China quer substituir mongol por mandarim nas escolas. Nova política gerou raros protestos e boicotes

Alunos e pais e etnia mongol no norte da China promoveram boicotes em massa às escolas devido um novo currículo que reduzirá a educação na sua língua materna num protesto raro contra o esforço intensificado do Partido Comunista para a assimilação étnica.

A CNN explica que, de acordo com a nova política chinesa, o mandarim vai substituir o mongol como meio de instrução em três disciplinas nas escolas de ensino fundamental e médio para grupos minoritários na Região Autónoma da Mongólia Interior, lar de 4,2 milhões de mongóis étnicos.

As autoridades têm defendido a adoção de um currículo nacional padrão – como livros chineses compilados e aprovados por legisladores em Pequim – que melhorará os caminhos dos alunos de minorias para o Ensino Superior e o emprego.

Porém, os pais temem que a mudança levará ao desaparecimento gradual da língua mongol, significando, assim, o fim da cultura mongol, que já está em declínio.

Em protesto, esta semana, enquanto os alunos de toda a China voltavam às salas de aula para o novo ano letivo, muitas escolas étnicas na Mongólia Interior ficaram vazias porque os pais se recusaram a levar os seus filhos.

Segundo a CNN, multidões de pais reuniram-se do lado de fora das escolas – às vezes a canatr canções mongóis – sob a vigilância de polícias. Alunos em uniformes azuis derrubaram cercas de metal que bloqueiam a entrada da escola e correram para fora. Noutra escola, filas de alunos erguem os punhos para o ar e gritam: “Deixem-nos defender a nossa própria língua mongol!”

Na quinta-feira passada, foram recolhidas cerca de 21 mil assinaturas em petições que pediam ao Governo regional que voltasse atrás na política.

Porém, para o Governo regional, o lançamento de livros padronizados mostra “o cuidado dedicado do Partido e do estado para com as regiões étnicas” e beneficia “a promoção da unidade étnica, o desenvolvimento e o progresso das regiões étnicas e construção de um forte senso de comunidade para a nação chinesa”

O Ministério das Relações Exteriores da China considerou os protestos na Mongólia Interior como “especulação política com segundas intenções”. “A língua falada e escrita nacional comum é um símbolo da soberania nacional. É direito e dever de todo cidadão aprender e usar a língua falada e escrita comum nacional”, disse o porta-voz Hua Chunyin.

“Educação bilíngue não mudou”

As autoridades da Mongólia Interior tentaram tranquilizar os pais de que a mudança só se aplicará à língua e à literatura, à política e à história num período de três anos. Outras disciplinas – bem como o número de horas para aulas de língua mongol – permanecem inalteradas.

“Portanto, o atual sistema de educação bilíngue não mudou“, lê-se no comunicado.

No entanto, alguns mongóis étnicos temem que o mongol acabe por ser substituído pelo mandarim em todas as disciplinas.

Os críticos defendem que a política assemelha-se a medidas implementadas nas regiões do Tibete e Xinjiang, onde o mandarim substituiu as línguas étnicas minoritárias como idioma de instrução na maioria das escolas.

Isso também reflete uma mudança na política do Partido em direção a uma assimilação mais agressiva sob o presidente Xi Jinping, como fica evidente na repressão contra a minoria uigur muçulmana em Xinjiang.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Após expulsão, Rúben Amorim é suspenso 15 dias. Técnico vai falhar três jornadas

Rúben Amorim foi suspenso por 15 dias pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência da expulsão no final do jogo com o Famalicão. Para além da suspensão, o técnico dos leões foi …

Bruxelas aconselha países a manterem limitação a chegadas não essenciais do Brasil

A Comissão Europeia aconselhou hoje “fortemente” os Estados-membros da União Europeia (UE) a manterem as limitações às viagens não essenciais do Brasil devido à propagação de novas variantes do SARS-CoV-2, pedindo “rastreios mais rigorosos” para …

Meco. Antigo dux recorda que o grupo levou com “uma onda“ e diz que ainda tentou salvar colega

Mais de sete anos depois da tragédia do Meco, o caso chega esta terça-feira a tribunal para o julgamento do processo em que as famílias dos seis jovens que morreram durante a praxe pedem indemnizações …

EUA garantem que não estão envolvidos no ataque a central nuclear no Irão

Os Estados Unidos garantiram, esta segunda-feira, que não estiveram envolvidos no que o Irão chamou de ação de sabotagem da sua fábrica de enriquecimento de urânio, em Natanz. Teerão acusou Israel de "ataque terrorista" ao sabotar …

Joacine quer alterar critério de identificação de suspeitos baseado em "estereótipos raciais"

A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira quer eliminar do Código de Processo Penal o critério que permite à polícia proceder à identificação de qualquer pessoa suspeita de estar ilegalmente no país, por ser baseado …

Ex-dirigente das Mulheres Socialistas apontada a Azambuja. Inês Louro admite contactos com o Chega

A ex-dirigente das Mulheres Socialistas, Inês Louro, tem sido apontada como futura candidata do Chega à Câmara Municipal da Azambuja. Ao fim de 31 anos de militância, Inês Louro, dirigente das Mulheres Socialistas e presidente da …

Johnson & Johnson vai atrasar entrega das vacinas na Europa

Depois da recomendação dos EUA, a Johnson & Johnson informou que a distribuição da vacina contra a covid-19 vai ser atrasada na Europa. Segundo o Público, o grupo referiu que as autoridades europeias estão a avaliar …

Juízes querem maior punição para titulares de funções públicas que ocultem riqueza

Os juízes apresentaram aos deputados uma proposta que visa combater a ocultação de riqueza no exercício de funções de políticos, juízes e magistrados do Ministério Público (MP). A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) entregou aos …

Marta Temido diz que é prematuro falar de pausa na vacina da Janssen

Em declarações aos jornalistas, Marta Temido considerou ser ainda cedo para comentar a recomendação hoje emitida pelas autoridades de saúde dos Estados Unidos para uma pausa na administração da vacina contra a covid-19 da Janssen. …

Variante britânica não provoca doença mais grave, dizem estudos. Remdesivir é mais eficaz quando combinado com dois fármacos

Estudos científicos publicados esta segunda-feira em dois ramos da revista médica Lancet sugerem que as pessoas infetadas com a variante do SARS-CoV-2 identificada no Reino Unido não contraem formas mais graves da covid-19. Ambos os estudos …