China quer substituir mongol por mandarim nas escolas. Nova política gerou raros protestos e boicotes

Alunos e pais e etnia mongol no norte da China promoveram boicotes em massa às escolas devido um novo currículo que reduzirá a educação na sua língua materna num protesto raro contra o esforço intensificado do Partido Comunista para a assimilação étnica.

A CNN explica que, de acordo com a nova política chinesa, o mandarim vai substituir o mongol como meio de instrução em três disciplinas nas escolas de ensino fundamental e médio para grupos minoritários na Região Autónoma da Mongólia Interior, lar de 4,2 milhões de mongóis étnicos.

As autoridades têm defendido a adoção de um currículo nacional padrão – como livros chineses compilados e aprovados por legisladores em Pequim – que melhorará os caminhos dos alunos de minorias para o Ensino Superior e o emprego.

Porém, os pais temem que a mudança levará ao desaparecimento gradual da língua mongol, significando, assim, o fim da cultura mongol, que já está em declínio.

Em protesto, esta semana, enquanto os alunos de toda a China voltavam às salas de aula para o novo ano letivo, muitas escolas étnicas na Mongólia Interior ficaram vazias porque os pais se recusaram a levar os seus filhos.

Segundo a CNN, multidões de pais reuniram-se do lado de fora das escolas – às vezes a canatr canções mongóis – sob a vigilância de polícias. Alunos em uniformes azuis derrubaram cercas de metal que bloqueiam a entrada da escola e correram para fora. Noutra escola, filas de alunos erguem os punhos para o ar e gritam: “Deixem-nos defender a nossa própria língua mongol!”

Na quinta-feira passada, foram recolhidas cerca de 21 mil assinaturas em petições que pediam ao Governo regional que voltasse atrás na política.

Porém, para o Governo regional, o lançamento de livros padronizados mostra “o cuidado dedicado do Partido e do estado para com as regiões étnicas” e beneficia “a promoção da unidade étnica, o desenvolvimento e o progresso das regiões étnicas e construção de um forte senso de comunidade para a nação chinesa”

O Ministério das Relações Exteriores da China considerou os protestos na Mongólia Interior como “especulação política com segundas intenções”. “A língua falada e escrita nacional comum é um símbolo da soberania nacional. É direito e dever de todo cidadão aprender e usar a língua falada e escrita comum nacional”, disse o porta-voz Hua Chunyin.

“Educação bilíngue não mudou”

As autoridades da Mongólia Interior tentaram tranquilizar os pais de que a mudança só se aplicará à língua e à literatura, à política e à história num período de três anos. Outras disciplinas – bem como o número de horas para aulas de língua mongol – permanecem inalteradas.

“Portanto, o atual sistema de educação bilíngue não mudou“, lê-se no comunicado.

No entanto, alguns mongóis étnicos temem que o mongol acabe por ser substituído pelo mandarim em todas as disciplinas.

Os críticos defendem que a política assemelha-se a medidas implementadas nas regiões do Tibete e Xinjiang, onde o mandarim substituiu as línguas étnicas minoritárias como idioma de instrução na maioria das escolas.

Isso também reflete uma mudança na política do Partido em direção a uma assimilação mais agressiva sob o presidente Xi Jinping, como fica evidente na repressão contra a minoria uigur muçulmana em Xinjiang.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Preços das casas devem descer neste ano (e deixam a banca em risco)

Após se terem aguentado mais ou menos estáveis em 2020, apesar da pandemia de covid-19, os preços das casas devem começar a descer neste ano com o prolongar da crise sanitária. Uma situação que preocupa …

Sem promessas para 2022, Governo admite criar “escalões intermédios” na Função Pública

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, admitiu, em entrevista ao ECO, rever a tabela salarial da Função Pública e criar “escalões intermédios para as progressões intermédias”. Em entrevista ao jornal …

@AnaMartinsGomes. A gladiadora do Twitter é candidata a Belém

Se há arena onde a candidata socialista a Belém se sente confortável, é o Twitter. Palco de grandes partilhas e encruzilhadas, é inegável que essa rede social marca o caminho da diplomata. Ana Gomes é conhecida …

Rui Rio apela ao Governo por "confinamento a sério" e lembra que este "não existe para ser popular"

Rui Rio desafia o Governo a "impor um confinamento a sério em nome do interesse nacional". Na sua conta no Twitter, o líder do PSD escreve que "um Governo não existe para ser popular mas …

FC Porto ameaça não ir a jogo. Sporting acusa "dragões" de "pressão inaceitável"

O Sporting acusou segunda-feira o FC Porto de estar a "pressionar, de forma absolutamente inaceitável, as autoridades da Saúde e a Liga" para que Nuno Mendes e Sporar falhem hoje as meias-finais da Taça da …

Empresas de comércio e serviços propõem suspensão de alguns impostos

Com o novo confinamento geral, a maioria das empresas de comércio e serviços volta a fechar portas. Por isso, pedem-se mais apoios ao Governo, considerando que os já anunciados são insuficientes. Em declarações à rádio Renascença, …

Benfica anuncia surto de 17 casos e pode parar por duas semanas

Foram identificados 17 novos casos de covid-19 no SL Benfica. Em comunicado, o clube remete à DGS a decisão de parar durante duas semanas. O Benfica detetou 17 novos casos de covid-19 entre jogadores, equipa técnica …

Estátua de mulher da elite pré-hispânica encontrada no México

Uma estátua, com 500 anos, de uma jovem mulher com um grande ornamento na cabeça foi descoberta, no início de janeiro, no centro do México. De acordo com o site Live Science, a estátua de dois …

No último adeus à Casa Branca, Trump vai perdoar 100 pessoas (e manifestantes do Capitólio também querem)

O Presidente cessante dos Estados Unidos Donald Trump deverá emitir mais de 100 indultos presidenciais esta terça-feira, durante as suas horas finais na Casa Branca, mas não se pode perdoar a si mesmo ou à …

Sindicato revela que a TAP propôs o despedimento de 458 pilotos

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) informou, esta segunda-feira, que a TAP apresentou uma contraproposta que inclui a dispensa de 458 pilotos, redução de remunerações e supressão de cláusulas do acordo de empresa. Em …