A pausa no aquecimento global é ilusória (e os cientistas explicam porquê)

Um grupo de investigadores de diversos países concluiu que as alegações de uma suposta pausa no aquecimento global, cujos defensores indicam ter acontecido entre entre 2008 e 2010, “são e sempre foram enganadoras”.

De acordo com o Mashable, o grupo de cientistas publicou, na passada terça-feira, dois artigos [ 1 | 2 ] na revista Environmental Research Letters, nos quais concluíram, que não há evidências que comprovem a desaceleração do aquecimento global.

“Descobrimos que nunca houve qualquer evidência estatística disso”, disse ao Mashable Stefan Rahmstorf, chefe do departamento de Análise do Sistema Terrestre no Instituto de Potsdam de Pesquisa do Impacto Climático (PIK), um dos autores da pesquisa.

A verdade é que o planeta foi aquecendo gradualmente ao longo do último século, tendo o aquecimento passado a um ritmo mais acelerado por volta de 1980. Os defensores do hiato afirmam que este ocorreu depois de 1998, persistindo por mais de uma década.

No entanto, segundo os investigadores, o que realmente aconteceu foi que, nesse ano, a tendência de aquecimento da Terra foi fortemente impulsionada pelo El Niño, um evento climático no qual as temperaturas superficiais mais quentes do oceano podem ampliar as temperaturas globais (facto que se verificou novamente em 2016).

NASA GISS

Tendência das alterações de temperatura

Como indicam os estudos recentemente publicados, muitos dos anos da década posterior a 1998 – na qual supostamente foi verificado o hiato em causa -, não tiveram temperaturas tão elevadas como as registadas nesse ano, fazendo com que a taxa de aquecimento não tenha aumentado tanto quanto os modelos climáticos haviam previsto.

Para Stephan Lewandowsky, da Universidade de Bristol (Reino Unido), um dos responsáveis pelas pesquisas, caso se analise somente o ano de 1998 e a década seguinte, pode-se ficar convencido que a tendência do aquecimento global havia parado, residindo aí o problema.

A questão é que essa conclusão é um “erro estatístico”, que “ignora a maior tendência de aquecimento”. “Todo cientista sabe que não se pode analisar o clima baseando-se em apenas alguns anos de dados”, disse Naomi Oreskes, professora de História da Ciência na Universidade de Harvard (Estados Unidos) e uma das autoras do estudo.

Embora a taxa de aquecimento entre 1998 e 2010 tenha flutuado mais lentamente do que alguns modelos científicos previam, essas variações de subida e descida são normais na tendência geral, de longo prazo, que, para os cientistas, é a que realmente importa.

Environmental Research Letters / J S Risbey et al

A linha descontínua mostra as taxas médias globais de uma aumento normal da temperatura, face ao aquecimento global. A linha azul mostra os períodos mais lentos e a vermelha os mais rápidos

As conclusões destas duas investigações têm sido defendidas dentro da comunidade académica por diversos especialistas. É o caso de John Fasullo, que estuda a variabilidade climática no Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR). “O estudo questiona se o período recente foi estatisticamente incomum” e a resposta é “não”, declarou, acrescentando terem existido “outros períodos que se comportaram da mesma forma”.

A tendência continuada de aquecimento de longo prazo é cada vez mais clara, constataram os investigadores, visto que 17 dos 18 anos mais quentes já registados ocorreram desde 2001.

Em novembro, o Programa Ambiental da ONU já tinha alertado que os países estão a emitir cada vez mais gases com efeito de estufa, conseguindo, como consequência, estar ainda mais longe do objetivo de travar o aquecimento global.

O investigador Stephan Lewandowsky reitera: “se olharmos para a questão a partir da perspetiva de hoje, usando o melhor conhecimento disponível, não há evidências de uma pausa no aquecimento“.

O artigo do Mashable indica ainda que, talvez, a melhor evidência contra a suposta pausa do aquecimento global esteja nos oceanos – um lugar imune à variabilidade do clima atmosférico -, que absorvem a maior parte do calor acumulado na Terra. A expansão desse calor, combinada com a fusão das grandes camadas de gelo do planeta, resulta numa elevação consistente do nível do mar.

Apesar de os dados indicarem que o hiato não existiu, Naomi Oreskes acredita que os defensores do hiato não deixarão de argumentar. “Eles não deixam os factos entrarem no caminho do argumento”, continuou a professora, que leu mais de 200 estudos científicos onde a pausa no aquecimento global foi citada ou analisada.

