Cientistas descobrem atalho para fazer um açúcar possivelmente mais saudável

Um grupo de cientistas do MIT descobriu uma maneira eficiente de produzir um sucedâneo do açúcar, que até pode ser mais benéfico para a nossa saúde.

A maioria das pessoas não resiste a um doce de vez em quando, ou talvez até mesmo um sumo ou umas bolachas. No entanto, a quantidade de açúcar que estes produtos levam é muitas vezes uma preocupação. O elevado consumo de açúcar provoca cáries dentárias, diabetes e problemas cardíacos.

Existem substitutos para o açúcar há mais de cem anos, como por exemplo a sacarina, o mais conhecido adoçante que foi inventado em 1879. O problema é que estes, muitas vezes, são mais caros e difíceis de obter, escreve a Massive Science.

Agora, um grupo de cientistas do MIT descobriu uma maneira eficiente de produzir um sucedâneo do açúcar, que até pode ser mais benéfico para a nossa saúde. Os resultados do estudo foram publicados no início do ano na revista científica Nature.

Estudos anteriores demonstraram que a alose, um açúcar bastante raro, isolado das folhas do arbusto africano Protea rubropilosa, pode ser um substituto ideal do açúcar. Além de ser 80% tão doce quanto a sacarose, tem baixas calorias e traz potenciais benefícios para a saúde. Tem propriedades antioxidantes e também pode induzir atividade anticancerígena nas células. No entanto, é cara de obter devido à sua raridade na natureza.

Existem cópias de laboratório, que usam D-glicose como fonte primária barata e amplamente disponível. Contudo, envolvem um processo penoso para gerar apenas 2,5% de alose. Para piorar a situação, custa 80 dólares por cerca de 0,1 gramas.

Como solução, os cientistas do MIT descobriram uma maneira de produzir alose através de glicose, num processo simples e com um aproveitamento de 40%.

Os investigadores pesquisaram as transformações químicas disponíveis que se assemelhassem à da enzima NeoN, da bactéria Streptomyces fradiae, que serviu de inspiração.

A transformação de glicose em alose exigia um radical instável e uma molécula conhecida como tiol. Mas para a reação funcionar, era necessária uma molécula sensível à luz – um fotocatalisador. O fotocatalisador não só acelerou a reação na presença de luz, mas também foi essencial para garantir a reciclagem química, explica Massive Science.

Embora os cientistas do MIT tenham testado o seu procedimento para fazer alose usando apenas um grama de material inicial, é precisa uma escala muito maior para ver se o método se manteria numa escala industrial.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …