Amigos, amigos, contas à parte. Catarina Martins e António Costa aqueceram o debate

Nuno Fox / Lusa

O primeiro-ministro e líder do PS e a coordenadora do BE confrontaram ideias, esta sexta-feira, num debate televisivo na RTP. As “contas certas” foram o principal tema deste frente-a-frente.

António Costa e Catarina Martins foram os protagonistas do debate televisivo desta sexta-feira à noite, transmitido na RTP, e, embora o frente-a-frente tenha começado cordial, com o decorrer da conversa, as coisas ficaram mais tensas.

Na primeira pergunta, o moderador António José Teixeira questionou a coordenadora do Bloco de Esquerda sobre quais serão as condições do partido para formar Governo com o PS, tal como fez há quatro anos.

“Vamos deixar as pessoas votarem. O BE nunca faltou à estabilidade da vida das pessoas. Estamos em condições diferentes de há quatro anos e ainda bem”, afirmou Catarina Martins, destacando que, embora tenha havido coisas positivas — como os passes sociais, a atualização do salário mínimo ou o IRS — também há “fracassos” que ficam desta legislatura, como os professores, os precários do Estado, o Novo Banco e o BANIF.

Sobre a mesma questão, o secretário-geral do PS considerou que o Governo conseguiu cumprir “todos os compromissos com os portugueses, com os partidos parceiros e com a União Europeia”, mas lembrou que “nada voltará a ser como dantes”.

“O diálogo político deve ser alargado, envolvendo nomeadamente PCP e BE. Aprendemos a trabalhar em conjunto e a ter respeito mútuo. A democracia assenta em alternativas, independentemente do grau de maioria, o diálogo estará presente. Não abri um diálogo para ser eu a fechar essa porta“.

“O programa do PS não tem contas”

Relativamente a uma eventual maioria absoluta do PS nas legislativas de 6 de outubro, Catarina Martins considera que isso poderá vir a ser “perigoso”, uma vez que “este programa socialista é pouco concreto, não tem contas e não diz o que pretende fazer”.

“Ouvi Mário Centeno dizer que queria aumentar os trabalhadores da Função Pública segundo a inflação, mas o PS não apresenta contas e o que lá está não chega. O que está no Programa de Estabilidade não chega para aumentar os funcionários públicos”.

Foi então que Costa contrapôs: “Nunca nos batemos pelo enfraquecimento de ninguém, o Bloco é que tem como objetivo que o PS não se fortaleça o suficiente. Temos um programa com contas feitas, que é realista, não propõe um aumento de 30 mil milhões de euros anual em despesa. Um programa não pode ser uma lista de prendas de Natal. São 15% do PIB, é absolutamente irrealizável. Um programa de Governo tem de fazer escolhas”, critica o primeiro-ministro, referindo-se ao programa bloquista.

“Caricatura” das nacionalizações

O debate começou a ficar animado, sobretudo quando Costa confrontou Catarina por causa de eventuais nacionalizações de empresas como a Galp, ANA, CTT e a REN. “Há coisas que não consigo perceber. O Bloco tem um programa que prevê 27 mil milhões de dívida para nacionalizar ANA, CTT, REN, Galp. Quando precisamos de melhor escola pública e SNS. Dez mil milhões para nacionalizar a Galp é o que se gasta com o SNS. Eu não quero nacionalizar a Galp, quando os dez mil milhões do SNS são insuficientes. Não vou gastar esse dinheiro dos portugueses”.

E Catarina respondeu: “Há questões que podemos caricaturar mas é preciso ter cuidado quando o fazemos. As nacionalizações são um consenso à esquerda, entre PCP e BE, e acho que o PS percebe essa necessidade. O que o Bloco propõe é bastante razoável. O PS sabe que não precisou de comprar o capital todo da TAP para ter controlo da TAP”.

“O que o Bloco propõe é uma prioridade de renacionalização dos CTT, que foi vendido por 920 milhões de euros, já vale metade e está a ser destruído, por isso, o PS sabe tão bem como o BE que vai ter de agir”.

“Por exemplo, fazer também a nacionalização, não de toda a REN, mas do sistema global de gestão da energia da REN. Na verdade, não me parece que a questão sejam as nacionalizações. Nacionalizada a REN já está, mas é uma nacionalização chinesa porque é o Governo chinês que controla a energia em Portugal”.

“Com toda a amizade, vamos falar de trabalho?”

“É pena que o PS não apresente contas no programa eleitoral ao contrário do que faz o Bloco, remete-as para o Programa de Estabilidade. E essas contas são um pouco estranhas. Não há verbas para aumentar funcionários públicos e estão previstos cortes nas carreiras especiais da Função Pública, sem se explicar como”, critica a candidata do BE pelo Porto.

A líder do Bloco voltou à questão das contas, obrigando o chefe do Executivo a dar um exemplo do programa “irrealista” dos bloquistas. “Se quer falar de contas, deixe-me dar-lhe um exemplo: vocês propõem a construção de 100 mil prédios. Mas fazem cálculos a 60 mil euros o fogo. O valor é absolutamente desconforme com a realidade. Em Almada lançámos 3500 fogos, o valor de referência são 114 mil euros”.

“O PS diz que quer erradicar as carências de habitação até 2024. A diferença dos números é que não estamos a falar de construção, falamos de reabilitação de casas do Estado. Com toda a amizade, vamos falar de trabalho?”, sugeriu Catarina.

“Uma em cada cinco pessoas tem um contrato precário e nos jovens são dois em cada três. Temos um enorme problema com a legislação laboral e o PS parece acreditar que está tudo bem. Fazermos de conta que está tudo bem parece-nos perigoso”.

Costa, por sua vez, diz que a legislação contraria a precariedade. “A legislação que entrará em vigor em outubro cria melhores condições de empregabilidade, que penaliza as empresas que abusam da precariedade e vai melhorar a vida de muitas pessoas”.

Catarina Martins não concorda. “Os patrões gostaram, claro que gostaram. Um dia, à noite, tivemos uma reunião em que combinámos os contratos a prazo e no outro dia fomos confrontados com uma medida nova que era o período experimental e ninguém nos tinha dito nada. Depois o Governo pediu desculpa, tinha-se esquecido”.

A Cultura foi o último tema a ser debatido. O Bloco de Esquerda propõe 1% do PIB para este setor, Costa promete “duplicar” esse número, mas no Orçamento de Estado.

E a quem é que os dois líderes vão ligar depois de conhecidos os resultados das Legislativas? Catarina Martins foi a primeira a responder: “O BE estará sempre disponível para soluções que permitam estabilidade no salário, na pensão e nos serviços públicos. Ninguém traz cheques em branco“, avisa porém.

“Se for Rui Rio a ganhar, ligarei. Não vou ligar a mim próprio”, ironizou Costa. Então vai ligar aos parceiros de esquerda? “Não há tabus sobre esta matéria. Independentemente de qual for o resultado, a porta que abri não vou fechar. O muro que derrubei há quatro anos, a porta de diálogo que abri há quatro anos não vou fechá-la agora“, concluiu.

FM, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pois é verdade Costa esconde as contas, que estão na merd… mas mantém para eleições aumentarem vencimentos na Funçã Pública!!!!
    Sabendo que está um caos: Saúde, Educação, Segurança, Justiça, Atendimento ao Público e muito mais…
    Costa deveria era ter a Maioria Absoluta só para ver o que faz, porque Portugal em Breve vem a TROICA, e o país está com a divida a 600% passa a estar muito pior…e assim como sempre atira as culpas para os outros e assim ele terá que se responsabilizar e não culpar, porque as contas estão um desastre.
    Tanta corrupção, roubo ao povo, interesses familiares e amigos do PS descriminação pelos portuguêses.
    Falsidade do Governo PS que tudo faz como Sócrates fez e nos levou á Banca Rôta…a merd.. é a mesma…
    Mal do Governo que tem de Governar o País nos próximos 4 anos, tanto roubaram e assim Costa irá comer no prato que deixou…E assim é o fim do PS…
    Mas houve 3.000.000€ (Três milhões de euros) para a construção da Mesquita na Mouraria e a EDP deu 1.000.000€ (Um milhão de euros)…
    E nos com familias na miséria e fome e os sem abrigo e ainda Ordenado minimo, baixo e vencimentos precários, por causa do criador dos contratos a prazo Mário Soares e nos levou á Banca Rôta e assim continuamos a ser um país pela Miserdicórdia de outros.
    PORTUGAL, já não é nosso é sim dos credores….
    O que fez o 25 de Abril de 1974, nos levou para o abismo, um pais a crescer a 12% hoje estamos na merd…
    Muita boa gente roubou e se aproveitou-se e passou haver os Corruptos e ladões do povo…
    PORTUGAL ESTÁ A SE GOVERNADO POR AS MAÇONARIAS E ASSIM OS MAÇONS ESTÃO EM TODO LADO…EM TODOS MINISTÉRIOS E EMPRESAS PÚBLICAS ETC… É A VERDADE…

RESPONDER

Mais oito mortos e 328 infetados. Câmara de Lisboa tem 33 casos "ativos"

Há mais oito mortos e 328 casos positivos em Portugal nas últimas 24 horas. A Câmara de Lisboa regista atualmente 33 casos de infeção por covid-19 “ativos”. Portugal regista, esta quinta-feira, mais oito mortos e 328 …

Limitação dos apoios a sócios-gerentes não é "justa", diz Confederação das empresas

A Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas não entende a razão para limitar a ajuda a sócios-gerentes ao valor de 1.905 euros, proposta que não consideram justa. Em entrevista à Rádio Observador na quinta-feira, o …

Devolução de manuais. Diretores acusam políticos de "brincar às escolinhas"

Os diretores escolares criticaram hoje o 'timing' da proposta de suspensão de devolução de manuais escolares, acusando os políticos de andar a “brincar às escolinhas” sem perceberem o trabalho que implica reutilizar milhões de livros. O …

Passageiros dos EUA e PALOP têm de apresentar teste negativo de covid-19

O Governo prorrogou várias medidas restritivas do tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal, com novas orientações e exceções, num despacho publicado terça-feira em Diário da República. Segundo noticiou o Expresso, um comunicado do …

PGR angolana diz que Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal

Isabel dos Santos pode ser ouvida em Portugal ou noutro país com acordos judiciários com Angola, no âmbito do processo-crime por alegada má gestão e desvio de fundos da Sonangol, disse à Lusa fonte da …

Autoridades descartam participação da milícia "Escritório do Crime" no caso Marielle Franco

O envolvimento da milícia conhecida como "Escritório do Crime" no homicídio da vereadora e ativista Marielle Franco chegou a ser investigado, mas foi descartado pela polícia brasileira. O delegado brasileiro Daniel Rosa, da cidade do Rio …

Desconfinamento não foi suficiente. Desemprego volta a subir em Espanha para valores de 2016

O número de desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego em Espanha voltou a aumentar em 5.107 pessoas em junho, uma desaceleração em relação a maio, atingindo um total de 3.862.883 espanhóis. De acordo com os …

Governo vai monitorizar discurso de ódio na Internet

O Governo vai monitorizar o discurso de ódio nas plataformas online, estando "em vias" de dar início à contratação pública de um projeto que deverá traduzir-se num barómetro mensal de acompanhamento e identificação de sites. Segundo …

Tribunal britânico decide que é Guaidó (e não Maduro) quem manda nas reservas de ouro da Venezuela

A justiça britânica decidiu esta quinta-feira que é o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó e não o Presidente Nicolás Maduro quem tem autoridade sobre as reservas de ouro da Venezuela depositadas no Banco de …

Mistério resolvido. Cientistas descobriram como é que as cobras "voam"

Nem todas as cobras se movem arrastando-se discretamente pelo chão. Há uma cobra do género Chrysopelea que parece voar de árvore em árvore. Agora, os cientistas descobriram como é que estes animais se movem pelo …