Chega quer acabar com o cargo de primeiro-ministro

João Relvas / Lusa

André Ventura à chegada ao Tribunal Constitucional para entregar as assinaturas

André Ventura propõe eliminar o cargo de primeiro-ministro. O líder do Chega acusou ainda os dois grandes partidos de terem interesse em manter os níveis de abstenção altos.

Uma das propostas feitas pelo Chega no seu programa eleitoral é eliminar o cargo de primeiro-ministro. O líder do partido, André Ventura, explica que o objetivo é a adoção de um regime presidencial, passando a ser o presidente da República a ser “a figura orientadora da política geral do Estado”.

Em declarações prestadas ao jornal Público, André Ventura explica que o atual sistema é confuso e é uma das máquinas mais caras para o contribuinte. Na sua opinião, o cargo do presidente da República está a ser desaproveitado: “Elegemos um presidente da República com uma legitimidade reforçada, por eleição direta e maioritária, mas depois é praticamente um corta-fitas“.

Só serve para estar em apresentações, fazer apelos de sofá para o Governo e para as instituições e não serve para mais nada”, reiterou.

Por outro lado, e dando o exemplo da “geringonça”, Ventura diz que elegemos o Governo de forma indireta, por via parlamentar “que nem sempre expressa a vontade direta do povo”.

A transição para um regime presidencial teria a vantagem de ser muito mais barato e mais claro. André Ventura explicou que isto permitira uma maior transparência e, consequentemente, um ato mais democrático.

Confessando que o Chega está a aberto a discussão, disse que o chefe de Governo e de Estado teria dois mandatos, “como acontece na grande maioria dos sistemas presidenciais”. Isto obrigaria a uma revisão constitucional, mas Ventura garante que seria essencial para diminuir “a corrupção, o clientelismo e a permeabilidade dos poderes públicos.

O partido de André Ventura propõe ainda a redução do número de deputados da Assembleia da República para 100, a reintrodução da prisão perpétua para crimes mais graves, a castração química de pedófilos, a obrigatoriedade de trabalho no sistema prisional e o fim da progressividade do IRS.

“Preconceito” em relação ao Chega

Em entrevista concedida ao SAPO 24, André Ventura confessou que é complicado ser um novo partido à entrada para estas legislativas. “As instituições têm uma lógica de ‘quantos menos, melhor’. Não interessa a ninguém ver o bolo tão repartido. No nosso caso, acresce o enorme preconceito criado em relação a uma série de situações”.

O líder do Chega deu o exemplo de quando Catarina Martins rejeitou participar num debate na Renascença por achar que André Ventura era racista. “O Chega concorre nos 22 círculos eleitorais, o que é extraordinário com os poucos meses que temos. Isto mostra que quanto mais nos atacam, mais reagimos“, realçou.

Em relação aos votos brancos e nulos, disse que este é um sinal de que as pessoas estão cada vez mais fartas. Como solução, André Ventura equaciona o voto obrigatório. “Mas temos de pensar por que motivo os dois grandes partidos não têm interesse no voto obrigatório. Na verdade, interessa-lhes manter estes níveis de abstenção“, atirou.

Com a implementação do voto obrigatório, os resultados das eleições seriam, de acordo com a sua opinião, imprevisíveis.

André Ventura denunciou ainda que as pessoas conhecem os líderes dos partidos e pouco mais e que as legislativas se tornaram numa espécie de candidatura a primeiro-ministro. Relembrado sobre a decisão do então presidente da República Jorge Sampaio de dissolver a Assembleia da República porque Santana não tinha sido legitimado nas eleições, André Ventura defendeu que Marcelo não seria capaz de fazer o mesmo.

Estou convencido de que o professor Marcelo Rebelo de Sousa nunca dissolveria uma Assembleia da República, quanto mais não fosse porque morreria de medo de o fazer“, atirou.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. A única coisa que concordo é que o voto deveria ser Obrigatório… aí sim, se veria como estavam as diversas forças políticas. para já a abstenção é a maioria, infelizmente. O que estraga tudo.

      • Eu sugeria que os votos em branco deviam estar representados no parlamento com cadeiras vazias. Desse modo, o nível de abstenção diminuiria muito e isto porque aqueles que atualmente não vão votar, muitos deles é porque não se revêm em nenhum dos partidos concorrentes a esta eleição e com a implementação da minha sugestão, essas pessoas iriam com certeza votar em branco.

    • Obrigatorio ?? É essa a base da democracia ? Obrigar as pessoas
      Eu nao voto, nao quero votar e tenho TODO O DIREITO de ficar em casa deitadinho no sofa
      A minha unica obrigação é pagar impostos, e essa é cumprida

  2. Pois, mas este, que eu saiba, não tem subvenções nem vive dos meus impostos… mas que anda á procura, lá isso anda… mas não lhe levo a mal. Teve azar e não foi esperto ao ponto de se queimar na Camara de Loures. Se fosse do Sporting, tinha mentalidade de lambe botas e já tinha poleiro…

RESPONDER

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …

Estado de emergência no México suspende produção de cerveja Corona

Nem toda a publicidade é boa publicidade. Que o diga a cerveja mexicana Corona que, em tempos de pandemia, partilha o nome com o vírus de que já ninguém quer ouvir falar. Segundo o jornal The …

Gás natural pode transformar Moçambique no "Qatar de África" (se os jihadistas deixarem)

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no "Qatar de África". …

Afinal, os 1.000 ventiladores doados por Elon Musk podem não ser completamente inúteis

Elon Musk, CEO da Tesla, doou mil ventiladores do tipo errado a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Agora, afinal, os ventiladores vão poder ser usados em casos de …

Cientistas preveem quatro grandes furacões no Atlântico em 2020

Cientistas da Universidade Estadual do Colorado, nos Estados Unidos, preveem que se formem quatro grandes furacões no Oceano Atlântico em 2020. De acordo com os especialistas, estes quatro furacões serão de categoria 3 a 5 na …

Neymar doa 870 mil euros para luta contra a pandemia no Brasil

O futebolista internacional brasileiro Neymar doou cerca de 870 mil euros para a luta contra a pandemia covid-19 no seu país, revelou esta sexta-feira o canal SBT. Segundo a estação de televisão brasileira, o contributo de …