China proibiu 23 milhões de pessoas de viajar (é o castigo do “crédito social” a funcionar)

O sistema de avaliação e penalização de cidadãos segundo as ações em sociedade já tem os primeiros lesados. A China está a testar este sistema há cerca de um ano.

Habitualmente, se um cidadão comete um crime ou uma outra infração qualquer, o mais normal é ser acusado e julgado em tribunal, ou instado pelas autoridades a pagar uma multa. Mas na China não é bem assim, pelo menos há cerca de um ano.

O país asiático parece ter encontrado uma forma mais direta (e, possivelmente, mais eficaz) de penalizar os perpetradores de “pequenos crimes” listados neste sistema de “crédito social”, avança o Expresso.

Assim, de acordo com o Centro Nacional de Informações ao Crédito Público, os tribunais chineses proibiram viajantes de comprar voos 17,5 milhões de vezes até ao final de 2018. Além disso, mais 5,5 milhões de pessoas foram impedidas de comprar bilhetes de comboio.

O relatório foi divulgado na semana passada e citado pelo The Guardian e contém uma frase capaz de resumir a intenção das autoridades chinesas: “Uma vez desacreditado, limitado em todos os lugares“.

Este sistema de crédito social tem como objetivo incentivar o “bom” comportamento dos cidadãos, através de penalizações e de benefícios. A ideia é a de “permitir aos confiáveis caminhar por todos os lugares debaixo do céu; e proibir aos desacreditados que deem um só passo”, segundo um documento público do governo, datado de 2014.

No entanto, os tais “desacreditados” podem ser pessoas que não pagam impostos há anos, mas também cidadãos que fumem numa carruagem de comboio ou o que levem o seu cão a passear sem trela.

De negócio a uma experiência de engenharia social

Segundo o Expresso, tudo começou quando duas aplicações móveis que permitem aos utilizadores pagar quase qualquer serviço – a Alipay e o WeChat – tomaram conta do comércio no país. Estas aplicações detém juntas vários terabytes de informação pessoal de milhões de cidadãos chineses.

Em 2013, o Ant Financial, braço financeiro do Alipay, lançou o Zhima Credit , uma aplicação dentro da Alipay que incentiva as pessoas a deixarem-se analisar por um algoritmo.

Este algoritmo destina a cada cidadão um número com três dígitos, que sobe e desce conforme o que compramos, a rapidez com que pagamos as nossas dívidas, as instituições de solidariedade para as quais contribuímos, a nossa formação académica, entre outras coisas.

Neste programa, pontuar dá acesso a vários benefícios, desde descontos em hotéis até à obtenção mais rápida de vistos para viajar para o estrangeiro. Uma espécie de prémio para quem se “porta bem”.

Ora, se o Governo chinês pedir estes dados a estas empresas, tem nas suas mãos uma grande quantidade de informação sobre cada cidadão que pode, depois, colocar à disposição de milhares de instituições públicas e privadas e o acesso a todo o tipo de serviços dependente dessa “pontuação”.

Se para nós este sistema soa a algo estranho e demasiado invasivo, na China não é bem assim. O Expresso falou há um ano com um dos maiores analistas da área, residente em Singapura, que esclareceu que “isto é a China, as pessoas estão habituadas a abdicar de uma boa parte da sua privacidade”.

“Em alguns países da Europa e nos Estados Unidos nós somos muito agarrados à nossa privacidade, é cultural, mas aqui é mais ou menos sabido que o governo, de qualquer forma, já tem acesso a quase tudo o que quer“, explicou ao semanário.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O sonho da Utopia socialista. O Estado a controlar o que as pessoas fazem.
    É para isso que a narrativa do CO2 existe justificar muito desse controlo

  2. que sistema infantil !!! e nao querem tambem dar umas palmadas ? a tecnologia deles esta a evoluir ,mas a mentalidade maoista continua , pararam no tempo

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …