Casais negros inférteis colocados no fim da lista de procriação assistida

Os casais negros com problemas de infertilidade estão a ser discriminados, sendo colocados no fim da lista da procriação medicamente assistida por não haver doações de negros no Banco de Gâmetas Público

Segundo apurou o Diário de Notícias, uma vez que não houve, até agora, dadores negros no primeiro banco público nacional de gâmetas – espermatozóides ou óvulos -, os casais negros que procuram ajuda médica para ter filhos são colocados no fim da lista.

Isto deve-se à prática médica de não indicar aos casais que podem receber gâmetas de dadores de outra etnia.

A boa prática é atribuir gâmetas de acordo com a etnia“, explica ao DN a directora do Banco de Gâmetas Público, Isabel Sousa Pereira, notando que o médico não deve “propor ao casal ‘quer preto ou branco’”.

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida não tomou, até agora, qualquer posição sobre esta temática, mas a lei não impõe como obrigatoriedade que haja compatibilidade nas características físicas dos dadores e dos futuros pais.

Todavia, os médicos por norma não indicam gâmetas de etnias diferentes às dos casais que procuram a procriação assistida.  “É feito em nome do superior interesse da criança“, explica ao DN o presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, o juiz desembargador Eurico Reis.

“A justificação é que uma criança muito diferente dos pais terá mais dificuldade em integrar-se”, salienta Eurico Reis, frisando que “mesmo na procriação não assistida há problemas com os filhos dos casais mistos” e que “existe um risco sociológico real“.

Mas para o professor catedrático Mário Sousa, responsável pela cadeira de Medicina de Reprodução no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, no Porto, “há aqui um problema”. “As pessoas negras estão a ser discriminadas e isso não pode ser“, salienta no DN.

Ninguém pode opor-se se uma senhora negra quiser ser inseminada com gâmetas de um branco. E vice-versa. E mesmo se se tratar de um casal de negros que diga: ‘queremos gâmetas de branco já que não há de negros’, um médico só pode dizer não por objecção de consciência”, acrescenta Mário Sousa.

ZAP //

 

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Isso não é discriminação. Se não há doadores negros, paciência! Querem obrigá-los? Cada qual com suas prioridades e comvicções.

  2. O assunto como é tratado é uma não notícia.
    É um mau trabalho a sua publicação sob o título que lhe é dado. É tendencioso e pretende criar um caso de discriminação onde ele simplesmente não existe.

    O que faria sentido seria dizer precisamente:

    – Casais de raça negra inférteis têm dificuldade em encontrar resposta ao seu problema pela falta de doadores da sua etnia.

    Seria uma divulgação positiva e quicá “produtiva” pelo surgimento de dadores motivados por esse facto.

    Seria então um bom serviço jornalístico, alertando para a questão de uma forma positiva e útil.

    Elevação e postura ética é o caminho mais difícil mas o único que distingue um profissional de nível.

  3. Caros leitores,
    Pelo teor sensível do tema, a publicação desta notícia, e a escolha do seu título, mereceram da parte da nossa redacção uma atenção especial.
    Ao trazer à atenção dos nossos leitores um tema que nos parecia de interesse notório, tivemos a noção de que o mesmo iria despertar perspectivas divergentes e opiniões apaixonadas e dividir sentimentos, pelo que procurámos conferir-lhe a maior objectividade possível.
    Entendemos antes de mais ser necessário analisar se o caso noticiado configura uma si um caso de “discriminação”.
    Objectivamente, e independentemente de haver ou não razões que a justifiquem, e de a discriminação ser ou não “positiva”, ou “compreensível”, ou “defensável”, esta é, formalmente, uma situação de “discriminação”, que nem sequer é desmentida – é antes assumida e defendida – pelos médicos que a praticam.
    Usámos então, de forma fria, consciente e desapaixonada, o termo “discriminação” no texto.
    No seu título, a fonte que citámos usou a expressão “discriminação racial”:
    “Suspeita de discriminação racial na procriação assistida”
    Ao construir o nosso título, entendemos que seria ainda prudente retirar-lhe, na medida do possível, qualquer carga de subjectividade ou necessidade de interpretação. Assim, fugimos à palavra “discriminação”, e usámos factos:
    “Casais negros inférteis colocados no fim da lista de procriação assistida”.
    É, objectivamente, o relato factual do conteúdo da notícia.
    Ao contrário do que defendem alguns leitores, não há neste título nenhuma subjectividade, nenhuma opinião transmitida ou subentendida, nenhuma carga interpretativa.
    Esperávamos, ao trazer aos nossos leitores o assunto, que ele despertasse discussão aberta sobre o tema em si, as suas diferentes perspectivas.
    É lamentável constatar que, uma vez mais, em vez de discutir o tema, alguns leitores optam por discutir a forma como o trazemos – e tecer considerações acerca da intenção com que o fazemos – deturpando e invertendo completamente a intenção que sempre tivemos de “prestar um bom serviço jornalístico”, alertando para a questão “de uma forma positiva e útil”.
    São, infelizmente, sinais dos tempos e das modas.

