CDS à frente do PSD seria uma “mudança brutal” do sistema

Sociais-democratas consideram ambição de Assunção Cristas “irrealista”. Carlos Jalali, politólogo, fala numa mudança “difícil, mas não impossível”.

Se o CDS conseguisse suplantar o PSD e tornar-se no principal partido de centro-direita, essa seria uma “mudança brutal” no sistema político português, acredita Carlos Jalali, especialista em sistemas políticos.

O professor da Universidade de Aveiro lembra que só nas primeiras eleições o CDS conseguiu os seus melhores resultados e o mais próximo dos sociais-democratas. Freitas do Amaral, o fundador do partido, conquistou 42 lugares – num Parlamento de 263 deputados – contra 73 do PSD de Sá Carneiro.

Segundo o Diário de Notícias, no entanto, Jalali sublinha o potencial de Assunção Cristas para fazer reforçar o peso do CDS, num momento em que o PSD parece não estar a capitalizar nas intenções de voto em relação ao PS e, no terreno simbólico, o facto de ter ficado à frente da candidata social-democrata, Teresa Leal Coelho, nas eleições autárquicas em Lisboa serve de referencial: “Nós podemos, o PSD não é imbatível.”

Por outro lado, há uma “diferença abissal das estruturas a nível nacional entre os dois partidos”.

O PSD está representado em força nas câmaras municipais, o que diz, “ajuda a mobilizar o eleitorado”. Aliás, a implantação territorial do CDS foi sempre um dos problemas do partido, que sofreu a sua maior erosão durante mais de uma década de liderança cavaquista do PSD e do país.

Durante as duas maiorias absolutas de Cavaco, o CDS encolheu de tal forma, com 4 deputados e depois cinco, que ficou conhecido como o “partido do táxi“.

Nos anos em que concorreram sozinhos para a Assembleia da República, como acontecerá em 2019, os centristas nunca conseguiram, à exceção de 1976, chegar sequer à metade dos lugares conquistados pelos sociais-democratas.

O CDS em “bicos de pés”

Depois de o CDS se afirmar como a principal força de centro-direita, o PSD reagiu e considerou a ambição da líder do partido “irrealista” e um “enorme disparate”.

Entre as hostes sociais-democratas lembra-se a Assunção Cristas que os resultados nas autárquicas não são transponíveis para o plano nacional. António Bragança Fernandes, presidente da distrital do Porto do PSD, considera que Assunção Cristas está a “pôr-se em bicos de pés”, confundindo os votos autárquicos que obteve em Lisboa, em outubro passado, com legislativas.

“São duas coisas diferentes as autárquicas não têm nada a ver com as eleições legislativas”, diz ao DN, sublinhando que a líder centrista “está a elevar muito a fasquia”. Bragança relembra que, em Lisboa, o que esteve em causa foram nomes, enquanto que nas legislativas, o que vai a jogo “é o partido em si”.

Ao CDS “pode sair o tiro pela culatra”, diz o presidente da maior distrital social-democrata – apoiante de Pedro Santana Lopes nas eleições internas – que rejeita que a estratégia de Rui Rio esteja a abrir espaço ao CDS entre o eleitorado de centro-direita. “Rui Rio está a fazer o que é do melhor interesse para o país a longo prazo, está a apostar no futuro”.

Já Carlos Peixoto, vice-presidente da bancada e líder da distrital da Guarda diz que as ambições do CDS “são legítimas”, na medida em que é “legítimo sonhar”. Mas são igualmente “irrealistas”. “Não têm nenhum tipo de adesão à realidade do comportamento eleitoral dos portugueses”, destaca o parlamentar laranja.

E se Cristas bateu o PSD em Lisboa, relegando os sociais-democratas para o lugar de terceira força política na capital, o vice-presidente do grupo parlamentar diz que “o Dr. Rui Rio não é a Dra. Teresa Leal Coelho” e que não se podem fazer comparações entre eleições autárquicas e legislativas.

Outro deputado da bancada, que não apoiou publicamente Rui Rio nem Santana Lopes, diz que “o CDS querer alargar o eleitorado infligindo golpes no PSD é um enorme disparate“.

Para este social-democrata “cada partido deve fazer o seu caminho, elegendo sempre o PS como alvo. O alargamento do eleitorado tem de ser feito para fora e não para dentro do centro-direita”.

O deputado entende que Assunção Cristas “ainda não percebeu qual o papel dela e do CDS. Ao longo dos tantos anos em que Paulo Portas presidiu ao CDS, nunca se viu entrar num congresso a ser anunciado como o próximo primeiro-ministro de Portugal. No discurso de Assunção está implícito que, como agora o PSD anda um pouco atrapalhado, vamos filá-los. É ridículo e na política o ridículo mata”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Tony transformou autocarro em Arca de Noé para salvar animais do Florence

Enquanto muitos americanos fugiam do furacão Florence, um camionista de 51 anos fazia o percurso inverso com uma missão em mente. Dentro de um autocarro, Alsup transportou mais de 60 animais da costa da Carolina …

Mais de 500 rinocerontes mortos na África do Sul este ano

A caça furtiva na África do Sul causou a morte a 508 rinocerontes, entre janeiro e agosto deste ano, o que significa um decréscimo no número de espécimes caçados, em relação a 2017, anunciou o …

Número de mortos em naufrágio na Tanzânia sobe para 170

O número de pessoas que morreram no naufrágio de um navio de passageiros no lago Vitória, na Tanzânia, subiu para 170, de acordo com os meios de comunicação locais. As operações de resgate recomeçaram na manhã …

Há um satélite-pescador no espaço

O Satélite britânico RemoveDebris está a navegar no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita com o objetivo de capturar material que anda à deriva em redor da Terra. O satélite-pescador britânico …

Governo cumpriu “rigorosamente” acordo com setor do táxi

O Ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor. "Não é verdade que se …

Juízes defendem acórdão que desvaloriza violação de mulher inconsciente

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses sai em defesa dos dois magistrados, um dos quais o presidente da entidade, que assinaram o acórdão que desvaloriza a gravidade da violação de uma mulher inconsciente, numa discoteca, …

Salas para maiores de 18 anos levam à demissão do director de Serralves

O director artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, demitiu-se do cargo depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert …

Isabel do Santos desmente ação contra João Lourenço mas processo deu entrada no Supremo

Isabel do Santos, filha do antigo Presidente da Angola, desmente ter entrado com uma ação contra o atual Presidente João Lourenço. No entanto, o processo cível contra o Estado deu entrada no Supremo. De acordo …

Arqueólogos fazem "descoberta do Século" no Tejo (e tem pimenta)

Uma equipa de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, do Projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática do Litoral, descobriu uma nau que terá naufragado entre 1575 e 1625, e que é considerada a “descoberta do …

ADSE adia implementação de novas regras para tentar acordo com privados

Os hospitais privados e ADSE continuam com o braço de ferro, mas, por agora, os privados não vão deixar de operar beneficiários da ADSE. O boicote anunciado esta manhã foi adiado. Esta manhã, o o semanário …