Carteiro condenado por usar cartões de crédito enviados por bancos a clientes

angrywayne / Flickr

-

A 2.ª Vara Criminal do Porto condenou esta sexta-feira um carteiro a respectivamente quatro anos e seis anos de prisão, com pena suspensa, pela prática de um crime de abuso de cartão de crédito e outro de burla informática.

O tribunal condenou ainda o arguido a pagar, “no mesmo prazo”, 40.290 euros ao BPI, ao Banco Espírito Santo e à Unicre.

“A decisão, em si, não me desagrada. Vai de encontro ao que eram as nossas expectativas”, disse à agência Lusa o advogado do arguido, Franclim Ferreira, que vai, contudo, recorrer.

O advogado contestou a indemnização que o carteiro vai ter de pagar, considerando-a elevada.

“Se não fosse isso, se calhar não recorria”, acrescentou.

A acusação refere que os factos ocorreram entre Junho de 2007 e Novembro de 2008, altura em que o arguido era responsável pela distribuição de cartas na zona postal 4300 e 4350, no Porto, e em que, alegadamente, se apropriou indevidamente de mais de 30 cartões.

“Apercebendo-se de que as instituições bancárias enviavam aos seus clientes, por via postal, os cartões bancários de crédito e os de débito, bem como os respectivos códigos secretos/PIN, o arguido formulou o propósito de se apoderar das cartas que contivessem cartões bancários e os seus códigos, proceder à sua abertura e utilizar os cartões bancários e códigos em proveito próprio”, explica a acusação do Ministério Público.

Com essa conduta, o carteiro terá conseguido levantar em terminais multibanco 3.750 euros com os cartões de débito e 49.490 euros com os cartões de crédito enviados por correio pelas instituições bancárias e que, alegadamente, não lhe pertenciam.

A juíza Ana Costa, que presidiu ao colectivo que julgou este caso e hoje leu o acórdão, referiu que “o tribunal deu como provado o essencial da acusação”.

A juíza realçou também que “não havia prova documental de alguns levantamentos” supostamente efectuados pelo arguido, que apenas confessou que se apoderou dos cartões que estavam na sua posse” quando foi detido pela Polícia Judiciária.

A verdade, também segundo o tribunal, é que os lesados moravam na área postal onde o carteiro trabalhava até ao momento em que Judiciária vigiou a sua residência, em 26 de Novembro de 2011.

O arguido, que não tinha antecedentes criminais, queixou-se então de algumas “dificuldades económicas”, encontrando-se hoje a viver noutro ponto do país, onde abriu uma empresa.

“A conduta foi grave, muito grave, e por muito tempo”, considerou a juíza Ana Costa após ler a sentença.

“Queremos acreditar que foi um período conturbado da sua vida que não se voltará a repetir”, completou ainda a magistrada, dirigindo-se ao arguido.

/Lusa

RESPONDER

FMI admite: Troika não protegeu os pobres (e a culpa foi do Governo)

O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela 'troika' em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos …

Bebidas dietéticas podem levar ao aumento de peso

Uma vez anunciados como substitutos do açúcar, os adoçantes artificiais como a sucralose e o aspartame foram bem recebidos pelo público - até há pouco tempo. Recentemente, os investigadores começaram a olhar com crescente suspeita para …

Pedrógão: PGR não explica segredo de justiça, Governo optou por não levantar

Uma empresária de Lisboa fez, por conta própria, um levantamento do número de mortos vítimas do incêndio. No final, chegou ao número 73 que contrasta com os 64 oficiais avançados pelas autoridades. Dúvidas instaladas, pede-se …

China diz à Índia para retirar tropas e não abusar da sorte

A China avisou a Índia para não subestimar a sua determinação em salvaguardar o que considera território seu, numa altura de renovada tensão entre os dois países vizinhos, em torno de uma área disputada nos …

Revolta de pais com problemas nas matrículas obrigou à intervenção da polícia

Um protesto de pais contra as alegadas irregularidades nas matrículas na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, por causa de supostas moradas falsas, obrigou a polícia a intervir para acalmar os ânimos. O relato do caso …

Operadoras de telecomunicações obrigadas a baixar preços ou a aceitar rescisões

A Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) anunciou "medidas correctivas" às operadoras de telecomunicações Meo, Nos, Nowo e Vodafone, no sentido de baixarem preços aos consumidores ou de permitirem a rescisão de contratos sem custos adicionais. Segundo …

Israel substitui detetores de metais por videovigilância na Esplanada das Mesquitas

As forças de segurança israelitas estão a remover os detetores de metais instalados à entrada da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, noticia a Al Jazeera, que cita o diretor da mesquita. Israel começou a …

Afinal, Cristiano Ronaldo vai continuar no Real Madrid

O internacional português garantiu que vai continuar no Real Madrid, acabando com os rumores que diziam que iria sair do clube por estar insatisfeito com a forma como o Fisco espanhol o tem tratado. Em declarações …

Homem armado com faca ataca posto de fronteiriço espanhol de Melilla

O atacante, que estava armado com uma faca, atacou o posto fronteiriço a gritar "Alá é Grande". Provocou ferimentos ligeiros num polícia e acabou por ser detido. Um homem munido de uma faca atacou o posto …

Investigação desmente Governo e confirma queda de helicóptero no incêndio de Alijó

O Ministério da Administração Interna tinha negado a tese de queda de um helicóptero no combate a um incêndio em Alijó, mas o relatório que investigou o caso desmente o Governo e confirma o acidente, …