo o estudo publicado na Nature, apesar de o embrião artificial se assemelhar a um embrião real, dificilmente se desenvolveria num feto saudável de cobaia.

No entanto, esta experiência pode permitir descobrir a origem de várias doenças que surgem nas fases iniciais do desenvolvimento de um embrião, o que pode ajudar a evitar abortos espontâneos nessa etapa da gravidez.

As tentativas anteriores do uso de células estaminais para a criação de embriões em laboratório mostraram avanços limitados, porque o desenvolvimento inicial do embrião requer diferentes tipos de células, que se coordenam mutuamente.

Mas, no novo estudo, os cientistas combinaram células estaminais embrionárias com as do trofoblasto numa cultura celular 3D, conhecida como matriz extracelular.

“As células embrionárias e aquelas que formam a estrutura onde o embrião se desenvolve começam a falar entre si, de modo a organizar uma estrutura que se comporta como um embrião”, explicou a principal autora do estudo, Magdalena Zernicka-Goetz, da Universidade de Cambridge.

Universidade de Cambridge

O desenvolvimento do embrião normal (em cima) e do embrião artificial (em baixo)

O desenvolvimento do embrião normal (em cima) e do embrião artificial (em baixo)

Os especialistas estão confiantes que esta experiência irá abrir caminho para trabalhos similares com células humanas, ajudando os cientistas a superar uma grande barreira na investigação com embriões humanos: a falta deles.

Atualmente, os embriões humanos usados em investigações provêm de ovos excedentes doados por clínicas de fertilidade, mas Magdalena Zernicka-Goetz diz que no futuro poderá ser possível usar as células estaminais para criar embriões humanos artificiais que possam ser utilizados em investigações.

“Isso irá permitir estudar eventos importantes desse estágio crítico do desenvolvimento humano sem ter que trabalhar com embriões reais”, destacou a cientista.

O Reino Unido lidera actualmente as pesquisas mundiais em fertilidade, e recentemente o Instituto Francis Crick teve autorização para modificar geneticamente embriões humanos – a primeira vez no mundo que esse polémico procedimento é aprovado por uma entidade reguladora.

Nos últimos meses, a pesquisa com células estaminais tem permitido avanços significativos em várias áreas da medicina. Em janeiro deste ano, cientistas encontraram um “atalho” para curar a cegueira com células-tronco e criaram o primeiro híbrido de humano e porco.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Fez a Amadora e uma parte de Luanda". Amigo de Salgado nega "qualquer perdão de dívida" do Montepio

O construtor civil José Guilherme, que está no centro das investigações ao Banco Montepio, assegura que não recebeu qualquer empréstimo sem garantias, nem "qualquer perdão da dívida", garantindo ainda que sempre cumpriu todas as suas …

Entre Rui Rio e Luís Montenegro, há quem vote no regresso de Passos Coelho

O presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro voltam hoje a disputar eleições directas, numa inédita segunda volta em que podem votar 40.604 militantes com as quotas em dia. Nos …

Vírus detetado na China pode já ter infetado mais de mil pessoas

O número de pessoas infetadas com um vírus que matou duas pessoas na China ultrapassa provavelmente o milhar de casos e é muito superior àquele avançado pelas autoridades locais, segundo investigadores britânicos. Num artigo publicado, esta …

Joacine Katar Moreira não vai renunciar ao cargo de deputada

O IX Congresso para eleger os novos órgãos do Livre começa, este sábado, em Lisboa. A única deputada do partido na Assembleia da República já disse que não vai renunciar ao cargo. À chegada ao IX …

Cabeceamentos no futebol podem ser proibidos ou limitados. O problema é o risco de demência

A Federação escocesa de futebol prepara-se para proibir os cabeceamentos nos escalões com menores de 12 anos.  Em Inglaterra, fala-se em limitar este gesto futebolístico que foi associado a doenças neuro-degenerativas em vários estudos científicos. …

Fenómeno cerebral desvenda enigma sobre as casas do Neolítico

O comportamento humano está influenciado por aspetos inconscientes. Um deles é um fenómeno da perceção conhecido entre psicólogos como a negligência espacial cerebral. Este fenómeno refere-se à observação de que as pessoas saudáveis preferem o seu …

Justiça do Mónaco investiga José Eduardo dos Santos e Isabel dos Santos

As autoridades do Mónaco estarão a investigar a empresária angolana, assim como o seu pai e o seu marido, pelo crime de branqueamento de capitais. De acordo com o semanário Expresso, as autoridades judiciais do Mónaco …

Depressão Glória atinge Portugal continental com vento forte

A depressão Glória está a caminho. Segundo o Instituto Português do Mar e Atmosfera, no domingo, esperam-se rajadas de vento que podem atingir os 110 quilómetros por hora nas terras altas. A depressão Glória vai passar …

Governo não renova PPP do Hospital de Loures

O Estado não vai renovar a atual parceria público-privada (PPP) do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, que é gerido pelo grupo Luz Saúde, anunciou a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo …

Cientistas podem ter descoberto por que Beethoven ficou surdo

Ludwig van Beethoven começou a notar dificuldades de audição em 1798, com 28 anos. Com 44 ou 45, estava totalmente surdo. Aos 56 anos, o músico morreu e, até hoje, ainda não se sabe …