China quer substituir mongol por mandarim nas escolas. Nova política gerou raros protestos e boicotes

Alunos e pais e etnia mongol no norte da China promoveram boicotes em massa às escolas devido um novo currículo que reduzirá a educação na sua língua materna num protesto raro contra o esforço intensificado do Partido Comunista para a assimilação étnica.

A CNN explica que, de acordo com a nova política chinesa, o mandarim vai substituir o mongol como meio de instrução em três disciplinas nas escolas de ensino fundamental e médio para grupos minoritários na Região Autónoma da Mongólia Interior, lar de 4,2 milhões de mongóis étnicos.

As autoridades têm defendido a adoção de um currículo nacional padrão – como livros chineses compilados e aprovados por legisladores em Pequim – que melhorará os caminhos dos alunos de minorias para o Ensino Superior e o emprego.

Porém, os pais temem que a mudança levará ao desaparecimento gradual da língua mongol, significando, assim, o fim da cultura mongol, que já está em declínio.

Em protesto, esta semana, enquanto os alunos de toda a China voltavam às salas de aula para o novo ano letivo, muitas escolas étnicas na Mongólia Interior ficaram vazias porque os pais se recusaram a levar os seus filhos.

Segundo a CNN, multidões de pais reuniram-se do lado de fora das escolas – às vezes a canatr canções mongóis – sob a vigilância de polícias. Alunos em uniformes azuis derrubaram cercas de metal que bloqueiam a entrada da escola e correram para fora. Noutra escola, filas de alunos erguem os punhos para o ar e gritam: “Deixem-nos defender a nossa própria língua mongol!”

Na quinta-feira passada, foram recolhidas cerca de 21 mil assinaturas em petições que pediam ao Governo regional que voltasse atrás na política.

Porém, para o Governo regional, o lançamento de livros padronizados mostra “o cuidado dedicado do Partido e do estado para com as regiões étnicas” e beneficia “a promoção da unidade étnica, o desenvolvimento e o progresso das regiões étnicas e construção de um forte senso de comunidade para a nação chinesa”

O Ministério das Relações Exteriores da China considerou os protestos na Mongólia Interior como “especulação política com segundas intenções”. “A língua falada e escrita nacional comum é um símbolo da soberania nacional. É direito e dever de todo cidadão aprender e usar a língua falada e escrita comum nacional”, disse o porta-voz Hua Chunyin.

“Educação bilíngue não mudou”

As autoridades da Mongólia Interior tentaram tranquilizar os pais de que a mudança só se aplicará à língua e à literatura, à política e à história num período de três anos. Outras disciplinas – bem como o número de horas para aulas de língua mongol – permanecem inalteradas.

“Portanto, o atual sistema de educação bilíngue não mudou“, lê-se no comunicado.

No entanto, alguns mongóis étnicos temem que o mongol acabe por ser substituído pelo mandarim em todas as disciplinas.

Os críticos defendem que a política assemelha-se a medidas implementadas nas regiões do Tibete e Xinjiang, onde o mandarim substituiu as línguas étnicas minoritárias como idioma de instrução na maioria das escolas.

Isso também reflete uma mudança na política do Partido em direção a uma assimilação mais agressiva sob o presidente Xi Jinping, como fica evidente na repressão contra a minoria uigur muçulmana em Xinjiang.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …