Chega vai reagir “muito veementemente” na rua à tentativa de ilegalização

Pedro Reis Martins / Lusa

André Ventura

O líder do Chega disse, este sábado, que o partido vai responder “muito veementemente” e com “presença na rua”, já em março, à tentativa de ilegalização da estrutura promovida por Ana Gomes.

“Quero deixar claro aqui, hoje, que o Chega vai responder muito veementemente, com presença na rua, em relação a esta situação e que vamos responder com toda a nossa força a um dos maiores atentados à democracia desde o 25 de Abril”, afirmou.

André Ventura falava à margem de um encontro com militantes do partido em Santa Cruz, concelho da zona leste da ilha da Madeira. “Nós não temos nada a esconder, estamos perfeitamente à vontade”, declarou.

O líder do Chega reagia, deste modo, às declarações da ex-eurodeputada socialista e ex-candidata presidencial Ana Gomes, esta sexta-feira, no Jornal 2 da RPT2, indicando que a Europol estava disponível para apoiar as autoridades portuguesas, caso solicitem, numa eventual investigação ao partido.

“Queria repudiar veementemente as declarações da dra. Ana Gomes em relação à eventual ilegalização do Chega e uma eventual colaboração policial internacional que estará em curso para ilegalizar o Chega ou para investigar o Chega”, disse Ventura, sublinhando que se trata de uma “ofensiva sem paralelo na história de democracia”.

André Ventura adiantou ainda que a resposta do partido será dada na rua, no decurso do mês de março.

“Não vos quero dar, neste momento, mais detalhes em relação ao que estamos a preparar, mas vamos fazer uma grande, grande concentração na rua, numa data a revelar em breve, contra esta vil, ignóbil, inacreditável e antidemocrática tentativa de ilegalizar um partido que foi aceite no Tribunal Constitucional, que foi a votos, que tem representação no Parlamento nacional, que tem representação no Parlamento regional dos Açores”, disse.

E reforçou: “Pretendemos dizer ao poder político em Portugal, ao poder judicial, ao poder público que não se ilegaliza meio milhão de pessoas, não se ilegaliza um dos maiores partidos portugueses, que não se remete à clandestinidade um partido que está a fazer tanto pela luta das pessoas de bem”.

Ventura sublinhou que o Chega é já um dos “maiores partidos” em Portugal e recordou que foi o terceiro candidato mais votado nas eleições presidenciais de janeiro, com cerca de 500 mil votos.

“Eu pensava que a clandestinidade estava nos livros de história em Portugal, mas aparentemente não está. Está na nossa realidade no dia a dia e, portanto, nós vamos responder muito veementemente a isso, com todas as forças, com tudo o que pudermos ainda neste mês de março”, advertiu.

A 4 de fevereiro, o Diário de Notícias avançou que Ana Gomes tinha pedido à Procuradoria-Geral da República (PGR) que reapreciasse a legalização do Chega como força política, alegando que este partido viola a Constituição da República, e investigue a origem do seu financiamento.

Na mesma notícia, o DN adiantou que a ex-eurodeputada socialista enviou a sua participação “à presidente da Comissão Europeia, ao presidente do Parlamento Europeu, ao diretor da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia, ao secretário-geral do Conselho da Europa, ao secretário-geral da ONU e aos diretores da Europol e do Eurojust”.

“Se o Chega for ilegalizado, se os dirigentes do Chega forem remetidos para a clandestinidade, o problema não é o Chega, nem o André Ventura, nem os seus dirigentes, é que amanhã serão vocês e outros, os jornalistas e outros partidos”, afirmou Ventura.

O presidente do Chega deslocou-se à Madeira no âmbito do processo de eleição interna, agendada para 6 de março, em que é recandidato à liderança do partido.

A Madeira será um dos palcos mais importantes das batalhas políticas que vamos travar”, disse, sublinhando que pretende ganhar “força” na região autónoma já nas eleições autárquicas deste ano e, desse modo, “condicionar o exercício do poder na maior parte das autarquias”.

Nas eleições presidenciais de janeiro, André Ventura ficou em segundo lugar na Região Autónoma da Madeira, obtendo 9,95% dos votos, logo a seguir a Marcelo Rebelo de Sousa, com 72,16%.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Essa ‘Gaja’ com, estas parvoíces, apenas chama mais e mais atenção para o “chega”.
    Os “chegas” estão a capitalizar mais no papel de ‘calimeros’ do que por mérito das suas ideias.
    sempre que alguém, que se identifica com uma qualquer força política, ataca o “chega-te”, todos os que não gostam, ou embirram com essa força política, ‘chegam-se’ ao “chegasssss”
    capice?!?! ou é preciso fazer um desenho?!?!

RESPONDER

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …

Nuno Graciano "disponível" para acordo com Carlos Moedas

Nuno Graciano, candidato à Câmara Municipal de Lisboa pelo Chega, disse que há "condições" para conversar com Carlos Moedas, em caso de vitória do social-democrata. Em entrevista ao Diário de Notícias, Nuno Graciano, candidato do Chega …

Jogos Olímpicos: 4 modalidades estiveram em todas as edições

Curiosamente, em Tóquio também se vão estrear quatro modalidades (mais duas vertentes). Há desportos que só estiveram nos Jogos uma vez. Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 já arrancaram oficialmente. Depois do início de algumas modalidades, na …

Rússia "desconectada com sucesso" da Internet mundial em nova ronda de testes

A Rússia se "desconectou com sucesso" da rede mundial de Internet durante novos testes da sua tecnologia 'RuNet', informou o site de notícias RBC. De acordo com o site, que cita fontes não identificadas no setor …

Depois das cheias, Alemanha tem outra luta em mãos: limpar montanhas de lixo

Foram as cheias mais devastadoras da Alemanha nos últimos 60 anos, mas os problemas não acabaram com as chuvas. O país terá agora de lidar com montanhas de lixo, frigoríficos estragados e carros destruídos, amontoados …