Os carros vão mudar mais numa década do que mudaram num século

Wei-Te Wong / Flickr

Mercedes F015, apresentado no Taipei International Auto Show de 2016.

Embora a aparência dos carros tenha mudado nos últimos cem anos, a maneira como os conduzimos pouco ou nada mudou. Contudo, acredita-se que na próxima década, além da forma como se movimentam ser diferente, também não seremos nós a conduzi-los.

Alguns carros já têm funcionalidades básicas de automação, mas as experiências feitas atualmente por empresas como a Uber e a Google retratam uma proporção minúscula dos veículos nas nossas estradas. Até 2030, o carro vai passar de apenas ajudar o condutor para assumir o controlo total de todos os aspetos da condução.

Essa automação generalizada deverá transformar a indústria automóvel de uma forma significativa, afetando tudo, desde a aparência e a sensação de conduzir os carros até à maneira como passamos tempo dentro deles.



Experiência de condução muito diferente

A primeira grande diferença que poderemos notar entre os carros de hoje e os de 2030 serão os seus nomes. Assim como a Apple e a Samsung assumiram o mercado dos telemóveis que a Nokia e a Blackberry dominavam, Tesla, Apple e Google podem tornar-se nas marcas de automóveis mais reconhecidas no futuro.

Provavelmente serão também muito diferentes. Exteriormente, as entradas de ar e as grades frontais que refrigeram os motores não serão mais necessárias. Os espelhos retrovisores serão substituídos por câmeras e sensores. As janelas poderão ser maiores para permitir que os passageiros apreciem melhor a vista.

Os interiores dos veículos serão muito mais flexíveis, com alguns a permitir a personalização de cor, luz, privacidade e layout com um simples toque de um botão. O recente conceito 360c da Volvo prevê um espaço multifuncional que pode transformar-se num lounge, escritório ou até mesmo num quarto.

As viseiras de sol vão tornar-se obsoletas, com a implementação de um vidro inteligente que nos permite controlar a quantidade de luz que entra. As portas do F015, um novo conceito da Mercedes, têm telas extra que podem funcionar como janelas ou sistemas de entretenimento.

Muitos carros serão equipados com sistemas de realidade aumentada, que irão dispor imagens geradas por computador no para-brisas. Além disso, os condutores vão poder comunicar com os carros através de comandos de voz ou gesto.

Tecnologia conectiva

A internet das coisas será fundamental para a forma como os nossos carros se movimentam e comunicam com o mundo exterior. Sensores projetados para reconhecer e comunicar com sinais de trânsito, redes de câmeras, pedestres e outros veículos vão permitir uma maior eficiências dos veículos.

Quando os humanos escolhem assumir o volante, a tecnologia alerta os condutores para possíveis colisões iminentes e tenta evitá-los. É provável que as melhorias na tecnologia de sensores térmicos permitam que os carros vejam além da faixa de iluminação dos faróis.

Estas tecnologias podem, portanto, reduzir substancialmente o número de acidentes rodoviários.

Embora os condutores das zonas rurais provavelmente ainda tenham o seu carro próprio, as cidades podem-se afastar desta realidade e passar para um uso de veículos de serviços como a Uber. Em Moscovo, são feitas diariamente 9 milhões de viagens — 30 vezes mais do que no início de 2018.

Combustíveis do futuro

Vários países e cidades anunciaram proibições à venda de novos carros a gasolina e diesel (muitos deles até 2030). Veículos mais antigos ainda serão usados, portanto é improvável que os postos de gasolina desapareçam até essa altura. No entanto, as fabricante de automóveis estão já a concentrarem-se em veículos movidos a energias alternativas.

A incerteza em relação aos carros híbridos bastante populares atualmente serão incluídos na proibição de veículos pode desencorajar empresas e consumidores de investirem nesse sentido.

Os veículos totalmente elétricos representam apenas 2% do mercado global até ao momento, mas com o seu preço a baixar, a sua participação de mercado certamente aumentará.

Depende até que ponto a suficiência e o tempo de carregamento, ainda limitados, podem ser melhorados. Os cientistas estão a trabalhar com o objetivo de resolver as dificuldades de produção e armazenamento que limitam o potencial de veículos movidos a hidrogénio.

O ano de 2030 pode não parecer muito distante, mas uma década é muito tempo para a tecnologia mudar. Em 2008, o primeiro iPhone acabava de ser lançado e as alterações climáticas era uma questão quase desconhecida para os governos e para os media. Agora, a tecnologia e o discurso ambiental estão a mudar a um ritmo sem precedentes.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas querem usar bombas nucleares para desviar asteróides (mas nem todas servem)

Os cientistas querem usar bombas para desviar asteróides que se aproximam perigosamente da Terra. Contudo, um novo estudo revelou que nem todas as bombas nucleares servem e é preciso escolher a correta. Uma colaboração entre o …

Astrónomos detetam ponte azul de estrelas (e está prestes a explodir)

Uma equipa de astrónomos descobriu uma nova região na Via Láctea repleta de estrelas azuis brilhantes e escaldantes que estão prestes a explodir. A equipa de cientistas estava a criar o mapa mais detalhado dos braços …

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …