A pausa no aquecimento global é ilusória (e os cientistas explicam porquê)

Um grupo de investigadores de diversos países concluiu que as alegações de uma suposta pausa no aquecimento global, cujos defensores indicam ter acontecido entre entre 2008 e 2010, “são e sempre foram enganadoras”.

De acordo com o Mashable, o grupo de cientistas publicou, na passada terça-feira, dois artigos [ 1 | 2 ] na revista Environmental Research Letters, nos quais concluíram, que não há evidências que comprovem a desaceleração do aquecimento global.

“Descobrimos que nunca houve qualquer evidência estatística disso”, disse ao Mashable Stefan Rahmstorf, chefe do departamento de Análise do Sistema Terrestre no Instituto de Potsdam de Pesquisa do Impacto Climático (PIK), um dos autores da pesquisa.

A verdade é que o planeta foi aquecendo gradualmente ao longo do último século, tendo o aquecimento passado a um ritmo mais acelerado por volta de 1980. Os defensores do hiato afirmam que este ocorreu depois de 1998, persistindo por mais de uma década.

No entanto, segundo os investigadores, o que realmente aconteceu foi que, nesse ano, a tendência de aquecimento da Terra foi fortemente impulsionada pelo El Niño, um evento climático no qual as temperaturas superficiais mais quentes do oceano podem ampliar as temperaturas globais (facto que se verificou novamente em 2016).

NASA GISS

Tendência das alterações de temperatura

Como indicam os estudos recentemente publicados, muitos dos anos da década posterior a 1998 – na qual supostamente foi verificado o hiato em causa -, não tiveram temperaturas tão elevadas como as registadas nesse ano, fazendo com que a taxa de aquecimento não tenha aumentado tanto quanto os modelos climáticos haviam previsto.

Para Stephan Lewandowsky, da Universidade de Bristol (Reino Unido), um dos responsáveis pelas pesquisas, caso se analise somente o ano de 1998 e a década seguinte, pode-se ficar convencido que a tendência do aquecimento global havia parado, residindo aí o problema.

A questão é que essa conclusão é um “erro estatístico”, que “ignora a maior tendência de aquecimento”. “Todo cientista sabe que não se pode analisar o clima baseando-se em apenas alguns anos de dados”, disse Naomi Oreskes, professora de História da Ciência na Universidade de Harvard (Estados Unidos) e uma das autoras do estudo.

Embora a taxa de aquecimento entre 1998 e 2010 tenha flutuado mais lentamente do que alguns modelos científicos previam, essas variações de subida e descida são normais na tendência geral, de longo prazo, que, para os cientistas, é a que realmente importa.

Environmental Research Letters / J S Risbey et al

A linha descontínua mostra as taxas médias globais de uma aumento normal da temperatura, face ao aquecimento global. A linha azul mostra os períodos mais lentos e a vermelha os mais rápidos

As conclusões destas duas investigações têm sido defendidas dentro da comunidade académica por diversos especialistas. É o caso de John Fasullo, que estuda a variabilidade climática no Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR). “O estudo questiona se o período recente foi estatisticamente incomum” e a resposta é “não”, declarou, acrescentando terem existido “outros períodos que se comportaram da mesma forma”.

A tendência continuada de aquecimento de longo prazo é cada vez mais clara, constataram os investigadores, visto que 17 dos 18 anos mais quentes já registados ocorreram desde 2001.

Em novembro, o Programa Ambiental da ONU já tinha alertado que os países estão a emitir cada vez mais gases com efeito de estufa, conseguindo, como consequência, estar ainda mais longe do objetivo de travar o aquecimento global.

O investigador Stephan Lewandowsky reitera: “se olharmos para a questão a partir da perspetiva de hoje, usando o melhor conhecimento disponível, não há evidências de uma pausa no aquecimento“.

O artigo do Mashable indica ainda que, talvez, a melhor evidência contra a suposta pausa do aquecimento global esteja nos oceanos – um lugar imune à variabilidade do clima atmosférico -, que absorvem a maior parte do calor acumulado na Terra. A expansão desse calor, combinada com a fusão das grandes camadas de gelo do planeta, resulta numa elevação consistente do nível do mar.

Apesar de os dados indicarem que o hiato não existiu, Naomi Oreskes acredita que os defensores do hiato não deixarão de argumentar. “Eles não deixam os factos entrarem no caminho do argumento”, continuou a professora, que leu mais de 200 estudos científicos onde a pausa no aquecimento global foi citada ou analisada.

TP , ZAP // Mashable

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Os dados do IPCC são adulterados procurem por climategate. Há registos das temperaturas que estão a ser adulterados para parecer que a temperatura esta a subir. Em Portugal podem consultar que a temperatura mais alta registada foi em 1912, e nos estados unidos foi em 1936. É um grande negócio as taxas de carbono nomeadamente sobre-taxas sobre combustíveis

  2. Aquecimento global não existe. O que pode acontecer e os estudos apontam (temperatura média dos oceanos) é um resfriamento global. O gás da vida é o gás carbônico, pois seres humanos não são seres autótrofos e é justamente com o gás carbônico é que as plantas produzem os nossos alimentos. Parece que ninguém percebe as estratégias de dominação Mundial estabelecidas pela ONU e instituições globalistas. A estratégia principal é de diminuição da população mundial para ficar mais fácil o controle social. Por exemplo: agendas como aborto, gayzismo, feminismo, aquecimento global listado no intem 8. Portanto, essas são algumas das principais pautas para diminuir a população e consequentemente se tornar mais fácil a sua dominação pelos poderosos globalistas. Por fim, pessoas que acreditam no aquecimento global não pararam para pensar no quão insignificante os seres humanos são perante o planeta Terra. Toda população mundial ficaria confortavelmente no espaço comparável ao menor estado do Brasil, ou seja toda população mundial cabe no menor estado brasileiro. No fundo é muita arrogância pensar que nós seres humanos temos influência planeta. Quem manda no clima é o sol e os oceanos.

  3. Por nim está ótimo, adoro calor. Só detesto que me obriguem a pagar taxas de caborno. Quando descobrirem que exalamos CO2 também vamos pagar para respirar?

Costa quer fazer da Saúde a jóia da coroa da legislatura (e Centeno pode desempenhar funções importantes)

O programa eleitoral do PS foi este sábado aprovado, por unanimidade, no final da Convenção Nacional do partido, que decorreu em Lisboa. O programa eleitoral do PS para as legislativas de 06 de outubro foi apresentado …

Fogos na Sertã dominados. Chamas ainda descontroladas em Vila de Rei e Mação

O Comandante do Agrupamento Centro Sul da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Belo Costa, disse esta manhã de domingo, que as Forças Armadas estão no terreno com máquinas de rastos, bem como a …

Cemitérios verdes. Especialista britânico sugere enterrar mortos à beira da estrada

O especialista britânico sugere que se use os espaços ao lado das estradas, ferrovias e passeios como "corredores funerários" amigos do ambiente. Uma vez que a ciência ainda não encontrou forma de nos tornar imortais, encontrar …

Consumo de proteínas e laticínios pode ajudar a reduzir risco de diabetes

Cientistas associaram um maior consumo de proteínas e laticínios a um menor risco de diabetes. Em contrapartida, alimentos ricos em calorias foram ligados a um maior risco de diabetes. A diabetes é um problema de saúde …

Médicos alertam: técnica de tapar a boca com fita-cola para dormir melhor é perigosa

Chama-se "buteyko" e consiste em encontrar formas de respirar melhor pelo nariz, entre as quais fechar a boca enquanto dormimos. A tendência está a gerar um debate entre os médicos, que consideram esta técnica perigosa. Foi …

Incentivos financeiros ajudam pessoas a deixar de fumar

Fumar mata um em cada dois fumadores ávidos, mas desistir leva a grandes melhorias na saúde, aumento da esperança de vida e poupança de custos com cuidados de saúde. Pagar às pessoas para pararem de …

Há uma coisa simples que podemos fazer para combater as alterações climáticas: falar sobre o problema

A preocupação com as alterações climáticas pode ser muitas vezes um fardo solitário, mas a verdade é que não precisa de ser assim. De acordo com um novo estudo, simplesmente falar sobre o assunto com …

Em busca das duas princesas alemãs. Vaticano analisa ossários após encontrar túmulos vazios

Os trabalhos começaram esta manhã no cemitério que fica dentro das muralhas do Vaticano e foram analisados os restos dos dois ossários, explicou o porta-voz interino da Santa Sé, Alessando Gisotti. Os ossários estavam perto dos …

Miguel Pinto Lisboa é o novo presidente do Vitória de Guimarães

Miguel Pinto Lisboa foi eleito, este sábado, o novo presidente do Vitória de Guimarães, avança a imprensa portuguesa. Os números ainda não são oficiais, mas as primeiras projeções indicam que o candidato de 47 anos da …

Incêndios em Castelo Branco e Santarém. Há quatro bombeiros feridos, um em estado grave

Dois incêndios em Castelo Branco estão a mobilizar mais de 500 operacionais e 15 meios aéreos. Há estradas cortadas e aldeias evacuadas. Dois incêndios em povoamento florestal, todos no distrito de Castelo Branco, um no município …