CDS à frente do PSD seria uma “mudança brutal” do sistema

Sociais-democratas consideram ambição de Assunção Cristas “irrealista”. Carlos Jalali, politólogo, fala numa mudança “difícil, mas não impossível”.

Se o CDS conseguisse suplantar o PSD e tornar-se no principal partido de centro-direita, essa seria uma “mudança brutal” no sistema político português, acredita Carlos Jalali, especialista em sistemas políticos.

O professor da Universidade de Aveiro lembra que só nas primeiras eleições o CDS conseguiu os seus melhores resultados e o mais próximo dos sociais-democratas. Freitas do Amaral, o fundador do partido, conquistou 42 lugares – num Parlamento de 263 deputados – contra 73 do PSD de Sá Carneiro.

Segundo o Diário de Notícias, no entanto, Jalali sublinha o potencial de Assunção Cristas para fazer reforçar o peso do CDS, num momento em que o PSD parece não estar a capitalizar nas intenções de voto em relação ao PS e, no terreno simbólico, o facto de ter ficado à frente da candidata social-democrata, Teresa Leal Coelho, nas eleições autárquicas em Lisboa serve de referencial: “Nós podemos, o PSD não é imbatível.”

Por outro lado, há uma “diferença abissal das estruturas a nível nacional entre os dois partidos”.

O PSD está representado em força nas câmaras municipais, o que diz, “ajuda a mobilizar o eleitorado”. Aliás, a implantação territorial do CDS foi sempre um dos problemas do partido, que sofreu a sua maior erosão durante mais de uma década de liderança cavaquista do PSD e do país.

Durante as duas maiorias absolutas de Cavaco, o CDS encolheu de tal forma, com 4 deputados e depois cinco, que ficou conhecido como o “partido do táxi“.

Nos anos em que concorreram sozinhos para a Assembleia da República, como acontecerá em 2019, os centristas nunca conseguiram, à exceção de 1976, chegar sequer à metade dos lugares conquistados pelos sociais-democratas.

O CDS em “bicos de pés”

Depois de o CDS se afirmar como a principal força de centro-direita, o PSD reagiu e considerou a ambição da líder do partido “irrealista” e um “enorme disparate”.

Entre as hostes sociais-democratas lembra-se a Assunção Cristas que os resultados nas autárquicas não são transponíveis para o plano nacional. António Bragança Fernandes, presidente da distrital do Porto do PSD, considera que Assunção Cristas está a “pôr-se em bicos de pés”, confundindo os votos autárquicos que obteve em Lisboa, em outubro passado, com legislativas.

“São duas coisas diferentes as autárquicas não têm nada a ver com as eleições legislativas”, diz ao DN, sublinhando que a líder centrista “está a elevar muito a fasquia”. Bragança relembra que, em Lisboa, o que esteve em causa foram nomes, enquanto que nas legislativas, o que vai a jogo “é o partido em si”.

Ao CDS “pode sair o tiro pela culatra”, diz o presidente da maior distrital social-democrata – apoiante de Pedro Santana Lopes nas eleições internas – que rejeita que a estratégia de Rui Rio esteja a abrir espaço ao CDS entre o eleitorado de centro-direita. “Rui Rio está a fazer o que é do melhor interesse para o país a longo prazo, está a apostar no futuro”.

Já Carlos Peixoto, vice-presidente da bancada e líder da distrital da Guarda diz que as ambições do CDS “são legítimas”, na medida em que é “legítimo sonhar”. Mas são igualmente “irrealistas”. “Não têm nenhum tipo de adesão à realidade do comportamento eleitoral dos portugueses”, destaca o parlamentar laranja.

E se Cristas bateu o PSD em Lisboa, relegando os sociais-democratas para o lugar de terceira força política na capital, o vice-presidente do grupo parlamentar diz que “o Dr. Rui Rio não é a Dra. Teresa Leal Coelho” e que não se podem fazer comparações entre eleições autárquicas e legislativas.

Outro deputado da bancada, que não apoiou publicamente Rui Rio nem Santana Lopes, diz que “o CDS querer alargar o eleitorado infligindo golpes no PSD é um enorme disparate“.

Para este social-democrata “cada partido deve fazer o seu caminho, elegendo sempre o PS como alvo. O alargamento do eleitorado tem de ser feito para fora e não para dentro do centro-direita”.

O deputado entende que Assunção Cristas “ainda não percebeu qual o papel dela e do CDS. Ao longo dos tantos anos em que Paulo Portas presidiu ao CDS, nunca se viu entrar num congresso a ser anunciado como o próximo primeiro-ministro de Portugal. No discurso de Assunção está implícito que, como agora o PSD anda um pouco atrapalhado, vamos filá-los. É ridículo e na política o ridículo mata”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Ciência descobriu quando nasceu Deus

A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir do Céu e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade. Essa é a principal conclusão …

Famílias numerosas queixam-se de disparidades no preço da água consumida

A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas queixou-se da diferença no preço da água consumida consoante o município onde se vive e o número de pessoas do agregado familiar. Na quarta edição do estudo sobre a água …

Costa condiciona extensão do Brexit para além de 23 de maio à aprovação do acordo

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que uma extensão do Brexit para além de 23 de maio implica a ratificação do Acordo de Saída pelo Parlamento britânico ou a realização de eleições europeias no …

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer influencia risco de desenvolver a doença

Ter avós, tios ou primos com Alzheimer aumenta a probabilidade de desenvolver a doença, concluiu um estudo recente que avaliou a história familiar de mais de 280 mil pessoas. Na última década, vários estudos indicaram a …

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …

Câmaras escondidas em hotéis filmavam hóspedes sem consentimento

O escândalo foi revelado na Coreia do Sul, onde dois homens foram presos por esconder câmaras em hotéis, que transmitiam as imagens em direto para um site, onde havia quem pagasse dinheiro para ver as …