China já lucra com a Covid-19 (mas se a economia não engrenar depressa, pode nascer uma tempestade)

Alex Plavevski / EPA

A China já está em fase de recuperação da Covid-19 e a economia do país dá sinais de vida, embora ainda longe dos patamares pré-pandemia. E o facto de o contágio continuar a alastrar por meio mundo está a beneficiar a economia chinesa que tem exportado milhões de equipamentos hospitalares para combater o coronavírus.

Com o controlo do surto de Covid-19 na China e a redução drástica de casos após dois meses de confinamento de grande parte da população e muitas medidas restritivas, a China já está a exportar material de apoio à detecção e à protecção contra o coronavírus.

Nas últimas semanas, países como Portugal e Espanha receberam milhares de equipamentos médicos provenientes da China. O Governo espanhol gastou mais de 400 milhões de euros em kits de testes e em ventiladores comprados a empresas chinesas. E a Lisboa chegou, no passado sábado, um avião com 24 das 35 toneladas que o Governo português encomendou à China, incluindo luvas, máscaras e fatos de protecção.

O Jornal de Negócios avança que a empresa Dawn Polymer, que domina o mercado chinês na área da venda de máscaras, já lucrou quase 2 mil milhões de dólares em apenas seis semanas.

A Espanha chegaram, na semana passada, 340 mil testes de diagnóstico à Covid-19 provenientes da China. Com a redução da procura por estes testes no mercado chinês, as empresas desta área tornaram-se basicamente exportadoras. E algumas delas nem sequer têm os testes que comercializam licenciados na China,segundo o South China Morning Post (SCMP).

“Nem pensei em concorrer pelas aprovações na China”, excplica ao SCMP o empresário Zhang Shuwen, fundador da empresa Nanjing Liming Bio-products que tem vendido kits de teste para a Europa. “O processo leva muito tempo. Quando, finalmente, conseguisse a aprovação, o surto poderia já ter terminado”, salienta Shuwen.

Deste modo, a empresa de Shuwen optou por obter as devidas certificações na União Europeia (UE), para poder exportar os seus testes para o Velho Continente. Obtida a certificação da UE em como cumpre os padrões de segurança, saúde e ambiente do regulador europeu, a empresa está a vender testes para Itália, Espanha, Áustria, Hungria e França. Fora da Europa, vende também para Irão, Arábia Saudita, Japão e Coreia do Sul.

O SCMP avança que 102 empresas tinham, até à semana passada, autorização da UE para vender os seus produtos para a Europa, enquanto só uma empresa o podia fazer nos EUA. Por comparação, apenas 13 empresas têm autorização da autoridade do medicamento chinesa para vender os kits de teste da Covid-19 na China.

A situação levanta alguma polémica, até porque surgiram dúvidas quanto à fiabilidade dos kits de testes vendidos a Espanha. O jornal espanhol El País avançou que os testes provenientes da China teriam apenas uma taxa de detecção de 30% para o Covid-19, quando deveriam ter 80% de precisão. A mesma acusação foi feita por autoridades filipinas.

Apesar de algumas dúvidas que podem surgir, Governos de todo o mundo estão a recorrer a estas empresas chinesas que disponibilizam versões de testes mais rápidas, na corrida para tentar travar a pandemia.

“Temos tantas encomendas agora que estamos a trabalhar até às 9 da noite, sete dias por semana. Estamos a pensar em trabalhar 24 horas por dia, pedindo aos trabalhadores para fazerem três turnos”, explica o empresário Shuwen ao SCMP.

Um executivo do grupo BGI, a única empresa chinesa com autorização para vender kits de testes nos EUA, revela ao mesmo jornal que, “no início de Fevereiro, cerca de metade dos kits de testes estavam a ser vendidos na China e metade no estrangeiro”. Mas, agora, “não há quase nenhum a ser vendido internamente”. A produção passou de 200 mil kits por dia para 600 mil, face à procura crescente.

E enquanto a pandemia continuar a alastrar pelo mundo, estas empresas chinesas vão continuar a facturar. A procura afigura-se, para já, “infinita”.

E no meio de uma pandemia que teve origem no país asiático, pode estar aqui a nascer uma dependência mundial da China quanto ao fornecimento de material médico. Até agora, EUA e Europa eram os grandes lideres no âmbito do fornecimento de equipamentos de diagnóstico.

Pandemia fomentou “um despertar geracional”

O controle do surto na China levou já o Governo a reduzir as medidas de confinamento e, nos últimos dias, o Partido Comunista tem passado a ideia de um regresso à normalidade, com lojas e fábricas abertas. Até as estradas voltaram a ter engarrafamentos de trânsito e o ar das grandes cidades está, novamente, saturado de poluição.

Mas há quem diga que é um “falso normal”, justificando, por exemplo, o trânsito com o facto de haver muitas pessoas que têm medo de andar de transportes públicos, como faziam antes da pandemia, e que, portanto, optam por andar de carro.

Por outro lado, se algumas fábricas estão de volta à produção máxima, o país ainda está a recuperar das “feridas” da pandemia devido ao desemprego, às falências e aos receios que ainda persistem. A procura interna decresceu e não se espera que recupere abruptamente.

Enquanto isso, o mundo continua a combater a Covid-19, pelo que a procura externa também está em níveis demasiado baixos que não permitem o desejado crescimento económico imediato.

Há a expectativa de que na segunda metade do ano possa haver uma “vingança gastadora”, com o aliviar das medidas contra a pandemia em diversos países. Mas o medo não deixará assim tão depressa o mundo, até pelos contínuos alertas de especialistas de que haverá um segundo surto do vírus no fim do ano ou no próximo. As precauções e receios do consumidor devem continuar a refrear gastos consumistas por algum tempo.

O previsível cenário de recessão global vai, inevitavelmente, reduzir a procura por bens chineses, o que afectará o crescimento económico do país numa tendência de baixa que não acontecia há décadas.

Com essa ameaça de crise no horizonte e as perspectivas de emprego em baixa, há analistas que alertam para uma possível “tempestade” contra o Partido Comunista, depois de a juventude chinesa ter soltado faíscas de resistência durante o surto de Covid-19.

O jornal britânico The Independent ouviu especialistas que alertam que a pandemia “mobilizou os jovens na China” num “despertar geracional” cujo impacto pode ser semelhante aos efeitos da II Guerra Mundial ou da crise financeira de 2008 e que pode “perturbar a estabilidade social da qual o Partido Comunista depende”.

“Estes eventos recentes fizeram algumas pessoas ver mais claramente que criticar o seu país não significa que não gostam do seu país”, explica ao jornal uma residente em Pequim, Hannah Yang, que criou um canal na rede de mensagens encriptadas Telegram, para partilhar notícias e publicações das redes sociais censuradas.

A par de queixas contra a censura e o secretismo do Governo, proliferaram movimentos nas redes sociais com o intuito de desmontar a propaganda do Partido Comunista durante o surto, e foram organizadas campanhas de recolha de donativos para hospitais em Wuhan, denunciando a falta de equipamentos, contra as alegações dos responsáveis locais.

“Este episódio foi traumático e disruptivo para muita gente jovem e levou-a a reflectir na sua experiência e perspectivas futuras”, salienta também no The Independent o sociólogo Xueguang Zhou da Universidade de Stanford, nos EUA.

Num país onde o patriotismo é alimentado desde tenra idade, as vozes dissonantes são ainda uma minoria. Mas para uma jovem geração que cresceu numa economia florescente, a eventualidade de perder o conforto económico a que está habituada, pode despoletar uma revolta.

Se a economia do país não conseguir retomar a curva de crescimento a breve prazo, o activismo dos jovens pode tornar-se em ruído sério contra o Partido Comunista. Até porque, como diz o professor Fengshu Liu, da Universidade de Oslo, na Noruega, citado pelo The Independent, os rumores das redes sociais podem ser apagados ou censurados, mas o desemprego é mais difícil de anular.

SV, ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Afinal, vejam como são as coisas e como podem dar uma grande volta. A ministra da Agricultura disse que afinal o vírus na China , até seria bom para as nossas exportações. Embora fosse uma expressão bem infeliz,e Pensando ela que o vírus não passaria da China, aí está a resposta. Portugal vai afundar-se de uma forma que ainda não se consegue ver, mas será seguramente muito superior à de 2008 e é para a China que é bom, não para Portugal.

