Canadá tem provas de que avião foi abatido por míssil iraniano. New York Times divulga vídeo

Abedin Taherkenareh / EPA

O primeiro-ministro canadiano afirmou, esta quinta-feira, que o seu Governo dispõe de informações de que o voo 752 de Ukranian International Airlines (UIA) foi derrubado por um míssil iraniano.

“Temos informação de múltiplas fontes, incluindo dos nossos aliados e as nossas próprias informações. As provas indicam que o avião foi abatido por um míssil terra-ar iraniano”, afirmou Justin Trudeau em conferência de imprensa, acrescentando, no entanto, que a ação “pode não ter ter sido intencional”.

A tese de que a aeronave foi derrubada por balística iraniana também é partilhada pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, que disse ter “um conjunto de informações” de que a aeronave foi “abatida por um míssil iraniano de superfície para ar”.

Quatro oficiais norte-americanos que falaram sob a condição de anonimato, citados pela agência Associated Press, referiram que o avião poderá ter sido confundido como uma ameaça por parte de Teerão.

Entretanto, de acordo com a France-Presse, Teerão convidou Otava a “partilhar” essas informações com a comissão de inquérito iraniana, criada depois de o voo comercial ter caído, alegando “cenários duvidosos”.

O Ministério das Relações Exteriores do Irão convidou também a Boeing, fabricante da aeronave, a “participar” na investigação. A agência norte-americana para a segurança dos transportes, a NTSB, também anunciou que vai participar no inquérito.

A Ucrânia já enviou para Teerão uma equipa de 45 investigadores para estudar as causas do desastre aéreo.

Esta sexta-feira, o presidente da Autoridade da Aviação Civil do Irão, Ali Abedzadeh, numa conferência de imprensa na capital iraniana, disse ter a “certeza” de que o Boeing “não foi atingido por um míssil”.

Ontem, o jornal New York Times divulgou um vídeo que mostra o momento em que alegadamente o avião é atingido pelo que o jornal norte-americano diz ser um míssil iraniano, pouco depois de descolar do aeroporto.

O aparelho, um Boeing 737 da companhia aérea privada ucraniana UIA, descolou na quarta-feira de manhã da capital iraniana, Teerão, em direção à capital da Ucrânia, Kiev. O avião despenhou-se dois minutos, matando as 176 pessoas (passageiros e tripulantes) que estavam a bordo, a maioria de nacionalidade iraniana e canadiana.

Onze ucranianos, incluindo nove membros da tripulação, estão, igualmente, entre as vítimas mortais do acidente. Também estavam dentro do avião da UIA cidadãos oriundos da Suécia, Afeganistão, Alemanha e Reino Unido.

As primeiras indicações disponibilizadas pelas autoridades iranianas apontaram para a existência de problemas mecânicos na origem da queda do avião.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Entrar em terra de gente fanática e que só a ideia deles é que é válida é sempre uma incerteza de como se irá sair de lá, independentemente de qual teria sido a causa do acidente.

RESPONDER

Afastado juiz que disse que "fechar as pernas" impedia agressão sexual

Um juiz de Nova Jersey, nos Estados Unidos (EUA), que disse que fechar as pernas poderia evitar uma agressão sexual foi impedido de presidir um tribunal, tendo sido afastado da Suprema Corte do Estado. Segundo noticiou …

"Tofu nunca causou uma pandemia", publica PETA em outdoors

A organização de direitos dos animais PETA está a incentivar os norte-americanos a experimentar tofu, através de anúncios em 'outdoors' nos Estados Unidos (EUA) onde defendem que o produto de soja "nunca causou uma pandemia". A …

Portugueses estão menos preocupados com a pandemia, mas apreensivos com a economia

O grau de preocupação com a pandemia diminuiu de 80,9% durante o estado de emergência para 76,2% no estado de calamidade, mas os portugueses estão mais alerta quanto ao impacto na economia, conclui um inquérito …

Nova morte, saqueamentos e protestos. Minneapolis vive caos após homicídio de George Floyd

Um homem foi encontrado morto a tiro, na madrugada de hoje, suspeito de ter sido vítima dos protestos, em Minneapolis, contra a morte de um homem negro sob custódia policial. Durante a noite de quarta-feira, milhares …

Filho de Deeney tem problemas respiratórios. Jogador foi alvo de abusos por recusar treinar

O futebolista Troy Deeney, capitão do Watford, revelou que tem sido alvo de abusos e comentários depreciativos, por ter recusado voltar aos treinos, face aos problemas respiratórios do seu filho. “Vi comentários em relação ao meu …

Parlamento aprova alargamento de apoios a todos os sócios-gerentes afetados pela pandemia

O parlamento aprovou hoje, em votação final global, um texto final que alarga os apoios no âmbito do `layoff´ aos sócios-gerentes das micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia covid-19, independentemente do volume de faturação. Com …

Pandemia de covid-19 alimenta corrupção na América Latina

A propagação da Covid-19 na América Latina está a alimentar a corrupção nos vários países que a integram, que vai desde a inflação dos preços a situações de aproveitamento económico e de ligações entre políticos …

Mais de 500 católicos portugueses contra proibição de comunhão na boca

Mais de 500 católicos portugueses, entre leigos e sacerdotes, apelaram à Conferência Episcopal Portuguesa para revogar a proibição de os fiéis receberem a comunhão na boca, por causa da pandemia de covid-19, informou na quarta-feira …

Adeptos recusam devolução dos bilhetes. Bayern distribui dinheiro por clubes amadores

Os adeptos do Bayern renunciaram ao direito de serem reembolsados pelos bilhetes comprados para os jogos até ao final da temporada. O clube decidiu distribuir o dinheiro pelos emblemas amadores da região da Baviera. Tal como …

Trabalhadores acusam TAP de pagar abaixo do salário mínimo a tripulantes em lay-off

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) acusou hoje a TAP de não estar a pagar o previsto na lei do ‘lay-off’, indicando vários casos em que a remuneração é inferior …