Os carros vão mudar mais numa década do que mudaram num século

Wei-Te Wong / Flickr

Mercedes F015, apresentado no Taipei International Auto Show de 2016.

Embora a aparência dos carros tenha mudado nos últimos cem anos, a maneira como os conduzimos pouco ou nada mudou. Contudo, acredita-se que na próxima década, além da forma como se movimentam ser diferente, também não seremos nós a conduzi-los.

Alguns carros já têm funcionalidades básicas de automação, mas as experiências feitas atualmente por empresas como a Uber e a Google retratam uma proporção minúscula dos veículos nas nossas estradas. Até 2030, o carro vai passar de apenas ajudar o condutor para assumir o controlo total de todos os aspetos da condução.

Essa automação generalizada deverá transformar a indústria automóvel de uma forma significativa, afetando tudo, desde a aparência e a sensação de conduzir os carros até à maneira como passamos tempo dentro deles.

Experiência de condução muito diferente

A primeira grande diferença que poderemos notar entre os carros de hoje e os de 2030 serão os seus nomes. Assim como a Apple e a Samsung assumiram o mercado dos telemóveis que a Nokia e a Blackberry dominavam, Tesla, Apple e Google podem tornar-se nas marcas de automóveis mais reconhecidas no futuro.

Provavelmente serão também muito diferentes. Exteriormente, as entradas de ar e as grades frontais que refrigeram os motores não serão mais necessárias. Os espelhos retrovisores serão substituídos por câmeras e sensores. As janelas poderão ser maiores para permitir que os passageiros apreciem melhor a vista.

Os interiores dos veículos serão muito mais flexíveis, com alguns a permitir a personalização de cor, luz, privacidade e layout com um simples toque de um botão. O recente conceito 360c da Volvo prevê um espaço multifuncional que pode transformar-se num lounge, escritório ou até mesmo num quarto.

As viseiras de sol vão tornar-se obsoletas, com a implementação de um vidro inteligente que nos permite controlar a quantidade de luz que entra. As portas do F015, um novo conceito da Mercedes, têm telas extra que podem funcionar como janelas ou sistemas de entretenimento.

Muitos carros serão equipados com sistemas de realidade aumentada, que irão dispor imagens geradas por computador no para-brisas. Além disso, os condutores vão poder comunicar com os carros através de comandos de voz ou gesto.

Tecnologia conectiva

A internet das coisas será fundamental para a forma como os nossos carros se movimentam e comunicam com o mundo exterior. Sensores projetados para reconhecer e comunicar com sinais de trânsito, redes de câmeras, pedestres e outros veículos vão permitir uma maior eficiências dos veículos.

Quando os humanos escolhem assumir o volante, a tecnologia alerta os condutores para possíveis colisões iminentes e tenta evitá-los. É provável que as melhorias na tecnologia de sensores térmicos permitam que os carros vejam além da faixa de iluminação dos faróis.

Estas tecnologias podem, portanto, reduzir substancialmente o número de acidentes rodoviários.

Embora os condutores das zonas rurais provavelmente ainda tenham o seu carro próprio, as cidades podem-se afastar desta realidade e passar para um uso de veículos de serviços como a Uber. Em Moscovo, são feitas diariamente 9 milhões de viagens — 30 vezes mais do que no início de 2018.

Combustíveis do futuro

Vários países e cidades anunciaram proibições à venda de novos carros a gasolina e diesel (muitos deles até 2030). Veículos mais antigos ainda serão usados, portanto é improvável que os postos de gasolina desapareçam até essa altura. No entanto, as fabricante de automóveis estão já a concentrarem-se em veículos movidos a energias alternativas.

A incerteza em relação aos carros híbridos bastante populares atualmente serão incluídos na proibição de veículos pode desencorajar empresas e consumidores de investirem nesse sentido.

Os veículos totalmente elétricos representam apenas 2% do mercado global até ao momento, mas com o seu preço a baixar, a sua participação de mercado certamente aumentará.

Depende até que ponto a suficiência e o tempo de carregamento, ainda limitados, podem ser melhorados. Os cientistas estão a trabalhar com o objetivo de resolver as dificuldades de produção e armazenamento que limitam o potencial de veículos movidos a hidrogénio.

O ano de 2030 pode não parecer muito distante, mas uma década é muito tempo para a tecnologia mudar. Em 2008, o primeiro iPhone acabava de ser lançado e as alterações climáticas era uma questão quase desconhecida para os governos e para os media. Agora, a tecnologia e o discurso ambiental estão a mudar a um ritmo sem precedentes.

PARTILHAR

RESPONDER

Califórnia já tem uma estrada pavimentada com plástico

O que parece uma estrada comum é agora a mais recente novidade na cidade de Oroville, na Califórnia. A nova construção junta uma tecnologia que mistura garrafas de plástico com asfalto. Por cada quilómetro de …

Mais de mil operacionais combatem cinco grandes fogos em Portugal

Mais de 1100 operacionais e 16 meios aéreos estão a combater, esta quinta-feira, os cinco maiores incêndios rurais em território continental, concentrados sobretudo na região Centro, de acordo com dados da Proteção Civil. Segundo o site …

Coca-Cola financiou estudos científicos que minimizaram o papel das bebidas açucaradas na obesidade, revela investigação

A Coca-Cola terá financiado com milhões de dólares vários estudos científicos que minimizaram o impacto das bebidas açucaradas na obesidade. A conclusão é de uma investigação publicada na revista médica Public Health Nutrition, que conta …

André Ventura vai pedir suspensão temporária do mandato no Parlamento

O deputado do Chega vai pedir, em setembro, a suspensão do mandato parlamentar até fevereiro do próximo ano para se dedicar às campanhas eleitorais da região dos Açores e das Presidenciais. Em declarações à agência Lusa, …

Governo abre concursos para 800 novos técnicos especializados nas escolas

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados, um reforço de recursos humanos "englobado nas medidas excecionais de organização e funcionamento das escolas para o próximo ano letivo". "As escolas vão poder contratar …

Macron em Beirute: "Se não houver reformas, Líbano continuará a afundar-se"

O Presidente francês chegou, esta quinta-feira, a Beirute, no Líbano. É o primeiro chefe de Estado a visitar o país depois das explosões que destruíram parte da capital.  Emmanuel Macron aterrou no Líbano, esta quinta-feira, e …

"Eu disparei". Neonazi alemão confessa ter matado autarca Walter Lübcke

Um neonazi alemão confessou hoje em tribunal ter matado o autarca Walter Lübcke em 2019, homicídio que chocou o país e fez ressurgir o debate sobre a violência de extrema-direita na Alemanha. "Eu disparei" sobre Walter …

Há 16 anos que não havia tão pouca água na albufeira do Alqueva

É preciso recuar ao ano de 2004 para encontrar uma altura em que esta albufeira tenha tido menos água do que agora, que corresponde apenas a 63,8% do seu nível de pleno armazenamento. De acordo com …

CTT passam de lucros a prejuízos de dois milhões de euros

Os CTT registaram, no primeiro semestre deste ano, prejuízos de dois milhões de euros, o que compara com lucros de nove milhões de euros em igual período de 2019. "O resultado líquido foi de -2 milhões …

Equipa do ciclista em estado grave vai apresentar queixa-crime contra o rival

O diretor da equipa Deceuninck-Quick Step confirmou, esta quinta-feira, que vai apresentar uma queixa-crime contra o ciclista Dylan Groenewegen, face à sua responsabilidade na grave queda de Fabio Jakobsen no Tour da Polónia. "Confirmo as mensagens …