RESPONDER

Em momento "de vida ou morte" da empresa, Huawei tenta evitar despedimentos

O fundador da Huawei, Ren Zhengfei, escreveu na segunda-feira um comunicado interno no qual admite que a empresa está "num momento de vida ou morte" e pediu aos funcionários que não estão com muito trabalho …

Honduras. Ex-primeira dama condenada por desviar verbas quando marido era Presidente

Um tribunal hondurenho condenou a ex-primeira dama Rosa Elena Bonilla por desviar cerca de 600 mil dólares (540 mil euros) em dinheiro do Governo (2010-2014), quando o marido, Porfirio Lobo, era Presidente. Segundo informou esta quarta-feira …

Maduro confirma conversações ao mais alto nível com EUA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou esta quarta-feira que membros do seu governo mantêm contactos de alto nível com funcionários da administração norte-americana de Donald Trump. "[Donald] Trump disse que os Estados Unidos [EUA] dialogam …

Pardal Henriques desmente Marinho e Pinto. Recebeu convite mas ainda não é candidato

O presidente do Partido Democrático Republicano (PDR) anunciou que o porta-voz do SNMMP é candidato às legislativas de outubro. Pardal Henriques confirmou o convite mas diz que ainda não tomou uma decisão. "Pardal Henriques vai ser …

Desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal continua a diminuir. O desemprego registado cai em julho para o valor mais baixo desde 1991. É o chamado desemprego registado que, depois de em …

Nova acusação contra Plácido Domingo. Jornalista espanhola diz que o tenor se aproximou “mais do que devia”

A jornalista espanhola Karmele Marchante acusou o tenor Plácido Domingo de se ter aproximado "mais do que devia com cara de quero, posso e mando". É um dos desenvolvimentos mais recentes do caso Plácido Domingo e …

China confirma detenção de funcionário do consulado britânico em Hong Kong

A China confirmou esta quarta-feira a detenção de um funcionário do consulado britânico em Hong Kong, Simon Cheng Man-kit, desaparecido desde 08 de agosto, numa altura de tensão diplomática entre Pequim e Londres, devido aos …

Parlamento chinês proíbe casamento entre pessoas do mesmo sexo

A China não segue a lei da Formosa, que autorizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e declara que a posição oficial do Parlamento chinês continua a ser de limitar a autorização do casamento …

Mais de 200 mortos em cheias de verão na China

Pelo menos 201 pessoas morreram, em julho e agosto, e 63 estão desaparecidas, na sequência de cheias em diferentes regiões da China, revelaram esta quarta-feira as autoridades chinesas. As vítimas mais recentes foram registadas numa região …

Trump volta a defender regresso da Rússia ao G7

O Presidente dos Estados Unidos voltou nesta terça-feira a defender o regresso da Rússia ao grupo das oito nações mais industrializadas (G8), que afastaram a Rússia em 2014, no seguimento da anexação da Crimeia, em …