TP , ZAP // Mashable

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Os dados do IPCC são adulterados procurem por climategate. Há registos das temperaturas que estão a ser adulterados para parecer que a temperatura esta a subir. Em Portugal podem consultar que a temperatura mais alta registada foi em 1912, e nos estados unidos foi em 1936. É um grande negócio as taxas de carbono nomeadamente sobre-taxas sobre combustíveis

  2. Aquecimento global não existe. O que pode acontecer e os estudos apontam (temperatura média dos oceanos) é um resfriamento global. O gás da vida é o gás carbônico, pois seres humanos não são seres autótrofos e é justamente com o gás carbônico é que as plantas produzem os nossos alimentos. Parece que ninguém percebe as estratégias de dominação Mundial estabelecidas pela ONU e instituições globalistas. A estratégia principal é de diminuição da população mundial para ficar mais fácil o controle social. Por exemplo: agendas como aborto, gayzismo, feminismo, aquecimento global listado no intem 8. Portanto, essas são algumas das principais pautas para diminuir a população e consequentemente se tornar mais fácil a sua dominação pelos poderosos globalistas. Por fim, pessoas que acreditam no aquecimento global não pararam para pensar no quão insignificante os seres humanos são perante o planeta Terra. Toda população mundial ficaria confortavelmente no espaço comparável ao menor estado do Brasil, ou seja toda população mundial cabe no menor estado brasileiro. No fundo é muita arrogância pensar que nós seres humanos temos influência planeta. Quem manda no clima é o sol e os oceanos.

  3. Por nim está ótimo, adoro calor. Só detesto que me obriguem a pagar taxas de caborno. Quando descobrirem que exalamos CO2 também vamos pagar para respirar?

RESPONDER

Fim das taxas moderadoras custa mais de cem milhões de euros por ano

O diploma aprovado, na última semana, no Parlamento para acabar com a maioria das taxas moderadoras vai custar ao Estado mais de cem milhões de euros por ano. O projeto de lei do Bloco do Esquerda …

Tancos. Detetada discrepância na listagem de lança-granadas

O CDS alega diferenças entre as listas comunicadas pelo Exército e entregues pela Polícia Judiciária Militar ao Ministério Público e quer alterar relatório final sobre Tancos. O CDS alegou existir uma diferença de 80 lança-granadas …

Rio defende inocência de Álvaro Amaro e critica julgamentos na praça pública

O presidente do PSD defendeu esta segunda-feira, em Viana do Castelo, o respeito pelo princípio de presunção de inocência para todos os portugueses e criticou julgamentos "na praça pública", referindo-se ao processo que envolve o …

Campanha para ajudar Miguel Duarte já angariou mais de 30 mil euros

A campanha de crowdfunding para ajudar Miguel Duarte, acusado pela justiça italiana de auxílio à imigração ilegal, já angariou quase 30 mil euros. Para surpresa de Miguel Duarte, o objetivo inicial da campanha de crowdfunding lançada no …

Misteriosas ilhas artificiais na Escócia são mais antigas que Stonehenge

Arqueólogos da Universidade de Southampton, que trabalharam com colegas da Universidade de Reading e com o arqueólogo local Chris Murray, descobriram que alguns "crannogs" escoceses datam do período neolítico - muito mais antigos do que …

Greves da Soflusa e Transtejo desconvocadas

A secretária-geral e responsável pela comunicação da Soflusa, Margarida Perdigão, confirmou esta segunda-feira que as greves da empresa de transportes foram desconvocadas. As greves tinham início marcado para terça-feira. Os sindicatos assinaram um protocolo que vai …

ONG pede investigação sobre a morte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi

A organização não-governamental Human Rights Watch pediu uma investigação sobre o acesso à assistência médica e aos alegados maus tratos sofridos ao longo dos anos por parte do ex-presidente do Egito Mohamed Morsi, que morreu …

Os golfinhos formam amizades porque partilham os mesmos interesses

No que diz respeito a criar laços de amizade, parece que os golfinhos são mais parecidos connosco do que imaginávamos. O comportamento homófilo desempenha um papel central na formação das amizades humanas, uma vez que os …

Neozelandês que partilhou vídeo do massacre de Christchurch condenado a 21 anos de prisão

Um neozelandês foi esta terça-feira condenado a 21 meses de prisão por ter partilhado o vídeo que o alegado autor do ataque em março contra duas mesquitas de Christchurch, que fez 51 mortos, transmitiu em …

Michel Platini detido por suspeitas de corrupção

Michel Platini foi detido, esta terça-feira, em Nanterre, nos subúrbios de Paris, pela polícia judiciária durante investigação sobre alegada corrupção na organização do Campeonato do Mundo de 2022, no Qatar. De acordo com a Mediapro, o …