  2. E no meio de uma pandemia que teve origem no país asiático, pode estar aqui a nascer uma dependência mundial da China quanto ao fornecimento de material médico. Até agora, EUA e Europa eram os grandes lideres no âmbito do fornecimento de equipamentos de diagnóstico.
    Perante tal afirmação será de concluir que na Europa e EUA assim que a pandemia começou baratearam todos à sola das fábricas onde estes materiais se fabricavam na precisa altura que mais eram necessários, quem vai acreditar em tais afirmações? O que temos a certeza é de que pelo menos na Europa estamos dependentes da China e de outros países asiáticos em muitas coisas, a globalização foi o que nos trouxe. Andamos a criticar os chineses mas ninguém critica os causadores de tal situação vergonhosa em que puseram a Europa submissa desta forma e é aí é que está a origem do mal actual em relação de tudo se fabricar agora na Ásia.

  3. A China não devia estar a lucrar com absultamente nada com isto pelo contrario devia mostrar outra imagem ou seja ajudar os Países que eles infectaram de graça e pedir desculpas pelo acontecido a nível mundial, mas regimes nunca o fizeram e não é agora como sabemos, aliás eles esconderam tudo por muito tempo, como sabemos quem denunciou isto na china no inicio foi logo abafado e nunca mais apareceram porquê? talvez porque eles andavam a desenvolver armas biológicas que ficam mais baratas e correu mal e depois foi a cobra que andou a ter sexo com o morcego, morcegos são eles os chineses, abram os olhos digam não ao material chinês.

  4. A China se tivesse vergonha depois da desgraça q espalhou pelo mundo, em vez de estar a lucrar, devia de dar equipamentos e materiais necessários e não estar a ganhar milhões por serem irresponsáveis. Os países afectados deviam de lhes pedir contas no fim disto tudo.

RESPONDER

"Não haverá acordo" se Londres não respeitar compromissos, avisa Michel Barnier

O negociador europeu para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), Michel Barnier, sublinhou no domingo que "o tempo urge", avisando que não haverá acordo se Londres permanecer nas posições anteriores. "O Reino Unido …

Ex-Benfica Garay acusa Valência de "campanha difamatória"

Ezequiel Garay acusou o Valência de levar a cabo uma "campanha difamatória" contra si. "Dói ver estas coisas quando estão a prejudicar os que amas", disse o argentino. O ex-jogador do SL Benfica Ezequiel Garay cumpre …

O maior salto em cinco anos. Dívida pública atingiu recorde em abril

A dívida pública aumentou para 262,1 mil milhões de euros em abril, o valor mais alto desde 1995, segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal. A dívida pública aumentou para o valor recorde de 262,1 …

Diabéticos e hipertensos. PSD quer debater alteração que retirou estes doentes de regime excecional

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que retirou doentes hipertensos e diabéticos do regime excecional de proteção relativo à covid-19. A apreciação parlamentar permite que a Assembleia da República debata, altere e, no limite, …

Norte sem contágios por covid-19. Grande Lisboa regista 96,5% dos novos casos

Portugal regista hoje 1.424 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 32.700 infectados, mais 200, segundo o boletim da Direcção-Geral de Saúde (DGS). 193 dos novos casos são na área …

Aviões deixam de ter lotação reduzida a partir desta segunda-feira

Os aviões deixam, a partir desta segunda-feira, de ter a lotação de passageiros reduzida a dois terços, mas o uso de máscara comunitária é obrigatório. O Governo alinhou, assim, as regras nacionais pelas regras europeias no …

Marcelo pede que não se passe do "8 para o 80" e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá …

Só metade das crianças deverá voltar ao pré-escolar esta segunda-feira

As crianças em idade pré-escolar regressam esta segunda-feira aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19. Apesar do regresso, que …

Dois astronautas (e um dinossauro de peluche) chegaram à EEI à boleia da SpaceX

Para além dos astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, seguia a bordo da Crew Dragon um dinossauro de peluche com lantejoulas. E há uma explicação para isso. Este sábado, o foguetão Falcon 9, da SpaceX, fez …

Pescadores já podem capturar sardinha, mas recuo no consumo é uma preocupação

Os pescadores voltam a poder capturar sardinha, a partir desta segunda-feira, e até 31 de julho, com limites diários e semanais, segundo um despacho publicado em Diário da República. De acordo com o diploma, assinado pelo …