Chef português de Nova Iorque é nova estrela da gastronomia

anthonygoncalves.com

O luso-americano Anthony Gonçalves, chef do restaurante 42, é a nova estrela da gastronomia nova-iorquina

O luso-americano Anthony Gonçalves, chef do restaurante 42, é a nova estrela da gastronomia nova-iorquina

O luso-americano Anthony Gonçalves é o chef do restaurante 42, no hotel Ritz-Carlton de White Plains, em Nova Iorque, onde já passaram estrelas como Leonardo DiCaprio ou Michael Douglas.

Há três anos consecutivos que o “The New York Times” atribui ao “42” a classificação máxima, um reconhecimento do trabalho de Gonçalves, que já foi considerado um dos chefs a ter em vista pela revista “Esquire” e foi incluído na série “chefs do futuro” da “Time”.

O luso-americano, de 42 anos, é filho de António e Beatriz Gonçalves e cresceu em Yonkers, onde sonhou ser jogar profissional de futebol e, talvez, vestir a camisa do seu clube português, o Benfica.

Uma lesão no joelho obrigou-o a desistir do sonho. Durante a licenciatura em marketing, começou a trabalhar no restaurante de um amigo, servindo às mesas.

“Foi aí que comecei a perceber que tinha uma paixão por restaurantes e bem receber. Comecei a sonhar com o meu espaço, onde servia as receitas de que gostava e as pessoas se sentiam bem, mas nunca pensei em cozinhar”, diz.

Aos 26 anos, abriu um espaço em sociedade com os pais, o “Trotters Tavern”, em White Plains.

“Montámos uma ementa, mas não conseguíamos um chefe que a fizesse bem”, lembra.

Os cozinheiros sucederam-se durante vários meses. Numa semana, Anthony despediu dois. Foi nessa altura que decidiu avançar.

“Eu e os meus pais tínhamos muito dinheiro investido. Não sabia cozinhar, mas sabia que não podia continuar a arriscar. Saltei para a cozinha e o resto é história”, lembra.

O chef, que até ir para a escola só falava português, passou todos os verões até completar 18 anos em Portugal.

“Cresci a comer caracóis, camarão, rissóis de bacalhau, cabrito, carne de porco à alentejana, linguiça. A comida tinha uma importância enorme na nossa casa, era a nossa riqueza. Ao pequeno-almoço, falávamos do almoço, ao almoço falávamos do jantar e ao jantar começávamos a planear as refeições do dia seguinte”, lembra.

É este percurso que informa a a influência portuguesa na sua cozinha.

anthonygoncalves.com

Anthony Gonçalves, que até ir para a escola só falava português, passou todos os verões até completar 18 anos em Portugal

Anthony Gonçalves, que até ir para a escola só falava português, passou todos os verões até completar 18 anos em Portugal

“A minha culinária é moderna, é portuguesa e é americana. Os nossos ingredientes são portugueses. É como cresci a comer, mas pego nessa base sólida e transformo-a. É algo diferente, mas depois provas e pensas: Espera aí, eu lembro-me disto”, explica.

Em 2004, depois de ficar em segundo lugar no concurso para liderar a cozinha do “Gilt”, em Manhattan, foi contatado por um dos seus clientes para ser sócio de um restaurante de sonho, no novo hotel “Ritz-Carlton”, um espaço de 2200 metros quadrados, a 150 metros de altura.

Anthony disse logo que sim, concordando passar do pequeno “Trotters” para um gigante onde teria de servir mais de 1500 pessoas por semana e dirigir uma equipa de 87 pessoas a tempo inteiro.

Trabalhar 70 horas por semana

No início, trabalhava entre 15 e 18 horas por dia. “Praticamente matei o meu pessoal, trabalhámos sete dias por semana durante vários meses. Lembro-me do primeiro dezembro, em que trabalhei 23 dias seguidos. Cheguei ao Natal exausto.”

Gonçalves ainda trabalha cerca de 70 horas por semana, mas joga futebol todas as semanas, vai à praia com os filhos, pesca com o pai. Visita Portugal três ou quatro vezes por ano, com os filhos, que têm dupla nacionalidade e estão a aprender português.

“Quero expô-los a Portugal, levá-los aos Açores e à Madeira e, se tiver oportunidade, Moçambique, Brasil, Macau e Goa. Quero que conheçam o mundo português e a nossa cozinha.”

O restaurante é muito popular entre várias celebridades, desde o príncipe de Marrocos a desportistas como Vanessa Williams ou Michael Jordan, a equipa de basquetebol “New York Knicks” e de hóquei “New York Rangers”, a atores de Hollywood, como Michael Douglas, Catherine Zeta Jones e Leonardo DiCaprio, e músicos como Rob Thomas e Steve Perry, também de descendência portuguesa, e que é bom amigo de Anthony.

Anthony diz que melhor parte dos seus dias é quando o restaurante está cheio, a cozinha a receber dezenas de pedidos, e ele pode recuar e ver a equipa a trabalhar como uma engrenagem de alta precisão.

“É aí que sinto que fiz o meu trabalho”, garante.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …