Casais negros inférteis colocados no fim da lista de procriação assistida

Os casais negros com problemas de infertilidade estão a ser discriminados, sendo colocados no fim da lista da procriação medicamente assistida por não haver doações de negros no Banco de Gâmetas Público

Segundo apurou o Diário de Notícias, uma vez que não houve, até agora, dadores negros no primeiro banco público nacional de gâmetas – espermatozóides ou óvulos -, os casais negros que procuram ajuda médica para ter filhos são colocados no fim da lista.

Isto deve-se à prática médica de não indicar aos casais que podem receber gâmetas de dadores de outra etnia.

A boa prática é atribuir gâmetas de acordo com a etnia“, explica ao DN a directora do Banco de Gâmetas Público, Isabel Sousa Pereira, notando que o médico não deve “propor ao casal ‘quer preto ou branco’”.

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida não tomou, até agora, qualquer posição sobre esta temática, mas a lei não impõe como obrigatoriedade que haja compatibilidade nas características físicas dos dadores e dos futuros pais.

Todavia, os médicos por norma não indicam gâmetas de etnias diferentes às dos casais que procuram a procriação assistida.  “É feito em nome do superior interesse da criança“, explica ao DN o presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, o juiz desembargador Eurico Reis.

“A justificação é que uma criança muito diferente dos pais terá mais dificuldade em integrar-se”, salienta Eurico Reis, frisando que “mesmo na procriação não assistida há problemas com os filhos dos casais mistos” e que “existe um risco sociológico real“.

Mas para o professor catedrático Mário Sousa, responsável pela cadeira de Medicina de Reprodução no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, no Porto, “há aqui um problema”. “As pessoas negras estão a ser discriminadas e isso não pode ser“, salienta no DN.

Ninguém pode opor-se se uma senhora negra quiser ser inseminada com gâmetas de um branco. E vice-versa. E mesmo se se tratar de um casal de negros que diga: ‘queremos gâmetas de branco já que não há de negros’, um médico só pode dizer não por objecção de consciência”, acrescenta Mário Sousa.

ZAP //

 

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Isso não é discriminação. Se não há doadores negros, paciência! Querem obrigá-los? Cada qual com suas prioridades e comvicções.

  2. O assunto como é tratado é uma não notícia.
    É um mau trabalho a sua publicação sob o título que lhe é dado. É tendencioso e pretende criar um caso de discriminação onde ele simplesmente não existe.

    O que faria sentido seria dizer precisamente:

    – Casais de raça negra inférteis têm dificuldade em encontrar resposta ao seu problema pela falta de doadores da sua etnia.

    Seria uma divulgação positiva e quicá “produtiva” pelo surgimento de dadores motivados por esse facto.

    Seria então um bom serviço jornalístico, alertando para a questão de uma forma positiva e útil.

    Elevação e postura ética é o caminho mais difícil mas o único que distingue um profissional de nível.

    • Estou inteiramente de acordo com o Sr. Outsider e, muito especialmente para a sociedade actual em que estando sempre a correr à procura muitas vezes do nada, limita-se a ler ou ouvir os títulos das notícias. Os profissionais da comunicação social têm de ter mais cuidado, muito especialmente na elaboração e publicação de títulos noticiosos. Obrigado Sr. Outsider por alertar para este problema que há necessidade de ser resolvido

  3. Caros leitores,
    Pelo teor sensível do tema, a publicação desta notícia, e a escolha do seu título, mereceram da parte da nossa redacção uma atenção especial.
    Ao trazer à atenção dos nossos leitores um tema que nos parecia de interesse notório, tivemos a noção de que o mesmo iria despertar perspectivas divergentes e opiniões apaixonadas e dividir sentimentos, pelo que procurámos conferir-lhe a maior objectividade possível.
    Entendemos antes de mais ser necessário analisar se o caso noticiado configura uma si um caso de “discriminação”.
    Objectivamente, e independentemente de haver ou não razões que a justifiquem, e de a discriminação ser ou não “positiva”, ou “compreensível”, ou “defensável”, esta é, formalmente, uma situação de “discriminação”, que nem sequer é desmentida – é antes assumida e defendida – pelos médicos que a praticam.
    Usámos então, de forma fria, consciente e desapaixonada, o termo “discriminação” no texto.
    No seu título, a fonte que citámos usou a expressão “discriminação racial”:
    “Suspeita de discriminação racial na procriação assistida”
    Ao construir o nosso título, entendemos que seria ainda prudente retirar-lhe, na medida do possível, qualquer carga de subjectividade ou necessidade de interpretação. Assim, fugimos à palavra “discriminação”, e usámos factos:
    “Casais negros inférteis colocados no fim da lista de procriação assistida”.
    É, objectivamente, o relato factual do conteúdo da notícia.
    Ao contrário do que defendem alguns leitores, não há neste título nenhuma subjectividade, nenhuma opinião transmitida ou subentendida, nenhuma carga interpretativa.
    Esperávamos, ao trazer aos nossos leitores o assunto, que ele despertasse discussão aberta sobre o tema em si, as suas diferentes perspectivas.
    É lamentável constatar que, uma vez mais, em vez de discutir o tema, alguns leitores optam por discutir a forma como o trazemos – e tecer considerações acerca da intenção com que o fazemos – deturpando e invertendo completamente a intenção que sempre tivemos de “prestar um bom serviço jornalístico”, alertando para a questão “de uma forma positiva e útil”.
    São, infelizmente, sinais dos tempos e das modas.

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …