Cancro. Centros de saúde não conseguem retomar rastreios e recuperar atividade

A Ordem dos Médicos alertou que os centros de saúde não estão a conseguir retomar os rastreios de alguns cancros, que estão a ser feitos apenas de forma oportunista, e que tem sido quase impossível recuperar a atividade perdida.

Após um ciclo de visitas a centros de saúde da Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo e Algarve, que vai complementar a informação do inquérito enviado a todos os médicos de medicina geral e familiar para apurar a situação nos cuidados de saúde primários, a Ordem dos Médicos alertou que os profissionais destes centros continuam sobrecarregados com tarefas ligadas à pandemia e com pouco tempo para os restantes utentes.

“A pandemia interferiu, e ainda interfere, com todos os centros de saúde, numas áreas de forma mais comum e noutras mais acentuada nalguns aspetos, de acordo com as realidades locais”, explicou à agência Lusa o presidente do Conselho Regional Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Valentim Lourenço.

O responsável disse ainda que, em muitos centros de saúde, “não houve sequer ainda a retoma da normalidade, quanto mais a recuperação do que ficou em atraso”, lembrando que os centros de saúde receberam orientações diferentes das administrações regionais de saúde para a resposta à pandemia, “sem coerência”.

“Numas situações deram autonomia ao centro de saúde para se adaptar e dar resposta, noutras não. Muitos tinham de obedecer a regras que muitas vezes não tinham aplicação lógica nem prática”, apontou.

Sublinhou que os médicos e enfermeiros dos centros de saúde encararam a vacinação covid-19 como “uma missão nacional”, mas que “não estavam à espera de serem requisitados de forma tão brutal como foram”.

“Havia intenção de os centros de vacinação recorrerem à contratação de médicos e enfermeiros voluntários (…), mas na maior parte dos sítios, para poupar dinheiro, os médicos de família foram incluídos em sistemas rotativos para vacinação, uma missão que encaram como nobre e necessária, mas que lhes retira tempo para os seus doentes”, disse.

O presidente do Conselho Regional Sul da Ordem dos Médicos referiu ainda que nalguns centros de saúde a situação é mais complicada. “Em centros de saúde com três ou quatro médicos, deslocar todos os dias um para vacinação deixa um terço ou metade dos utentes sem médico”, indicou.

Alexandre Lourenço apontou também os atrasos nos rastreios que dependem dos cuidados de saúde primários, dizendo que, no caso do cancro do colo do útero, já têm “um ano e meio de atraso”.

Lembrou ainda que nos rastreios que não dependem do funcionamento do centro de saúde, como é o caso do cancro da mama – baseado em ecografias que podem ser feitas fora do centro de saúde -, os médicos fazem as prescrições e as pessoas estão a retomar, mas, no rastreio do colo do útero, por exemplo, “as citologias não estão a ser feitas”.

Tânia Rêgo / ABr

“Os rastreios, muitas vezes, eram feitos por médicos com auxílio de enfermeiros e não estão uns nem outros. (…) O do cancro do colo do útero é paradigmático, não há rastreios de forma sistemática. Estão a ser feitos de forma esporádica e oportunista, ou seja, o doente aparece com queixas e faz-se o rastreio”, explicou.

“Antigamente era ao contrário, chamavam-se 100 doentes para fazer 100 rastreios. E agora não se chamam doentes”, acrescentou.

O médico referiu que “há pequenas diferenças”, mas que os rastreios “estão atrasados em todas as regiões”, que o planeamento familiar “foi reduzido” e que as consultas de saúde materna e pediátricas (grávidas e crianças) se mantiveram, mas que “houve normas para se reduzir para as idades-chave”.

Sobre as tarefas que sobrecarregaram os profissionais dos centros de saúde na resposta à pandemia, notou: “Os médicos continuam a fazer as escalas dos ADR [centros de assistência à doença respiratória]. No pico da pandemia, em janeiro ou fevereiro, ainda não havia muita vacinação na comunidade, mas os médicos estavam assoberbados com o ‘trace-covid’ [contactos diários com doentes infetados] e os ADR. Quando o ‘trace covid’ e os ADR melhoraram, começaram a ser requisitados para a vacinação”.

Defendeu que o ideal seria colocar nos centros de vacinação médicos que se reformaram e que se estão a voluntariar: “Se conseguirmos ir buscar médicos que estão relativamente livres e que podem fazer os turnos nos centros de vacinação conseguimos intensificar a vacinação sem prejudicar a assistência dos utentes dos centros de saúde”.

“O doente que tem uma diabetes, ou uma hipertensão, ou que tem uma infeção e precisa de ser visto, tem de ter um médico à espera, e em muitos centros não há”, afirmou, alertando: “e atenção que muitos destes profissionais não fizeram férias”.

Defendeu que o sistema “precisava de um esforço extra, de mais recursos humanos e mais capacidade para recuperar o que estava a ser feito” e lamentou: “O que nós estamos a ver é que não há essa capacidade de recuperação”.

O especialista alertou ainda para o atraso nos concursos para novos especialistas, sublinhando: “nós visitámos várias unidades em que havia médicos que já tinham acabado a especialidade e que continuam à espera de saber para onde é que vão trabalhar”.

“Passam meses e não lhes arranjam nenhuma definição para a sua carreira, eles aceitam oportunidades de trabalho no privado, ou mudam de ramo, ou vão para os cuidados continuados, que também precisam de médicos”, declarou.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Falta de água leva Associação de Beneficiários do Mira a cortar tubos dos pequenos agricultores

"Cortaram sem um aviso". A queixa é dos pequenos agricultores do sudoeste alentejano que se queixam de que a Associação de Beneficiários do Mira lhes cortou a água da Barragem de Santa Clara, numa altura …

Somente 37% dos portugueses recusam líder autoritário, revela estudo

Um estudo da Gulbenkian, divulgado esta sexta-feira, revelou que baixou para 37% a percentagem de portugueses que não quereriam ser governados por um líder autocrático, que não tivesse de se submeter ao parlamento ou a …

Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto.

"Não há falta de médicos". Faculdades de Medicina não vão aumentar vagas

O Governo vai voltar a abrir a porta ao aumento de vagas nos cursos procurados pelos melhores alunos, mas as faculdades de Medicina voltam a fechá-la. De acordo com o jornal Público, o Governo vai voltar …

Jesus chama por Al Musrati. Benfica tem trunfo para baixar o preço

Jorge Jesus está a pressionar Luís Filipe Vieira para que avance o mais rapidamente possível para a contratação de Al Musrati. Chiquinho pode ser incluído no negócio. O Benfica mantém Al Musrati como o principal alvo …

Surtos em festas e casamentos pioram situação em Lisboa e Vale do Tejo

Só na região de Lisboa e Vale do Tejo foram recentemente identificados nove surtos de covid-19 relacionados com festas de aniversário, casamentos e outros eventos sociais, informa a Direção-Geral da Saúde (DGS). Do total de nove …

Cancro. Centros de saúde não conseguem retomar rastreios e recuperar atividade

A Ordem dos Médicos alertou que os centros de saúde não estão a conseguir retomar os rastreios de alguns cancros, que estão a ser feitos apenas de forma oportunista, e que tem sido quase impossível …

Arranca o Euro2020. Itália e Turquia medem forças um ano depois do previsto

As seleções da Itália e da Turquia dão hoje o pontapé de saída para o Euro2020 de futebol, em Roma, com o torneio a disputar-se um ano depois do previsto devido à pandemia de covid-19. No …

Peglow cada vez mais perto do FC Porto. Lágrimas anunciam saída do jogador

João Peglow está perto de chegar ao FC Porto por empréstimo. Os 'dragões' devem ficar com uma opção de compra no valor de 6 milhões de euros. Na noite desta quinta-feira, o Internacional perdeu por 3-1 …

Monges cristãos podem ter enterrado este tesouro para enganar os Vikings

Um tesouro descoberto em Balmaghie, na Escócia, em 2014, pode ter sido escondido por monges ou padres cristãos por causa dos Vikings. Há mais de mil anos, alguém escondeu um tesouro opulento com mais de uma …

PS dividido entre Manuel Pizarro e José Luís Carneiro para a Câmara do Porto

Depois da desistência de Eduardo Pinheiro, o PS volta a estar indeciso entre Manuel Pizarro e José Luís Carneiro para a candidatura à Câmara Municipal do Porto. Pouco mais de 24 horas depois de ter sido …